Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Sindicato do Sexo

         As ruelas estavam vazias. Dois jovens saltam do carro e se achegam ao costumaz hoteleiro. "Greve, sim. Greve." Responde aos jovens. “As prostitutas estão em greve”. Custosos em acreditar, continuam rondando o centro da cidade, mas, é evidente, não há prostituta alguma. Eles tentam, por último, os telefones celulares das mais caras. Todos estão desligados.
         No dia seguinte, não é visto um classificado que seja sobre sexo profissional. A manchete de capa: “Profissionais do sexo deflagram greve”. Abaixo, toda uma matéria jornalística explicando que prostitutas, travestis e michês entraram em greve por melhores condições de trabalho e por regularização da profissão. A presidente do movimento afirmava ter apoio de entidades feministas, das de direitos humanos, além do apoio de alguns juristas e intelectuais. Até suas reivindicações serem atendidas a greve permaneceria.
         O público não acreditava que tal movimento teria eficácia. Mas conforme os dias se transformavam em semanas, a sociedade começava a mostrar sinais de colapso. Aos donos de clínicas, aos empresários bem-sucedidos, aos grandes fazendeiros que se utilizavam do serviço das profissionais, aumentaram-se o índice de violência doméstica e divórcio. Aos jovens solitários que também se utilizavam do serviço, aumentou-se o número de suicídios. Aos homossexuais sigilosos que também se utilizavam dos profissionais, aumentou-se o número de revelações e assumidas. Os jovens homossexuais saíam de suas casas, os casados se separavam. E aos usuários proibitivos, aumentou-se o número de escândalos. Aos que sofriam de tara, aumentou-se o número de estupros, aos que eram clérigos, e aos que eram patrões, aumentaram-se o número de abusos e assédios, seguidos de processos, excomunhões e demissões. Aos usuários mais assíduos, as relações sociais costumeiras se mantinham, mas a muito custo: aumentaram-se a esses o estresse, as brigas familiares, o alcoolismo, os acidentes de trânsito. E aos profissionais que tentavam furar a greve, os profissionais aderidos prontamente os agrediam quase até a morte. A alta de todos esses índices sobrecarregava a polícia, o jurídico, os órgãos públicos. Toda essa tensão começou a gerar debates nas escolas, nas igrejas, no rádio e na televisão. O número de pessoas a favor da regularização dos profissionais aumentava avassaladoramente de toda a parte. A popularidade dos governantes e do legislativo caía fatalmente. As câmaras não tiveram alternativa senão mobilizar uma constituinte que regularizasse todas as condições trabalhistas dos profissionais do sexo. A lei foi rapidamente aprovada quase que unanimemente. A greve, que durara quase seis meses, chegara ao fim. E com o reinício do serviço, a sociedade voltou ao normal.
Vitor Junior
Enviado por Vitor Junior em 04/04/2006
Reeditado em 27/02/2015
Código do texto: T133819
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vitor Junior
Maringá - Paraná - Brasil, 36 anos
380 textos (144548 leituras)
5 e-livros (131 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 04:08)
Vitor Junior