Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Inércia

         Foi assim mesmo. Ano após ano, a cada verão nascia um filho. E a cada parto, a certeza: eram retardados. Já nasciam sem chorar. Apenas um gemido, como um  débil protesto por estarem vindo ao mundo daquele jeito incapaz.
        Num cômodo à parte, um estrado com colchões ia acolhendo os retardados, incapazes de se mexerem sozinhos. Todos ali, lado a lado como bonecos eternamente inertes.
        Eram quatro, três rapazes e uma moça. Mas pareciam tudo a mesma massa disforme e exigente.
        Ela, a mãe, já nem sabia direito o que era uma pessoa normal, que falasse, andasse, risse, chorasse. Deixara de receber visitas há muito tempo e nem a assistente social ia mais àquele fim de mundo onde seu marido resolvera levá-los para morar.
Ia levando assim, sem reclamar, pois não conhecera vida mais fácil e eram seus filhos, apesar de tudo. Amava-os.
        Ao lavar a moça, certa manhã, notou que seu ventre estava um pouco mais proeminente que de costume.
_"Gases, por certo. Não vou dar feijão por uns dias", pensou ela.
        Mas o ventre crescia a cada dia, independente da comida que fizesse. Lá no fundinho, ela sabia o que era aquilo, mas se recusava a acreditar e deixou por aquilo mesmo.
        Não falou com o marido, não falou para ninguém. Não sabia o que fazer, mas agora sofria demais cada vez que via aquele ventre crescido.
        Crescia o nojo pelo marido e se negava a ter qualquer intimidade com ele, e se já falava pouco, agora emudecera completamente.
        E o silêncio pesado daquela casebre só foi rompido certa manhã por um gemido, quase choro, que mais parecia um protesto.
        E silenciosamente ela foi até o estrado onde estavam seus filhos e ajudou sua filha a ter o bebê, que ela sabia ser filho de seu marido.
        Ela ainda não sabia como, mas iria fazê-lo pagar por isso. Ah, se ia!
Por enquanto, precisava ainda dele...

odeteronchibaltazar
Enviado por odeteronchibaltazar em 29/04/2005
Código do texto: T13745

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
odeteronchibaltazar
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, 63 anos
37 textos (2582 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:32)
odeteronchibaltazar