Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Olhando para o céu

Levantava todas as madrugadas, debruçava-se no peitoril da janela e ficava horas olhando o céu, como se procurasse por uma estrela perdida dentre bilhões de outras estrelas Acendia um cigarro e ficava ali parado, olhar fixo no infinito do céu.
Quando chovia ou quando o céu ficava encoberto de nuvens, que o impediam de ver as estrelas, continuava ali, parado, olhando para a mesma direção.
Os poucos amigos e os vizinhos que, com o passar dos anos perceberam esse  hábito incomum, nada perguntavam. Apenas achavam  estranho, mas no fundo compreendiam. Achavam que era fruto da solidão vivida por longos e longos anos ou então que ele realmente apreciava a beleza do céu e gostava de contemplá-lo para preencher os intermináveis momentos de sua insônia crônica.  Vivia sozinho, não tivera filhos, sempre fora homem de poucas palavras e, de certa forma, eram compreensíveis as atitudes estranhas.
Com o passar do tempo, passou a ficar mais tempo na janela. Às vezes,  ficava ali, na mesma posição contemplativa até o dia começar a surgiu. Só então fechava a janela e recolhia-se ao quarto de dormir.
Numa noite, era uma madrugada fria de inverno, ele continuava ali no mesmo lugar de sempre. O vento frio soprava forte e batia no seu rosto também gelado.  De repente, percebi que, pela primeira vez ele sorria.  Continuava olhando para o céu e sorrindo abertamente. Sorria também com os olhos e com o coração.
Na manhã do dia seguinte o seu corpo gelado fora encontrado estendido ao chão, abraçado ao  porta-retrato de sua eterna e fiel companheira.
J Angelo
Enviado por J Angelo em 30/05/2006
Reeditado em 31/05/2006
Código do texto: T166329
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J Angelo
Alfenas - Minas Gerais - Brasil
6 textos (605 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 04:17)