Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Notícias

Ela me escreveu, com letras de forma e tinta perfumada, uma carta poética.
Deixou cair uma lágrima que borrou o ponto final, só pra eu sonhar com sua dor.
Assim ela me venceu, e nem precisou lutar. Eu me entreguei.
Como ela é faceira, ou talvez uma feiticeira.
Podia ler em suas letras quando sorria ou quando chorava.
Estava escrito em minha pele o quanto eu a amava.
Mas, feriu-se com a pena, e a tinta virou sangue em sus mãos.
Não eram palavras de carinho que agora, invadiam meu coração.
Ela disse adeus, sem um único som pronunciar.
E eu sabia que agora, para sempre, em minha escrivaninha, aquela carta eu iria guardar.
As letras não são culpadas pelos sentimentos, elas apenas trazem notícias.
Alexandre Costa
Enviado por Alexandre Costa em 02/06/2006
Código do texto: T167814
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexandre Costa
Santos - São Paulo - Brasil
64 textos (1858 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 00:21)
Alexandre Costa