Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Bundas às quatro da madrugada



 

 

Ele entrou na lanchonete e num olhar perfilado mirou o balcão num tempo plácido e quase em um coro mágico ouviu estalar em seus acordes: “quantas bundinhas arrebitadas se empinam ancantadas ao teu deleite e furor”. Umas de mini, outras num jeans, sejam cobertas em seda ou em brins tolos, todas a exaltar: uma celebração traseira! Todas empinadas, até as murchas, as baixas, as alturas, esperando aquele que adentra um olhar.

 

Daí entra ele outro a emoldurar balcões, olhar perfis, medir situações. Logo ele, tênis baixo, cós em cerco a espelhar, na espera, corpos que se aprumam a filas e senhas! Oh! Que corpos espalmados nestas impunes esperas, medita: “não há para mim bundinha empinada, nem mulheres de qualquer espécie!” Pobre-diabo! Lá estão todas em pé, com seus machos, seus sanduíches, suas fomes e suas quimeras, enfileiradas no mesmo, mesmíssimo, móvel comprido da altura aproximada dos cotovelos, às quatro da madrugada.

 

Solange Pereira Pinto
Enviado por Solange Pereira Pinto em 28/07/2006
Código do texto: T203620
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Solange Pereira Pinto
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 49 anos
59 textos (37622 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:13)
Solange Pereira Pinto