Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Enigma ( V )

Na mesa dos fundos da Cafeteria Central Ana Paula tentava assimilar tudo o que estava acontecendo. Antônio estava morto. Uma incrível coincidência ou uma morte muito providencial? Teria sido vítima da sujeirada do Enigma? E ele nem sabia que se tratava de uma estória real. Mas ela sabia e sabia muito. Se Antônio morreu em consequência do Emigma ela também corria muito perigo. O mais prudente seria ir até à Polícia o mais rápido possível. Decidiu que iria fazê-lo, mas antes de qualquer coisa, tinha que ir pra casa esperar Alberto. Ele saiu só com a roupa do corpo, teria que voltar, e eles tinham muito o que conversar.

Ao sair da cafeteria, Ana Paula ficou parada na calçada tentando lembrar onde tinha estacionado o carro, não pode perceber o ciclista imprudente que a atropelou e a fez bater violentamente a cabeça, perdendo os sentidos.

.........................................

Ana Paula abriu os olhos. Percebeu que estava em seu quarto, deitada em sua cama. Podia sentir um agradável cheiro de café vindo da cozinha. Tentou levantar, mas sentiu-se um bocado tonta. Deitou-se novamente. Observou que no criado-mudo repousava um farto ramalhete de rosas amarelas, as suas preferidas, as que Alberto sempre a presenteava. Olhou no relógio: 7:45am - 26-07 - Quarta-feira. Quarta - feira?

Alberto abriu a porta do quarto, sustentando um belo café da manhã em uma das mãos.

- Bom dia, meu amor! Você dormiu bem? Veja que lindo dia lá fora!

-Bom dia, Alberto! - respondeu, confusa - O que aconteceu?

-Você não lembra, querida? Um ciclista idiota a atropelou na calçada da cafeteria, por sorte você não se machucou seriamente... Olha, tome o seu café para não esfriar!

Ela estava extremamente confusa e intrigada. Sentia-se como fora da realidade.

-Alberto, que dia da semana é hoje?

-Hoje é quarta-feira, 26 de julho. Mas fique tranquila, hoje não vou trabalhar, ficarei o dia inteiro cuidando de você. Ah! Aquele cara que corrige seus textos, o Antônio de Lima ligou, ele soube do acidente, estava preocupado. Mas eu já o tranquilizei, já lhe disse que você está ótima! Espero que ele não resolva vir lhe ver e atrapalhar o seu descanso.

-Não, Alberto! - interrompeu ela, sentindo uma pontada na cabeça - 26 de julho já passou! Foi o dia em que você jogou meu Enigma no mar! Você não voltou para casa e Antônio morreu  no dia seguinte! Alberto, por favor, fale a verdade, hojé é 28 de julho, sexta-feira, não é?

Albeto arregalou os olhos:

-Ana, de onde você tirou tudo isso? Meu Deus, os médicos fizeram todos os exames, estava tudo bem! Querida, tenho certeza que hoje é quarta-feira e até a quinze minutos atrás Antônio estava vivo, pois ele mesmo ligou para cá. E eu não joguei seu Enigma no mar, ele está aí, ao seu lado, na sua cabeceira, pode ver!

...........................................

Ana Paula abriu os olhos abruptamente. Havia cochilado em cima do romance policial mais excitante que já lera: "Enigma", autoria de um novo escritor português, Antônio de Lima. Como queria ela ter escrito aquelas linhas...



                     F    I     M
Catia Schneider
Enviado por Catia Schneider em 16/08/2006
Código do texto: T217980
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Catia Schneider
Joinville - Santa Catarina - Brasil, 38 anos
147 textos (33309 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 10:42)
Catia Schneider