Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
                   
 
A fonte das realizações

 

Cícero, órfão de pai e mãe, vagueava de um vilarejo a outro em busca de alimento e abrigo. Porém, mais que alimentos para saciar a fome e lugares - secos e confortáveis - para dormir, Cícero buscava uma razão... Ele queria entender porque muitas pessoas batalham uma vida inteira e vivem infelizes, frustradas, fracassadas... Enquanto outras, enfrentando dificuldades similares, são felizes, otimistas e bem sucedidas.
 
Certo dia Cícero encontrou um velho solitário em seu caminho. Ele carregava um enorme fardo que parecia muito pesado, especialmente, para alguém tão velho e cansado. Solidário, o garoto decidiu fazer-lhe companhia. Mais adiante, quando pararam para descansar às margens de um riacho, notou que o velho prostrou-se sem, contudo, livrar-se do pesado embrulho. A atitude estranha do companheiro chamou-lhe a atenção.
 
─ O que há em sua bagagem que a torna tão pesada? Eu ficaria contente em poder ajudá-lo. Afinal, sou um forte garoto e o senhor me parece tão cansado... 

─ Não há nada que possa fazer por mim. Eu mesmo devo carregar este fardo. Você compreender-me-á quando o peso dos anos revelar o seu... 

Os dias passavam, paulatinamente, e os dois companheiros de infortúnios iam percorrendo inúmeros quilômetros por caminhos indefinidos. Embora Cícero questionasse freqüentemente o ancião sobre a razão que tanto buscava entender, este nada dizia. Por mais que tentasse, também não conseguia descobrir que "tesouro" o velho carregava com tanta dificuldade. 

Inúmeras vezes, no silêncio das monótonas noites insones, o garoto fingia dormir enquanto o ancião - sob a tênue luz de uma velha lamparina - aproveitava os momentos de solidão para remexer e amaldiçoar o conteúdo de sua misteriosa bagagem. Mas, assim que amanhecia ele a atrelava o peito e nada dizia. 

Um dia o velho, sentindo que seu cansado corpo já não reagia ao comando de suas vontades, sentou-se na relva para repousar. Chamou Cícero para perto de si e, apontando para o longínquo horizonte, disse-lhe: 

─ Meu filho, você está vendo aquele ponto brilhante logo abaixo da linha do horizonte? 

─ Sim, senhor. O que é aquilo? 

─ É o manancial que eu persegui a vida toda... É a Fonte das realizações. Aquele que lá chegar e banhar o corpo exausto nas águas cristalinas da fonte poderá desvendar o verdadeiro sentido da vida e realizar seus sonhos. Eu jamais conseguirei cumprir o trajeto que ainda me resta por causa desta maldita bagagem que trago presa ao peito desde a minha infância...

─ Mas, afinal, o que o senhor traz nesta bagagem que o impede de conquistar a Fonte das realizações? 

─ Meu filho, aqui guardei todas as crenças limitantes que alimentei ao longo da vida; tudo o que os outros, através de críticas e comentários maldosos, me fizeram acreditar sobre mim mesmo e que não era verdade. Neste fardo também se juntaram meus medos, fracassos, mágoas, ressentimentos, ilusões, inseguranças e principalmente minha falta de fé, amor, esperança, coragem, confiança, esforço, persistência e determinação. No início não percebi, mas com o passar do tempo tudo isso foi se transformando em pedras que pesaram durante minha jornada, dificultando consideravelmente meus passos. Hoje me dou conta de que passei pela vida como uma sombra, pois carreguei inutilmente o peso de cada seixo da dúvida; cada grão dos dissabores existenciais vividos; cada fardo da orientação errônea que colecionei durante estes anos todos. Livre de tanta inutilidade, eu poderia ter ido longe, poderia ter conquistado a Fonte das realizações e vivido a vida dos meus sonhos... No entanto, acabo aqui fracassado e miserável.

E, estreitamente, ligado ao fardo o velho fechou os olhos para sempre... Com respeito, Cícero soltou as cordas que prendiam o estranho embrulho ao corpo inerte do amigo e abriu-o com cuidado. Talvez, por já ter compreendido a razão que tanto buscava, não ficou surpreso com o que encontrou... O fardo que prostrara o velho companheiro por uma longa e amarga existência estava vazio.

Maria Aparecida Giacomini Dóro
Enviado por Maria Aparecida Giacomini Dóro em 19/08/2006
Reeditado em 31/12/2015
Código do texto: T220481
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Aparecida Giacomini Dóro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Maria Aparecida Giacomini Dóro
Bituruna - Paraná - Brasil
446 textos (130370 leituras)
53 e-livros (13673 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 18:18)
Maria Aparecida Giacomini Dóro

Site do Escritor