Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O homem de cadeira de rodas

A vida é provavelmente redonda.
Vincent van Gogh



       A casa do homem de cadeira de rodas ficava ao lado de um enorme terreno que era usado como campo de futebol pela molecada da favela próxima. No pequeno quarto da casa havia um Vincent van Gogh que mais parecia um espelho refletindo o quarto do homem de cadeira de rodas: uma cadeira, uma porta, uma toalha pendurada, um pequeno espelho, uma mesa, uma janela entreaberta, outra cadeira, um cabide, quadros, uma cama, outra porta. Uma das diferenças estava apenas na segunda cadeira, pois a que havia lá era de rodas. Alguns dos meninos traziam bolas de meia para jogar no campo improvisado. Era um tumulto infernal que faziam o dia inteiro. Mas o homem de cadeira de rodas, abandonado pela família e pelos amigos, em vez de se perturbar com tamanho barulho, parecia sentir um grande prazer.

     Vezenquando, ele se servia de um par de muletas e dava uma voltinha no campo empoeirado. Às vezes, apesar de sua solidão e outros elementos psicológicos ignorados por ele e os demais, rompia numa bebedeira que se prolongava por toda a madrugada – vinho, cerveja, conhaque, cachaça: álcool puro.

      Por mero acidente, descobrira um barzinho, nos fundos do terreno baldio. A atmosfera era das mais acolhedoras. A dona, uma mulata jovem. Belíssima. E o homem de cadeira de rodas, aparentemente indiferente, precisava de um lugar para fazer hora à noite. E, a partir daí, todos os dias, ao cair da tarde, de muletas ou de cadeira de rodas, o homem se dirigia pro barzinho.

     Lá embaixo (os tetos irregulares das casas) a cidade negra se estendia – cheia de luares – com suas putas, travestis, maconheiros, trabalhadores, desempregados, gente de bem e sua (des)organização geométrica. A ordem e o caos. Um Antônio Bandeira, possivelmente. E o homem de cadeira de rodas, quase sempre assobiando “O teu-cabelo-não-nega, mulata, porque-és-mulata-na-cor”, chegava, olhava como se olhasse num espelho e, em seguida, se recolhia. Mesmo calmo, sentia-se um pouco assustado com aquela abstração. E assim ele prosseguia em seu anonimato.

                                            * * *
      Ninguém suspeitou do homem de cadeira de rodas. Mas o homem de cadeira de rodas e, às vezes, de muletas, com sua generosidade, seu orgulho, sua superstição, seu preconceito, sua experiência, seu cachimbo e sumidura, era apenas um detetive. E achava também que a vida era possivelmente redonda.
Vicente Freitas
Enviado por Vicente Freitas em 12/09/2006
Reeditado em 31/07/2007
Código do texto: T238347
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vicente Freitas
Bela Cruz - Ceará - Brasil
11 textos (941 leituras)
4 e-livros (147 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 02:20)
Vicente Freitas