Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Presente do coração

Na primeira série do segundo grau, um garoto se apaixonou por sua colega de classe. Júnior não tinha dote algum para exibir a Claudia, mas nunca deixou de alimentar falsas esperanças com relação a ela. Desde que a conhecera, ela era namorada de um cara mais velho e bem mais forte que ele, o Hugo, mas isso era só um pequeno detalhe que não impediria que o amor crescesse em seu coração.
Durante a passagem dos anos ele levara vários presentes para ela, qualquer ocasião era motivo de presentes, e ela aceitava tudo o que ele fazia como demonstração de amizade. O que era uma das coisas que ele não gostava muito de ouvir:
- Obrigada Júnior, você é um amigão!
O sangue lhe subia e os nervos retesavam ao ouvir esse adjetivo atribuído a ele por aquela boca tão desejada.
No segundo ano, em fins de inverno, a chance de ficar com ela apareceu. Claudia e Hugo haviam brigado por alguma besteira qualquer. Na verdade haviam brigado por traição. O querido Hugo tinha dado carona a uma garota de sua faculdade e aproveitou a chance, já que a garota também era gamada nele, e deu uns amassos nela. Uns dias depois, a garota foi ter com Claudia. Hugo, depois de ter aproveitado toda a beleza dela, não queria mais nada e a havia abandonado, ela por sua vez, queria acabar com o namoro dele. E quase conseguiu.
Junior aproveitara bem aqueles treze dias com ela. Foram ao cinema, a uma festa que foi um fiasco e um dia na praça, desse dia ele não esqueceria, nem após a morte. Era um domingo friozinho e um passeio seria a melhor proposta para se fazer a alguém. Após o almoço ele foi a casa dela, ficaram um tempo conversando no portão onde batia sol e logo a idéia de sair andando apareceu. Então foram os dois pela rua, sem rumo, mas com muita coisa para se falar. Andaram um tempo com as mãos nos bolsos e um tempo depois, abraçados para se proteger do frio. As horas não andaram naquele dia, elas correram como se tivessem que ganhar uma competição e o dia ia se esvaindo dentro dos olhos castanhos de Claudia. Chegaram a praça da igreja que era enorme, procuraram um banco com encosto para se sentar, e se entrelaçaram como um casal de namorados faz. Ela chorou lembrando de Hugo e ele acalentou seu coração com as poucas palavras que podia exprimir.
  - Você é uma pessoa muito especial para mim – disse Claudia com os olhos marejados, e se aproximando dele, beijou-lhe a boca em demonstração de carinho e agradecimento.
Junior ficou estático, sentindo a boca quente de Claudia na sua, aquecendo seu coração. A sensação o levou as alturas e a mente congelou aquela cena como o melhor momento de sua vida.
A conversa se prolongou um pouco mais, porém agora o assunto mudara para coisas felizes. O caminho de volta foi como o de ida, porém agora eles sabiam para onde iam.
Na terça-feira seguinte Claudia chegou até ele toda feliz e disse que havia voltado com Hugo. A noticia lhe caiu com uma bomba, uma bomba atômica, no deserto de seu ser. Conteve as lágrimas a tempo de não chorar na frente dela, depois disso a desculpa que dava dos olhos vermelhos era de ter cisco nos olhos.
Mas o tempo cicatriza algumas feridas, e em meados do verão ele se animara, continuava a escrever poemas sobre corações despedaçados e sobre morte, continuava a falar com Claudia normalmente, mas uma tristeza era embutida em sua voz.
 No ano seguinte, o último ao qual conviveria com ela, ele tomou de coragem. Pediu para ela matar aula e vir com ele. Claudia não estava muito afim, mas queria saber o que o afligia.
Se fosse visível o que Junior fez, veríamos seu peito sendo escancarado, o coração, a pulsar, sendo arrancado de dentro pelas próprias mãos e oferecido a ela. Naquela noite as palavras brotavam do nada e eram ditas sem cerimônia, os olhos lagrimados exprimiam a veracidade do que era dito. E ela calada escutava a voz dele amargurada e sôfrega a dizer coisas que ela adoraria ouvir de outro alguém. Ao final, depois de se declarar perdidamente apaixonado por ela foi a vez dela falar. E não foi preciso muito para que a noite de Junior estivesse acabada.
Claudia amava a outro e esse era um fato que não podia ser mudado. Ela estava extasiada pela declaração inesperada, mas o amor que ela tinha por ele era apenas uma grande amizade, ela não conseguia vê-lo de outra forma, queria continuar a amizade. Coisa que ele recusou imediatamente. Ele não podia mais suportar estar ao lado dela sem tê-la. Então disse adeus e foi-se embora em meio a escuridão da rua.
Passaram-se duas semanas sem a presença de Junior na escola. Claudia preocupada ligou para casa dele, mas quando o telefone começou a tocar ela desligou. Achara melhor ir até lá e foi.
A mãe de Junior não sabia onde ele podia estar. Ela confessou que ele andava meio estranho nos últimos dias e chegava em casa sempre muito tarde. Claudia agradeceu e foi para casa um tanto preocupada. Preocupação pouca, pois logo Hugo chegou, ela esqueceu do seu amigo.
Junior agora andava com pessoas estranhas, gente que espreitava as noites e que fariam qualquer coisa por dinheiro. Então ele se concentrou em seu interior, adentrou em seu mais profundo ser e escreveu um longo poema, onde descrevia toda a dor e amor que sentia, onde pusera todo o ácido que o corroia, onde concentrara toda a poesia que conhecia e onde morria ao final das linhas.
No dia seguinte ao se encontrar com seus novos “amigos”, ele chamou ao canto o rapaz com quem mais se dava e perguntou:
-     Quanto você quer para matar uma pessoa, arrancar seu coração e enviar pelo correio para alguém? – sua voz estava pesada, carregada de seriedade.
- Nossa! De quem tem tanta raiva assim? – disse o rapaz surpreso.
- Quanto custa? – repetiu Junior.
-     Ok, já entendi, vejamos – e fez uma cara de quem pensava -  quero quinhentos para mata-lo, cem para abri-lo e mais a postagem sobre o peso do coração, mas esse preço é especial, só porque é para você hein.
- Quando pode fazer o serviço?
- Qualquer dia desses, é só dizer quem é para começarmos o trabalho.
- Você não terá trabalho, a pessoa sou eu.
- Hã! Você está brincando né? – o rapaz mais parecia assustado do que surpreso.
- Você não pode fazer o serviço? – Junior parecia irritado.
- Posso, mas cara, se for por causa daquela garota, deixa eu te falar uma coisa, existem muitas mulheres por ai, e você pode ter qualquer uma outra...
- Eu não quero nenhuma outra, eu quero ela. Amanhã trarei o dinheiro e as instruções – disse isso com uma frieza tamanha e se foi.
No resto da noite Junior bebeu de um vinho barato que havia comprado e deslumbrou a lua, refazendo, em sua mente, o plano de sua própria morte.
O corpo de Junior foi achado alguns dias depois de sua morte, já em decomposição, em um matagal. Acharam o corpo depois de uma ligação anônima. Foi reconhecido pela cédula de identidade que carregava. Assim como havia planejado.
Claudia ficou surpresa quando recebeu uma caixa e um envelope do correio. Eram do seu amigo, até então sumido, Junior. No envelope estava escrito para ser aberto antes. Ela abriu o envelope com cuidado e pegou o poema, que logo foi lendo. Suas expressões mudavam conforme ia lendo o poema e no final uma cara de espanto se fixou em seu rosto. O medo alojara-se em seu coração. Com as mãos trêmulas ela pegou a caixa, agora diferente de antes, ela sentia um peso estranho naquilo, com os batimentos cardíacos a mil, ela abriu a caixa e viu o coração de Junior. Depois disso ela só viu escuridão.
No hospital ela ainda estava em estado de choque, dizendo a si mesma que aquilo que havia recebido não era o coração dele. Até que Hugo, que veio lhe trazendo flores, lhe deu a notícia de que acharam o corpo de Junior, com o peito aberto, lhe faltando o coração.
Juliano Rossin
Enviado por Juliano Rossin em 24/09/2006
Código do texto: T248435
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Juliano Rossin
Curitiba - Paraná - Brasil, 33 anos
64 textos (3953 leituras)
1 e-livros (8 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 02:23)
Juliano Rossin