Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Eclipse


Elisa trabalhava num jornal da Capital. Expansiva, bonita e articulada, ganhava pontos junto ao editor, embora fosse recém egressa da Faculdade. Este fato suscitava certa inveja entre seus colegas que comentavam a desenvoltura da moça.

- Ela deve ter um caso com o editor, dizia Marta.
- É o tipo de mulher que faz qualquer negócio para vencer na vida, referia-se Otávio.

Alheia ao “tititi”, Elisa era designada para reportagens em áreas diversas e, normalmente, dava conta do recado. Ao final da tarde, foi chamada pelo editor.

- Elisa, tenho uma reportagem especial para você.
- De que se trata, Alfredo?
- Um eclipse vai ocorrer amanhã às 17 horas, e o local de maior visibilidade será o Cânion do Itaimbezinho.
- Conheço o local, é bonito e ecológico
- Bem, preciso que você vá cobrir e fotografar o evento. Uma revista científica internacional quer comprar as fotos.
- Já estou indo, disse sem conter um sorriso...

Resolveu ir até o micro e consultar informações sobre o eclipse. Descobriu a exata latitude e longitude onde ele ocorreria, que seria total e um dos mais luminosos dos últimos anos. Pesquisou sites meteorológicos para ter noção da  previsão do tempo. De posse destes dados foi para casa e adormeceu.

No outro dia, já na redação, ouviu os comentários de sempre.

- Você tem sorte, hein, vai passear e cobrir um evento de rara beleza, disse Otávio.
- Nem sabia, ontem Alfredo me chamou...
- Boa sorte, menina, falou Otávio entredentes
- Obrigada!

Fingiu não ter percebido a ironia do colega e foi até o estacionamento onde pegou um carro. Cumprimentou o motorista , este já sabia do roteiro.

- Bom dia, seu Ernesto, então vamos passear
- Sim, dona Elisa, vamos pegar a estrada...
- Manda brasa, então!

Chegaram cansados, o local era distante da Capital. Como  estavam no parque ambiental dos Aparados da Serra, apresentaram-se na guarita e foram liberados pela guarda. Estacionaram numa planície, de onde se vislumbrava o conjunto de montanhas com fendas esculpidas pela natureza. Pequenas cachoeiras nasciam das pedras, vales verdejantes completavam o cenário. Ao longe,  via-se a praia de Torres e suas formações basálticas, além de um pedaço do litoral sul de Santa Catarina.

- Que beleza, exclamou Elisa.
- É muito bonito aqui, mesmo, disse seu Ernesto

Elisa resolveu clicar alguns recantos, enquanto não acontecia o eclipse. Deslocou-se até uma pequena vila próxima e entrevistou pessoas sobre como seria a vida num local paradisíaco.  Aproveitou, também, para saber das condições de saneamento, atendimento a demandas básicas de educação e saúde e, por último falou do eclipse.

Constatou que naquela terra retirada e desassistida, pouca gente sabia deste fato. Alguns tinham luz elétrica e raros eram os aparelhos de televisão. Sentiu compaixão do povo e raiva dos políticos que prometiam tudo na campanha e, depois, tornavam-se invisíveis...

Aproximava-se  o horário do eclipse. Lembrou da infância e dos vidros enfumaçados. Hoje, tinha um artefato ótico adequado que o jornal lhe fornecera. Recordou-se do medo e respeito que os  humildes tinham do evento, dos animais se recolhendo, das crendices e superstições.

Então,  pouco a pouco o disco solar foi sendo tomado pela sombra da lua.Uma dança cósmica teve inicio, com movimentos lentos e solenes. Elisa fotografava, em frenesí. Várias nuances, tons e semitons do negro resplandecendo a luz até apagar completamente o sol.
Agora, só restava um círculo escuro com um brilho estranho em segundo plano. Era, simplesmente, magnífico.

Largou da máquina fotográfica e abraçou o motorista. Este lhe retribuiu o carinho. Logo estavam se amando em meio à escuridão, alucinadamente. Amanhã vai ser outro dia, pensou, cantarolando mentalmente Apesar de Você e deixou-se nua a contemplar a Natureza...
Ricardo Mainieri
Enviado por Ricardo Mainieri em 17/10/2006
Código do texto: T266464
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Mainieri
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 56 anos
1920 textos (29390 leituras)
1 e-livros (105 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 09:02)
Ricardo Mainieri