Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

“Saudades Sinceras”

Estava em minha sala, no Consulado Brasileiro em Bruxelas quando recebi, pelo telefone, a notícia de sua morte. Tranquei a porta, sentei-me ao sofá e chorei por alguns minutos. Parei quando fui interrompido pela copeira que me trazia o habitual café das 16:15. Assim que ela saiu, só me restou uma coisa a fazer. Uma carta. O dia estava lindo lá fora, céu azul e as primeiras flores da primavera mostravam suas lindas e renovadas cores. Transcrevi a carta neste diário.


"Bruxelas, um dia qualquer, um ano qualquer.


Espero que você tenha morrido bem. Uma morte decente, num lugar decente, em companhia decente. Que estivesse envolvida no carinho de uma família amorosa, que lhe desse orgulho e amparo. Luxo é supérfluo, mas o havendo, melhor ainda! Um lugar bonito, companhias bonitas, um leito belo a deslumbrar-lhe os olhos nas ultimas imagens que eles captaram.

Que seus últimos momentos de humanidade tenham sido repletos de satisfação, de boas recordações, da sensação de dever cumprido e não de uma amargura muda e dolorosa de ter sido uma partícula indiferente ao mundo, de não ter aprendido nem ensinado, de não ter méritos nem desabonos, de não ter pecado (nem que tenha sido um pouquinho só), enfim, de não ter usado e abusado da vida que estava, quisesse você ou não, totalmente em suas mãos.

Lembro-me que você tinha planos, o que será que aconteceu com eles? A casa bonita, os filhos inteligentes, o casamento perfeito, o carro confortável, as viagens, os lugares a conhecer, os amigos fieis, as festas da “society” e os mimos todos que a vida nos oferece e que enfeitam nossa trama. Será que se realizaram conforme seu gosto? Todos? A maioria deles? Ou será que foram frustrados pela sina maligna da desilusão que persegue os sonhadores? Espero que não, inclusive, gostaria de tê-los visto realizados... assim como você, oxalá, os viu. Me emociona lembrar que tivemos planos em comum, que vivemos juntos um bom tempo, sonhamos juntos, choramos juntos, nos amamos e nos odiamos em profundidade. Foi bonito, e uma honra, compartilhar um pedaço da minha história com você!

Quando se vive com alguém por um período de tempo, sem saber, transformamos fatos que poderiam ter sido mesquinhamente lacrados em uma vida só num momento único, mas generoso de duas vidas. Pois é, as lembranças não eram só suas, mas nossas. É interessante e, deveras triste, pensar que agora são apenas minhas. É uma pena não termos convivido por mais tempo, mas não sei se podemos ter o desplante de nos arrependermos disso. São escolhas e a vida é escolher, não tenha dúvida.

Sabe o que me entristece um pouco? A ultima lembrança sua que tenho. Aquela foi a última vez que nos encontramos e conversamos. Poderíamos ter aproveitado melhor, não acha? Mas como já disse, a vida é escolha. Lembro-me bem, você com a costumeira arrogância, rebatida pra longe pela anormal beleza e senso de humor. Sorriso meigo e com o visual impecavelmente cuidado nas minúcias. Pena mesmo que a arrogância estava lá. Tomara que o tempo e a tão imperfeita memória humana cuidem disso, e certamente irão.
 
Mas o que dizer pra quem já se foi? O que dizer de quem já se foi? Nessas horas não nos resta muito, a não ser essa tentativa de auto-consolo que é imaginar uma existência bonita e torcer para que tenha sido verdade. Enfim, só queria lhe demonstrar o apreço que tenho por você, mesmo depois de tanto tempo em que estivemos ausentes, distantes um do outro. É o tipo de afeição que não se apaga, que não tem preço. É o carinho mais sincero que permanece.

Pedi para que lhe enviassem uma linda coroa de flores e esta carta, lacrada. Pedi também para que colocassem a carta com você, para que a leve consigo. Que ela seja nossa ultima coisa em comum, nosso ultimo momento compartilhado, em homenagem a tudo o que foi e ainda é só nosso.

Até um dia.
Saudades sinceras."
Tiago Inforzato
Enviado por Tiago Inforzato em 30/10/2006
Código do texto: T277544

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Tiago Knoll Inforzato). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tiago Inforzato
Umuarama - Paraná - Brasil
84 textos (34759 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:27)
Tiago Inforzato