Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um beijo



Minha história é, sem dúvida, singular.
Conheci meu atual marido em Goiás, em uma das minhas inúmeras viagens. Na verdade, em uma emergência - uma pane em uma estrada de terra quase intransitável durante uma chuvarada ao anoitecer.
Quando ele passou por mim, a cavalo, eu não sabia se suspirava de alívio ou se entrava em pânico. O medo primitivo pelo macho aflorou à pele, porém, afinal, eu sou uma mulher moderna, versada em artes marciais e que já enfrentara as ruas de São Paulo, Rio, New York e Hong Kong - e sobrevivera .
Foi paixão à primeira vista.
Que gentileza ! Que respeito ! Quanta amabilidade ! Aquele homem fez com que eu me sentisse, ali no meio do nada, tão importante quanto uma grande dama. Graças a ele dormi com segurança, de estômago cheio e de alma leve, depois de uma boa prosa ao pé do fogo. Na manhã seguinte ele acompanhou - me ao mecânico e não me largou durante toda a semana, fazendo - se meu guia turístico exclusivo.
Eu estava encantada com a pessoa linda que ele revelava ser e completamente apaixonada quando ele me pediu em casamento, à moda antiga, com todo o respeito. Eu já era viúva nessa ocasião, há muito deixara a juventude para trás e, digam - me, que mulher, em qualquer idade que seja, resiste a um homem que a ama tanto a ponto de querer casar ?
O primeiro choque foi descobrir que ele era um completo analfabeto. Se eu o soubesse ao primeiro olhar  jamais teria existido o segundo. Eu, com formação universitária !
Descobri que existe em meu país, bem próximo a Brasília, a capital, uma comunidade sem energia elétrica e sem água encanada.
Ali nascera e vivera Onofre, sem rádio, sem televisão, , sem videocassete , sem computador e sem água quente, criado em lar alegre e amoroso com pão caseiro feito em forno a lenha e roupa lavada na beira do rio, trabalhando a terra sem adubos químicos em perfeita harmonia com a natureza, o que inclui também uma perfeita harmonia com as cobras e os mosquitos.
Eu fora conhecer a família dele, uma gente alegre que conta “causos” e canta à noite ao redor da fogueira, vivendo tão bem que a gente até fica pensando se quem está certo, afinal, não serão eles.
- Meu bem, o que é aquilo preto lá no teto, que parece grande demais parra ser barata ? Eu olho para aquilo e não consigo dormir.
- Nada, não, meu bem, é só um morceguinho.
- Ai !
- Você é mesmo engraçada, tão grande e com medo de tudo.
Como eu me declarasse absolutamente incapaz de viver à beira do rio, ele concordou em instalar - se na cidade, aonde já estamos, juntos e felizes, há nove anos.
Claro que houve desencontros, e monumentais, em nossa vida em comum, em nossa união tão desigual. Com bom humor superamos todos os obstáculos.
Houve um incidente, contudo, quase letal. Estávamos em frente à TV, quando passou um documentário sobre a chegada do homem na lua e meu marido desatou a  rir:
- Ah, que boa piada ! Como se um cristão pudesse sair desse mundinho aonde Deus o colocou !
Perplexa, comecei a explicar - lhe tudo o que sei sobre a corrida espacial, toda a importância da ciência da NASA, dos homens que dedicam toda a sua vida a estudar os céus... e a frustração de ver o matuto ignorante e incrédulo a olhar - me penalizado pela minha ingenuidade. Meus sentimentos foram variando da vergonha à raiva e culminaram em arrogante desprezo, quando ele respondeu :
- Benzinho, você repete todo este discurso quando estes tais de astronautas chegarem ao sol. Ah ! Ah ! Ah !
Foi demais ! Levantei - me disposta a acabar com tudo, a jogar o casamento no lixo, seria impossível uma mulher civilizada conviver com um troglodita ignorante.
Ele nem desconfiou de minhas intenções. Em um gesto puro, espontâneo e simples, seus braços amorosos envolveram - me e ele depositou em meus lábios um beijo tão doce que eu lá fiquei de pernas bambas, completamente rendida.
E concluí que o coração de um homem, do meu homem, vale mais que um mero detalhe na história da humanidade - a ida do homem à lua.
Sonia Rodrigues
Enviado por Sonia Rodrigues em 29/06/2005
Código do texto: T29133
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sonia Rodrigues
Santos - São Paulo - Brasil, 61 anos
24 textos (5017 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 10:47)
Sonia Rodrigues