Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Diário de "D"

Os ponteiros deste relógio que está ao lado de minha cama, sobre a cômoda, há muito estão parados. Olho e eles já não me dizem as horas, mas me trazem ao pensamento a sensação de que tudo está como antes; e ao contrário do que diz a música, o tempo pára, sim. E assim está a minha vida. É como se apenas o cenário mudasse, mudassem os personagens; mas o enredo da história é o mesmo de antes, de sempre.

Em casa, aquelas mesmas discussões mesquinhas que não levam a nada, ou melhor, levam à destruição de nossos nervos; e eu não me eximo disso.

Como o mundo está doente! E não vejo o que possa curá-lo. “O amor!”, dizem vozes ressonantes. Pobre sentimento! Há muito esquecido, corrompido, vendido. Hoje não se tem mais tempo para sentir qualquer coisa que seja - estão todos autômatos – quem dera amar. Existem coisas mais importantes, mais urgentes. É só olhar como se comportam as pessoas no dia-a-dia: atarefadas, atabalhoadas, estressadas. O medo as domina. Será que eles não vêem o que eu vejo?

Não sei se isso, essa percepção, me dá alguma vantagem em relação a todos eles, ou me põe para trás. A verdade é que eu mesmo, às vezes, necessito deste vício, desta vida. E não imagino que qualquer homem sóbrio sobreviva por muito tempo cercado por ébrios. Ou estes o eliminam, destroem-no, ou a sobriedade daquele, em pouco, se desfaz. Logo estará contaminado.

Será que é isto que nos iguala nestes tempos? Pertencer ao mesmo círculo vicioso da vida? O que existe em cada um dos homens que ainda os aproxima?
 
Vejo esta corrente em meu pescoço e o crucifixo dependurado: é meu símbolo favorito. Meu vizinho, por sua vez, carrega a “estrela de Davi”; e isto em nada nos iguala. Na verdade, vivemos por detrás destes símbolos, escondidos; e não do significado que cada um deles nos revela. Mas não era assim que cada reino era identificado, e ainda o são, com seus brasões; e cada exército, com seus estandartes e escudos?

Cont...
Nairton de Aquino
Enviado por Nairton de Aquino em 16/11/2006
Reeditado em 16/05/2008
Código do texto: T292706

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nairton de Aquino
Fortaleza - Ceará - Brasil, 39 anos
31 textos (16065 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 09:17)
Nairton de Aquino