Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Janelas Proibidas

“Ó tu que me olhas lindamente
através da janela,
virgem no rosto,
embaixo esposa”
 Praxila de Sicião (451 a. C.?)


1 Ana, tomando banho dentro de amplo boxe, aparenta pouco mais de trinta e cinco anos. Ao principio seu comportamento mostra-se natural; aos poucos, porém, a mão que ensaboa o corpo mecanicamente, vai sofrendo mudanças: seus movimentos se tornam mais lentos até explicitar, para sua surpresa, carícias excitantes; ela enrubesce, aperta os olhos, afasta a mão como se não fosse sua, dissimula esfregando com fúria o rosto; em segundos, lá está aquela mão inconveniente provocando-a novamente. Rápidos flashes relembram frustradas relações sexuais com o marido; à noite, o cansaço que o derruba no sonho profundo em meio da relação; quando conseguida até o fim, o resultado insatisfatório a relegando ao desamparo; ao sol, as justificativas para evitar conversas em torno do assunto.
Agora enxuga com raiva seus olhos vermelhos de fúria e autopiedade; sai nua do banheiro; no quarto bate ruidosamente as gavetas à procura de roupas que não encontra. Ana tentando esquecer as palpitações de seu corpo independente e preterido não pode perceber estar sendo observada da janela vizinha à sua, situada a não mais de dez metros de distância no mesmo nível horizontal da sua: é um jovem apoiado no peitoril, mostrando seu torso nu, sólido de juventude; branco sorriso indiscreto e um brilho no mirar que não esconde sua excitação; imóvel e silencioso, olha para ela. Que não pode vê-lo, ocupada demais em tentar esquecer a raiva; escolhida a roupa com apatia e ainda nua, evita o espelho virando-se em direção à janela aberta: a surpresa a paralisa por segundos ao descobrir o curioso, instantes aproveitados para mostrar sorriso maroto de menino pego em flagrante, e sem esconder a perturbação que a visão de sua nudez lhe provoca. Reagindo impulsivamente, ela corre até a janela e a fecha prontamente, enrubescida de timidez e indignação com a impertinência. Depois de o fazer, não consegue evitar um sorriso furtivo que a assusta.

2 Preparando caprichado jantar, Ana se espanta com a audácia de sua imaginação, mostrando-a participando em cenas de ardente sexualidade, tendo de parceiro o sedutor voyeur, seu novo vizinho.

3 Ana, coquete, se embeleza com maquiagens e realça propositadamente as formas de seu corpo com lingeries esquecidos de pouco usar. Excitada, afasta imagens que teimam surgir em sua mente com a velocidade de um piscar de olho e com a força erótica de uma compulsão.
Impaciente espera a chegada do marido.
Distrai-se com os últimos retoques de requintado jantar.
Evita cuidadosamente chegar perto do quarto e sua janela, ainda que escondendo miradas fugazes para ela.
Cantarola, acompanhando a música do rádio.
Baila, bebe, espera, para não pensar.
Finalmente se aquieta, cansada do marido demorar demais.
Pula quando o telefone toca: o marido vai se atrasar; negócios inadiáveis; desculpas; noite perdida.
Cinco segundos depois, enrubesce à mercê de sua excitação.
Parecendo uma ladra, vai até o quarto.
Como uma bisbilhoteira, abre a fresta da janela e espia: lá está a do vizinho, escancarada, parecendo um convite: mas o quarto iluminado mostra seu vazio. Vai desistir e se recolher, quando a chegada do jovem vizinho a imobiliza: molhado e nu, esfregando as costas com uma toalha, se comporta com a naturalidade de quem se sabe só. Como ela de horas antes, também cantarola - ela adivinha ou gostaria - a mesma música que está escutando em seu próprio rádio.
Se agita, no entanto, e fascinada com a visão proibida, não consegue afastar-se. Observa os movimentos dele por minutos largos; subitamente, como a pressentindo, ele se vira na sua direção: sorri malandro, parece saber de sua presença. Impossível, a escuridão é total no seu quarto, mesmo com essa certeza ela corre fugindo da visão e especialmente do que sente.

4 O dia seguinte de noite mal dormida traz para Ana a rotina de sempre, começando com a despedida nervosa do marido indo para o serviço, atrasado, sempre, o tempo todo, em tudo.
Sozinha de novo, mas de outra maneira; agora tem o estímulo de exercer um jogo desconhecido para ela, o da sedução: fingindo indiferença, abre a janela do quarto de par em par evitando olhar para a do vizinho; minutos depois de fingir concentração nas tarefas de arrumação, se atreve a olhar e com desconforto a descobre fechada.
Como a janela dele, também Ana fecha a cara.
Será dia tedioso, com intervalos tensos só quando vai até o quarto e constatar que a vizinha janela permanece fechada e silenciosa.

5 Ana está banhando-se, inquieta. De súbito, acredita ter ouvido ruídos; um chamado? Sem hesitar sai do banheiro; centelha molhada em direção ao quarto; ofegante e cuidando para não ser vista, olha: é ele! Guardião vigiando sua janela. Só nesse instante percebe que, molhando o chão, está com sabão no corpo e que está feliz! Ri de sua criancice e corre de volta ao banho.

6 Vestida com minúsculo e apertado short, blusa de profundo decote, Ana refaz a cama pela terceira vez; tem certeza que ele está lá, olhando-a, esperando se virar na sua direção. Nervosamente ela o evita; mas consciente do jogo sedutor se exibe ostensivamente ao desejo que sabe estar estimulando; até que aparentando casualidade o encara: torso como sempre nu, sorriso largo, braços fortes e mãos! Uma delas faz sinais que ela não entende imediatamente. Estática não atina a nada, apenas olhar, assustada com ela e com a nova situação; já não é mais fantasia, a nova realidade exige uma atitude, chocante em sua simplicidade: ele lhe pede o número do telefone! Pouco a pouco enquanto espera a resposta, como gato mimado ele se afasta da janela lentamente; anda de costas sem tirar os olhos dela, expondo devagar o corpo antes oculto pelo peitoril, até mostrar-se por inteiro e Ana o constatar nu, oferecendo-lhe sua excitação; o convite no mirar e nos gestos não deixa dúvidas: ele lhe pede para fazer o mesmo. Maquinal, obedece tirando toda a roupa, e também ela afasta-se da janela para também ser vista por inteiro.
Aquele momento é longo, ambos se desfrutando com num feitiço. Distância pequena os separa, contudo, larga demais.

7 Todos os dias, semelhante a ritual, festejam a excitação de seus corpos expostos, acariciados sem palavras e muitos sorrisos; quando a tensão cresce e ele insiste pedindo o número de seu telefone, depois de breve hesitação, ela corre a esconder-se com medo do poder de concretizar desejos ameaçadores de remotas convicções.

8 Todos os dias, o jovem amante platônico insiste, pedindo com sinais para lhe passar o número, símbolo de sua aprovação. É quando ela foge, para voltar no dia seguinte depois de ter-se prometido, mais uma vez, terminar com aquilo, renunciar à provocação.
Desafio refletido em todos os espelhos da casa:
Na sala; nos cristais, o silêncio:
Eu tenho uma espécie de vulcão dentro de mim.
Eu posso entrar em erupção a qualquer instante, é bom você tomar cuidado.
No banheiro e nua, os seios entre as mãos; dialogando com o silêncio:
Se eu deixar de manter você engarrafada e entrasse em erupção total, o que aconteceria?

9 Marido de malas prontas, com a mesma pressa de sempre se despede; três dias longe; negócios inadiáveis. Parte, e sem o saber, deixa Ana com missão secreta e proibida.
Um verdadeiro cartaz, fragmento de alguma caixa de papelão; com o lápis de sobrancelhas Ana escreve em bom tamanho o número de seu telefone. Depois dança de rosto colado com ele; aninha-o entre seus seios; esfrega-o entre as pernas; murmura canções de ingênua pornografia para ele; enquanto aguarda a coragem.

10 A hora do rito chegando, o momento da provocação se aproxima. Ana anda pela casa arrastando o pedaço de cartolina e os grandes números parecem pular e dançar com ela; sete números: um para cada dia desde que tudo começou. Eu sei como usar a cartolina... É útil. Eu posso também ser útil. Eu não estou jogada e abandonada, eu posso facilitar as coisas. Eu quero ser útil para o bem de alguém. Ou para o meu bem. Brinca com os números, deita-os no colo, enquanto as imagens eróticas de sua imaginação vão sendo substituídas por as de um passado remoto, mas agora voltando com a arrogância de saberem ter calado fundo: é religião atormentando sonhos sensuais, decompostos em pecados hediondos; é casamento abalizado por resolução e fuga; é mãe admoestando-a por pecadilhos, transfigurados em passaporte para o inferno; é o tempo perdido marcando seu corpo como tatuagem. Ana cercada daqueles fantasmas, vai até a janela. Sem abri-la, tira toda a roupa e nua acaricia os números do telefone, um a um estampados no cartaz.
A janela do vizinho espera a pouco mais de dez metros. Ana sem lágrimas vai rasgando lentamente o cartaz, número a número no quarto vazio. Eu preciso ser cuidada, como todas as coisas, eu preciso que tomem conta de mim? Derramando-se no chão, se aconchega nos restos de números que se colam no corpo suado e febril.
Você vai enlouquecer? Pelo amor de Deus, pare de ser tão dramática. Não tem mais idade para alguém vir e levar você embora. Se é que você quer ir embora.

11 À maneira de epílogo:
Marido voltando de negócios inadiáveis dias depois‚ com a pressa cansada de sempre, não encontra Ana em nenhum aposento. Nem bilhete e nenhuma pista. Horas depois de imaginá-la voltando com diversas justificativas e percebendo que a demora está fora da lógica de seus devaneios, atreve-se a imaginar o impensado. É nas gavetas do guarda-roupa que inicia a pesquisa; nada em particular que lhe chame a atenção. Na ansiedade crescente, não percebe a janela entreaberta, e sai do quarto sem ter visto Ana, da janela vizinha à sua, situada a não mais de dez metros de distância, expondo por inteiro um amplo sorriso e seu corpo nu.
Miguel Angel Fernandez
Enviado por Miguel Angel Fernandez em 02/07/2005
Código do texto: T30108

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Miguel Angel Fernandez). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Angel Fernandez
Vargem Grande Paulista - São Paulo - Brasil
32 textos (4230 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 06:06)
Miguel Angel Fernandez