Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dois Caminhos Diferentes

     Em um sítio morava uma família muito feliz. João, Maria e seus dois filhos:  Pedro e Carlos. O sítio era próximo à cidade.
 
     Enquanto Maria cuidava da casa e fazia doces gostosos, o Sr. João trabalhava na lavoura, cuidando das criações, tirando leite de vacas e cabras, o que constituía a sua principal fonte de renda para o sustento da família. Enquanto isso, seus dois filhos iam para a escola de manhãzinha.

     Pedro e Carlos eram duas crianças dedicadas, seus professores sempre escreviam elogios em seus cadernos. Faziam os deveres, eram comportados em sala de aula e todos da escola admiravam aquelas crianças que recebiam de seus pais uma boa educação.

     Além de serem bons alunos, ajudavam seus pais nos trabalhos do sítio, gostavam de praticar esportes, tinham bons colegas, iam à igreja todos os domingos e participavam da catequese.  Enfim, eram crianças que toda comunidade via com bons olhos.

     Com o passar do tempo, as crianças foram crescendo. Enquanto Pedro continuava praticando esportes e tirando boas notas na escola, ajudando seus pais, Carlos foi mudando. Conheceu novos amigos e quando chegava em casa depois da aula, não queria fazer mais nada.  Fugia sempre para a cidade para não ajudar seus pais nas tarefas da família. Começou  a matar aulas para dar umas namoradinhas. Quando ia à escola não estudava, só vivia com brincadeiras. Enfim, aprontava o tempo todo tirando a atenção dos colegas, até que seus pais começaram a receber bilhetes de reclamações com freqüência. Carlos também deixou de ir à igreja e há cada dia mudava mais seu comportamento. Começou a fumar. Toda tarde quando chegava da escola, mal almoçava,  já corria para a cidade para ficar com os colegas, chegando à tardinha e às vezes bem à noite.

     Certo dia, Carlos com quatro amigos arrumou dinheiro e compraram uma garrafa de bebida alcoólica. Desde então nunca mais Carlos parou de beber. Todo final de semana se ajuntava com os colegas e bebia cada vez  mais. Chegou um tempo, em que ele não conseguia ficar  um dia sequer sem tomar alguma bebida alcoólica. Um dia, um de seus amigos lhe ofereceu um cigarro de maconha  e assim ele começou a usar todo tipo de drogas proibidas.

     Carlos, já não tinha coragem de levantar de manhã, não queria ir à escola, até que a abandonou de vez. Não fazia mais nada em casa. Brigava com a mãe, falava palavrões dentro de casa, tinha ciúmes do irmão porque Pedro era querido pelas pessoas, aplicado nos estudos e já tinha concluído a 8ª série, estava bem empregado e cursava o segundo grau. Enquanto que Carlos só dormia e comia. Não gostava de tomar banho e só falava gírias.  Não se interessava por nada a não ser ficar com seus amigos usando drogas, fazendo bagunça e saindo todas as noites, chegando em casa  às altas da madrugada embriagado e drogado, isto é, quando dormia em casa.
 
     Vendo aquela situação, todos queriam ajudá-lo, principalmente seus familiares e amigos, porém, Carlos sempre usava de argumentos para justificar o uso das drogas, dizendo que não era dependente e que pararia  quando quisesse.  Muitas vezes culpava seus familiares e assim todos ficavam com sentimento de culpa, brigando entre si e o deixando em paz. Usando de várias manipulações, Carlos continuava se drogando.

     Como não tinha dinheiro para comprar bebidas e outras drogas, começou a trocar suas roupas com os amigos. Não tendo mais o que trocar, passou a furtar dentro de casa. Fazia chantagem emocional com a mãe, furtava seu pai e seu irmão. Maria sua mãe já não sabia mais o que fazer, vivia chorando pelos cantos da casa.

     Um sábado à noite, parou um carro de polícia em frente ao portão da casa do Sr. João. Ao atender, viu que era um policial, com uma intimação para que ele  fosse até à delegacia no dia seguinte, onde seu filho e mais dois colegas haviam sido presos, pois  haviam cometido um furto. Grande foi a tristeza daquela família, que nunca recebera uma intimação sequer em suas vidas.

     Pedro um jovem responsável, sempre era aquele que dava força para a mãe, nestes momentos difíceis  que a família vivia. Muitas vezes conversava com seu irmão procurando ajudá-lo, mas ele nem ligava e ainda o chamava de careta.
 
     Depois de tanto sofrimento, de  ter apanhado dos policiais, ter sido preso e  vendo o seu sofrimento e o de sua família, percebeu o tempo que havia perdido. Pôs-se então a refletir: Cadê os amigos que bebiam e usavam drogas comigo? Nunca foram me visitar na cadeia! Nossa! Enquanto eu nem completei a quinta série, meu irmão já está terminando o segundo grau!

     Teve início assim um enorme sentimento de angústia e um grande vazio tomou conta dele. Estava sem amigos de verdade. Os únicos que se aproximavam dele eram aqueles colegas que bebiam e usavam drogas. Deste momento em diante, pensou em parar de beber e usar drogas. Porém, sempre sentia vontade, porque se encontrava completamente dependente. Quando ficava um dia sem beber sentia tremuras, ficava nervoso e ansioso. Enquanto não bebesse ou usasse  algum tipo de droga, não conseguia melhorar e quando fazia o uso, não conseguia se controlar. Ficava tão mal, que se as pessoas não o levassem para casa, ele dormia em  qualquer lugar. Era uma situação deplorável.

     Já cansado dessa vida de sofrimento, vendo que não conseguia parar com as drogas resolveu pedir ajuda a sua família. Ficou sabendo que um grupo de dependentes se reunia uma vez por semana para receberem informações de como se auto-ajudarem e assim não fazerem mais uso de álcool nem de outras drogas. Carlos então começou a participar desse grupo. Toda semana lá estava ele, sem perder nenhuma reunião, até que em determinado momento não sentiu mais necessidade de beber, mas sabia que não podia provar mais nenhuma bebida alcoólica e nem usar qualquer outro tipo de droga, senão começaria tudo de novo.
 
     Depois de um certo tempo, voltou para a escola, fez o supletivo, conheceu novos amigos, voltou a freqüentar a igreja com seu irmão Pedro, que sempre acompanhava de perto a vida de Carlos e nunca havia experimentado drogas. Estava bem empregado, tinha uma  excelente namorada e  ajudou Carlos a arrumar um emprego.

     Aquela família que um dia foi tão feliz no início e que passara por tanta dificuldade e sofrimento, devido a bebedeira e as drogas de Carlos, depois de muito tempo pode voltar a sorrir novamente.

     João e sua esposa a partir da dependência de seu filho, passaram a freqüentar grupos de auto-ajuda e também a ajudarem através de reuniões, a outras famílias que viviam o mesmo drama. Com a sobriedade do filho, intensificaram muito mais esta ajuda, pois tinham sentido na pele,  todo este  sofrimento dentro de casa.

     Desde que Carlos deixou as drogas, passou a ajudar outras pessoas dependentes que não conseguiam vencer a dependência. Criou uma sala de reuniões onde duas vezes por semana se reuniam para se ajudarem mutuamente.  Também preocupado com a prevenção, sempre fazia palestras nas escolas e igrejas, alertando adolescentes, jovens e famílias para o mal que o cigarro, a bebida e outras drogas fazem, tanto para a pessoa, quanto para a família.

     Também em suas palestras falava  para os adolescentes e jovens sobre o valor do estudo, da prática de esportes,  da importância da espiritualidade e que toda vez que estivessem com algum problema, procurassem pessoas amigas e de confiança para conversar. Sempre alertava que a bebida é uma droga que leva as  pessoas a buscarem
outros tipos de drogas.
Ataíde Lemos
Enviado por Ataíde Lemos em 12/07/2005
Reeditado em 23/08/2009
Código do texto: T33196
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Ataíde Lemos
Ouro Fino - Minas Gerais - Brasil, 51 anos
5265 textos (1218804 leituras)
5 e-livros (11751 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:48)
Ataíde Lemos

Site do Escritor