Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Travessia

Laura abriu os olhos.  Estava sozinha e cansada, mas alguma coisa a impelia a seguir em frente. A escuridão não a incomodava, já estava acostumada. Tinha um pouco de medo, claro, afinal, era a primeira vez que fazia aquele trajeto. Seguia seu instinto. Sabia que do outro lado estariam lhe esperando, já ouvia as vozes abafadas e distantes. Ouvia também alguns barulhos que não conseguia identificar e isso só aumentava a sensação de medo e ansiedade. Sabia, ainda, que eram pessoas especiais e que estavam ali para ajudá-la, se precisasse, mas nunca vira nenhuma delas... Eram desconhecidas.

Laura continuou sua trajetória mais empenhada ainda; tinha que se apressar pois não queria que se preocupassem demais com ela. Agora já conseguia enxergar uma luz adiante. Luz forte. Nunca tinha visto nada igual. Fechou os olhos... Gostava do silêncio, da escuridão, sentia-se aconchegada, mas estava na hora de agir. Havia chegado na etapa final da viagem. Por puro instinto sabia que tinha que seguir em direção à luz e é isso o que faria.

Laura estava cansada, muito cansada. Se não estivessem esperando por ela, com certeza desistiria e se deixaria ficar por ali mesmo. Mas não podia.  Comprometera-se e não era pessoa de faltar com suas promessas. Parou mais um pouquinho e então, confiante, seguiu em direção à luz. Agora já não pararia mais. A angústia do desconhecido e a sensação de desconforto tinham aumentado, mas ela sabia que seria por pouco tempo; a única certeza nesse momento é que tinha que seguir em frente. Exausta, faz mais um esforço e arremete-se pelo caminho estreito. Não seria fácil...Ouvira dizer que alguns, poucos, desistem, mas ela não. Estava ficando cada vez mais ansiosa e a ansiedade a deixava mais exausta ainda.

Agora as vozes estavam mais perto e, de repente, no meio das vozes desconhecidas, consegue identificar uma, a dele...Ah, que alívio, ele também estava ali para recepcioná-la. Seu coração bate mais forte e um arrepio percorre-lhe a pele molhada. Não, não o conhecia pessoalmente, mas aquela voz já era sua velha conhecida, sentia que podia confiar nele. Sim, já confiava!

Pronto, agora é definitivo. Um último esforço e a travessia estará completada. Fecha novamente os olhos e busca um restinho de coragem...Já consegue ouvir as palavras de incentivo e encorajamento de todos e também as palavras de carinho que ele lhe fala.

Laura prende a respiração e arremete-se com ímpeto no último e mais difícil trecho. Está feito. Alguém lhe puxa e segura forte. Abre os olhos e vê então toda aquela luz e toda aquela gente lhe esperando. Com mãos trêmulas ele corta o cordão que a prendia. Emocionada, dá um grito de vitória e chora, alto e forte, aconchegada em seu peito.


**Homenagem ao nascimento de Laura, filha do querido amigo Eduardo Amos.**
vera abi saber
Enviado por vera abi saber em 25/07/2005
Reeditado em 19/08/2007
Código do texto: T37630
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
vera abi saber
São Paulo - São Paulo - Brasil, 65 anos
118 textos (18186 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:36)
vera abi saber