Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A SEREIA E OS PEIXINHOS

A Sereia chamou os doze peixinhos trágicos para conversar em assembléia à luz do luar e disse ao primeiro:

- Cascudo, você é fogo! Por mais que eu lhe avisasse para ficar quieto, de boca calada, você saiu por aí falando para todo o mundo os segredos dos mares. Você devia mais era cuidar dos seus afazeres, do seu departamento e não ficar por aí fofocando só para sair em manchetes de noticiários. Quanta coisa você poderia fazer para baixar a inflação, para reduzir as taxas de juros, para incrementar a exportação e ativar o turismo! Enquanto isso, você fica em reuniões e bate-bocas estéreis que só denigrem a imagem da minha administração.

Os peixinhos trágicos se entreolharam desapontados com a pauta daquela assembléia. O peixe Cascudo nada disse para se defender porque tudo aquilo que a Sereia falava era pura verdade e não tinha contestação. A Sereia continuou:

- Bacalhau, deixe este sorriso de falsa Mona Lisa e escute bem o que eu vou dizer.

Bacalhau mudou imediatamente sua postura, se compenetrando como um dos altos representantes dos mares. Consertou o sorrisinho leve e debochado, e passou a escutar atentamente o sermão da Sereia.

- Você é pior do que o Cascudo porque, além de cabeça dura, você é teimoso e de vez em quando fede. Quantas coisas estão podres no meio ambiente por sua causa?... O desflorestamento das algas marinhas, as areias movediças do fundo do mar, as rochas sem recifes nem corais, tudo, tudo esculhambado sem nenhuma direção porque você não toma providência alguma. O que você já fez para impedir que os detritos fecais da Mãe Terra sejam lançados aos sete mares? Qual a providência que você tomou para que as indústrias poluentes deixem de despejar refugos de metais em nosso meio ambiente? Enorme quantidade de zinco, chumbo, cádmo, cromo, cobre e mercúrio são lançados diariamente aos nossos narizes e nada você faz, ou melhor, você só faz nadar. Olhe os bagres, os camarões, as tainhas, os mexilhões, as corvinas e as piraúnas, estão todos envenenados, todos contaminados num cenário sem precedentes.

Os peixinhos aquiesceram em coro, balançando as cabeças:

- Isto é muito sério, isto é muito sério.

A Sereia chamou então o peixe Espada e falou:

- Espada, até você?...

Com esta pergunta o peixe Espada tremeu o corpo todo e não soube onde botar o seu nariz.

- Sua área é militar, Espada, e pare de ficar se metendo em infra-estrutura, economia e outras coisas. O velho tempo já passou e tudo vamos fazer para que este tempo não volte mais. Você e seu cardume só tem que defender as bordas marinhas e zelar pela segurança interna dos fundos dos
mares.

A Sereia não se contentou e chamou a Baleia, que, como todo mundo sabia, era sua prima-irmã, e foi dissertando com intimidade:

- Baleia, todos sabem do nosso relacionamento co-sanguíneo, mas isso não impede que eu lhe esclareça certos pontos. Não foi à toa que eu nasci uma sereia - metade mulher, metade baleia - e também não foi à toa que Netuno, o deus dos mares, me nomeou para tomar conta desta bagunça por tempo indeterminado. Essa nomeação foi ratificada por todo mundo em eleições diretas e você especificamente foi o meu braço direito numa campanha aberta e democrática. Quando eu lhe escolhi para tomar conta do bem-estar social e da segurança previdenciária, tinha certeza do tamanho da sua capacidade de resolver todas as mazelas que permeiam os fundos dos mares. Olhe a opinião pública, por favor. Não podemos suscitar dúvidas quanto à nossa probidade. Que dirá o grande deus Netuno quando souber que as piranhas em bando andam comendo tudo o que lhes passa pela frente sem distinção de idade nem sexo?

Os peixinhos não sabiam mais como abanar os rabos e, quanto mais água bebiam, ficavam mais sedentos. A Sereia continuou o seu discurso falando de peixinhos adolescentes envolvidos em altas operações de drogas e violências, peixinhos crianças enrolados em tramas pornográficas, peixinhos idosos metidos em corrupção, negociatas, operações danosas e fraudulentas, e tudo mais que pudesse desestabilizar um comportamento social condizente com as estruturas marítimas. Depois chamou o peixinho encarregado do setor habitacional e desenvolvimento econômico e, de forma clara e contundente, disse que ninguém, ninguém mesmo estava autorizado a agir à revelia, construindo arranha-céus no fundo dos mares e projetanto pontes e viadutos sem nenhuma utilidade. Quanto desperdício de verbas num tempo em que dinheiro estava tão curto para pagar os juros e as dívidas com o Céu e a Terra! Por causa deste mau hábito administrativo, ela teria de lançar mão de medidas extremas e decretar que no mar, tempo nunca é dinheiro.

Finalmente, a Sereia chamou o peixinho Dourado e falou com um sorriso amigável:

Dourado, apesar de todas as injustiças praticadas no fundo destes mares, você é o único que merece uma palavra de elogio. É notório o seu esforço em acabar com os esquadrões de extermínio, com o grupo de seqüestradores irresponsáveis, com as leis protecionistas dos cartéis. Embora tudo continue na mesma coisa de antigamente, pelo menos vejo emanar de você um grande esforço.

O peixinho Dourado, envaidecido com o elogio, foi logo abrindo as guelras e começou a cantar:

"Saia do mar, minha sereia
saia do mar, venha brincar na areia"

A Sereia imediatamente deu um pulo para fora d’água e os peixinhos a acompanharam em cortejo. Já na areia, todos dançaram, acenderam velas brancas, cantaram, fumaram charuto e tomaram champanhe em copinhos de plástico. Assim passaram a noite se divertindo.

Quando, afinal, a lua envergonhada se escondeu do clarão do sol que surgia tinindo de tão quente, todos se lançaram na água e foram para o fundo do mar onde tudo continuou a mesma coisa por muitos e muitos anos.




Fernando Tanajura
Enviado por Fernando Tanajura em 01/08/2005
Reeditado em 03/08/2005
Código do texto: T39508
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fernando Tanajura). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fernando Tanajura
Estados Unidos
1466 textos (154741 leituras)
1 e-livros (154 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 10:30)
Fernando Tanajura