Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONFUSÃO


Não foi uma madrugada como as outras, essa foi bem diferente: um frio de inverno e uma escuridão de fazer gosto. Dois corpos juntinhos na cama procuravam se esquentar até que o dia amanhecesse. Alguém bateu na porta com brutal violência. Os dois corpos sobresaltados pularam da cama: um se ajoelhou sem estar rezando, o outro se escondeu no armário. Quando tudo clareou contaram que de madrugada um assaltante tentou arrombar a porta. Com o barulho, a mulher se ajoelhou, mas não sabia rezar, enquanto o homem se escondeu no armário com medo. Hum... Outros disseram que não foi bem assim, que tudo isso era pura mentira. Na verdade, o marido chegara tarde do trabalho da fábrica onde suou por dois turnos seguidos para garantir mais um pedaço de pão à mesa e, não conseguindo abrir a porta, bateu com tamanha violência para acordar a mulher que pulou da cama se ajoelhando, mesmo sem saber rezar, enquanto o vizinho, escondeu-se no armário até encontrar uma solução. Quase se acreditou na história. Contudo, as más línguas já contaram diferente. Disseram que a mulher, muito preocupada, foi visitar a mãe doente e chegou tarde. No caminho, com a cabeça atordoada, perdeu a bolsa com chave e tudo. Com medo de um tarado que a perseguia na escuridão, bateu violentamente na porta na esperança de o marido abrir prontamente, mas este estava se esquentando com um assaltante amigo que pulou subitamente da cama e se ajoelhou tentando relembrar uma reza, enquanto o marido se escondeu no armário com vergonha da mulher. Um vexame total!... Mas o vizinho, querendo defender o homem ou procurando uma saída para os seus problemas, garante que não foi nada disso e tem provas. Desconfiado que andava da sua mulher com a mulher do homem, bateu violentamente na porta. Ainda viu uma correr para o armário para se esconder, enquanto a outra saltou de joelhos fingindo rezar. A mulher e a vizinha logo se defenderam e disseram que, na verdade, foram à Nova Igreja Adventista que prometia mundos e milagres, e voltaram a pé na esperança de encontrar seus maridos jogando dama, coisa que gostavam muito de fazer ultimamente, na falta do que fazer. Ficaram desconfiadas quando eles demoraram a abrir a porta e bateram violentamente sem sossego. Por que eles não estavam na sala? O que faziam sozinhos no quarto? E porque um se ajoelhou, se não sabia rezar? Por que o outro tentou se esconder no armário? Na delegacia todos procuraram se explicar e nada ficou esclarecido. O homem provou que sabe de cor e salteado o Pai Nosso, a Ave Maria, o Credo, a Salve Rainha e ainda algumas ladainhas. A mulher disse ser muito alta, em vista disso, não caberia no armário. A vizinha exibiu seus joelhos lisos, sem arranhões nem marcas mostrando que não estava ajoelhada. O vizinho afirmou que nem viagra resolve o caso dele, portanto nada de desconfiaças com a vizinha nem o vizinho. O mendigo, cego, ainda insistente, chorava a pedir um café quente porque estava morrendo de frio numa manhã que continuava fria e escura para ele.



Fernando Tanajura
Enviado por Fernando Tanajura em 09/08/2005
Código do texto: T41546
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fernando Tanajura). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fernando Tanajura
Estados Unidos
1466 textos (154741 leituras)
1 e-livros (154 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 10:48)
Fernando Tanajura