Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ÁCAROS E FUNGOS

 Ácaros. Comprovei a existência de tais parasitas quando surgiram pequenas inflamações ao redor das pálpebras.
Minha rotina foi preenchida com visitas a consultórios médicos. Com o primeiro diagnóstico, passei a pesquisar sobre o causador de minhas inflamações. Fui a três médicos diferentes. O diagnóstico era o mesmo, mudavam os medicamentos. Comprei tudo o que era prescrito e continuei a marcar consultas de retorno.
Comprei dois travesseiros especiais. Meu marido reclamou muito, achava absurdo gastar com travesseiros mais do que o valor de uma geladeira nova, mas ele era um ignorante no assunto de parasitas, não compreendia o grau da ameaça.
As inflamações desapareceram. O medo permanecia. Eu sabia que eles estavam em todos os lugares...
Estava convencida de que minha inquietação era motivada por um perigo real e não um medo imaginário como queriam me fazer crer. Os ácaros existem, todos sabem disso, era necessário tentar nos proteger.
Continuei a usar os sabonetes antibacterianos e as loções de higiene pessoal. Iniciei um profundo tratamento facial no salão da Cirlei.
Cirlei era uma profissional muito capacitada e conhecia a prática de tratamentos esfoliantes da pele para evitar que a pele ficasse marcada com as inflamações. Assustei-me quando disseram que ela era um homem. Tão feminina!
Ela compreendia minhas inquietações, não podíamos conviver com coisas indesejadas. Deveríamos ter o controle de quem entrasse em contato com nosso corpo. Quem e como! Ressaltava.
- Costumo ter inflamações nas pálpebras causadas pelos cílios...
- Imagina querida, são postiços...
- Tenho muitas inflamações, mas cuido no ginecologista...
- Custei a encontrar um bom...
- Sabe, as pessoas não nos compreendem, são muito preconceituosas...
- Fungos, não consigo controlá-los...
Saí do salão satisfeita. Existia uma pessoa no mundo que compreendia minhas inquietações. Temos que manter o controle do que entra em contato conosco. Não podemos ter nosso universo preenchido por fantasmas nocivos à saúde.
Fui para casa com ácaros e fungos. Eles estão em todos os lugares.
À noite, aproveitei o jantar, para conversar com meu marido sobre técnicas de higienização. Ele estava contrariado, recusava-se a utilizar os produtos indicados. Achava absurdo mudar nossos costumes por causa das pequenas inflamações que já estavam sanadas. Tentei expor que não eram apenas ácaros, existiam também os fungos... Contudo, meu marido, enraivecido, continuava contrariado, recusava-se a mudar qualquer hábito em função das minhas fobias.
- Fobia? Mas a Cirlei...
- Quem é Cirlei?
Meu marido saiu batendo a porta. Quando voltou, foi dormir no quarto de hóspedes.
Quatro dias em silêncio até que resolvi dar um ultimato: se ele não se acostumasse aos novos hábitos de limpeza, não me tocaria mais.
Os olhos arregalados demonstravam o quanto ele estava assustado, porém ele tentou se controlar e simplesmente respondeu:
- Que seja!
Ele preferia continuar vulnerável às impurezas do mundo do que se limpar para mim. Ainda fez uma pequena provocação, disse que a loucura inflama a alma...
Passamos a viver como irmãos distantes. Ele se mudou definitivamente para o quarto de hóspedes, eu mudei a decoração da suíte.
Tirei o tapete e todos os tecidos do quarto. Deixei-o com o piso frio e as paredes brancas. Acabei com as economias, comprando roupas de cama anti-ácaros e novos móveis brancos e vazados.
Passei a ficar no quarto durante todo o dia. Cirlei começou a vir em casa para dar continuidade ao tratamento.
- Seu quarto é tão claro!
- Mas ainda não consigo ver os ácaros...
- E os fungos...
- Conheci um homem...
- Estou me separando...
- Nos encontramos todas as noites...
- Ainda o vejo, parece uma inflamação que não cura!
Eu e Cirlei nos entendíamos, apesar de estávamos em fase diferentes. Ela ainda acreditava nos sentimentos como uma forma de purificar a alma, eu tinha certeza da corrupção que cercava nossos instintos.
Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 01/03/2005
Código do texto: T5454
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (789743 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 16:11)
Helena Sut

Site do Escritor