Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AS AMORAS DO HASSAN


                   AS  AMORAS  DO  HASSAN


       Hassan Ali era um velhinho desprendido. Usava quase que sempre
a mesma calça, e a mesma camisa. Gostava de amendoin. Como era de idade, não pagava trens ( naquela época havia trens longa distância). Sentava-se num banco, tirava de sua sacolinha
a Bíblia,  o Alcorão, ou Baghavad Gita e ia conversando com o passageiro do lado. Até o Final da linha. Na volta
era a mesma coisa. Dizia que a vida não é uma luta sem sentido, ou uma selva de feras que brigam pôr dinheiro. Ensinava que a vida é Felicidade, contínua celebração crística, é um canto de paz que reinicia, e reiniciará amanha, com cada novo sol. Com cada LUZ.
 
     Um dia ele pegou um trem que pernoitaria na ultima estação. Ficou pela plataforma. E como havia um pé de amora, foi comendo as frutas. O guarda desconfiou.
Prendeu Hassan Ali. Na delegacia, vazia, ele mostrou ao delegado de plantão os documentos indús e brasileiros. E ficou conversando com o delegado, até o amanhecer.
 
    Quando amanheceu o delegado disse;
 
_- Mas, eu sou um livre pensador!
 
-- Então o único preso aqui sou eu. - respondeu Hassan Ali
 
- Voce nunca esteve preso. E' livre. Pode partir quando quiser - respondeu o delegado.
 
_ Então viva a Liberdade! - Disse Hassan Ali,
No patio foi apanhar amoras. Correu a tempo de pegar o primeiro trem que partia.
 
 
CONTO: DON ANTONIO MARAGNO LACERDA
              Prêmio UNESCO/jornal/poemas
 
www.jornaldosmunicipios.go.to
 
jornaldosmunicipios@ig.com.br
   


--------------------------------------------------------------------------------
DON ANTONIO MARAGNO LACERDA
Enviado por DON ANTONIO MARAGNO LACERDA em 22/10/2005
Código do texto: T62044
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
DON ANTONIO MARAGNO LACERDA
Campinas - São Paulo - Brasil, 79 anos
55 textos (2587 leituras)
2 e-livros (95 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 09:48)
DON ANTONIO MARAGNO LACERDA