Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NOTEMUNDO

A ponta da História, não oferecida na íntegra, segundo óbvias diacronias, vê-se deturpada enquanto nada. Aqui à ela não se corrobora para fontes de pesquisas ou correntes ideológicas; distintas linhas de pensamentos; sem quaisquer discernimentos, em detrimento do NOVO TEMPO.
A princípio, note que o mundo nos seus mais austeros ventos evolutivos, justifica-se sem alguma coerência. Surgiu ao acaso! Após o Big-bang; da personalização universal; da configuração das galáxias;.. Note que o mundo se maquiou à eras, períodos, sendo o ser homo, indiscutivelmente o mesolítico, foi procurando dominá-lo, entrincheirado em seus caminhos. Note que o mundo. Note o mundo. Notemundo!
Eu caminhava na França liberal, transindo oniricamente, e pensando à razão de ter trocado o curso de Medicina pela regência musical. Numa confluência iluminista, ditava o ideal numa esquina, ou de passagem, eu, Montesquieu ou Voltaire, conversávamos até que o tempo em absoluto caísse. Intuitivamente, meu sonho era à maestria. Mas não era nobre ou oriundo da burguesia. Casado, de sogro militar-conservador, combatia minha destreza artística. Sustentava-me também com sua gestante filha, e espinafrava-a:

- Como esse louco larga a Medicina?

Terei de lecionar música enquanto não me formar, então, a prover o sustento de minha família.
Até 1968, fui militante do movimento estudantil. Subia nos postes, corria sobre os carros, inflamando discursos contra o regime militar que apunhalara o Brasil. Participei de todos os movimentos de resistência, sejam culturais, artísticos, orgiásticos, e até a passeata dos cem mil. No entanto, eu já era figura conhecida no Departamento de Organização Política e Social ( DOPS ). Após o AI-5, tive de cair na clandestinidade e acabei aderindo à luta armada. Por volta do início dos anos setenta, nossa organização, precisava amealhar fundos para executar o seqüestro de um embaixador estrangeiro, cujo objetivo era sua troca – a do diplomata -, pela soltura e envio de alguns companheiros – amigos presos políticos -, para um outro país.
E no banco, empunhei minha arma:

- Não é um assalto!.. Dizia ... Somos de um movimento revolucionário... Vocês não sabem, mas existe uma ditadura dirigindo o país que vem a tolher nossas liberdades individuais, e governa o Brasil a seu bel prazer...

Enquanto meus camaradas recolhiam a grana, eu continuava discursando:

- Se todos continuarem deitados, se ninguém reagir, não vamos machucá-los!.. Não é assim que almejamos a revolução!.. Estamos nos sacrificando pelo bem comum da nação...

Terminada a ação, saímos correndo da instituição bancária, com as sacolas de dinheiros nas mãos. Jogamo-nos de encontro ao veículo estacionado bem próximo à nossa espera, o qual, logo arrancou. Ainda ouvimos os disparos do revólver do guarda contra o automóvel, mas não deu tempo deles nos perseguirem. Já comemorávamos, no exato momento, o sucesso da atividade!
Em meio àquela bruta euforia, um dos militantes, companheiro de luta e do referido assalto me perguntou:

- E aí camarada... Prefiro resguardar meu codinome clandestino, e prosseguindo... O que faremos com todos tantos cruzeiros?.. Alugaremos um aparelho maior?.. Compraremos mais armas?.. Seqüestraremos logo o embaixador?!

Eu contava algumas cédulas e não me demorei em respondê-lo:

- Nada, seu babaca!.. Vamos dividir o tutano, para saírmos da merda... Eu, particularmente, pretendo queimar fumo e pegar onda no Havaí!

Contudo, em um nublado dia texano, encontrei despretensiosamente, William Seward Burroughs, bebendo num bar. Cumprimentei-o formalmente e ele, num tom amistoso, jamais bichoso, requisitou outro copo e mais uma cerveja. Quis saber de mim: como andava a vida, a família, o Getúlio, o Dutra, o Brasil!.. Respondi que tudo caminhava na mesma merda do pós-guerra. Confessou-me ter entocado em sua casa, algumas cápsulas de morfina, um pouco de pó e erva. Eu disse a Seward que apesar de está há tempos longe da droga, enfim, bateu à fissura, à tentação, pudera?
Já onde morava o escritor, usando seus próprios instrumentos, ele aqueceu uns centigramas de morfina com um pouco de água numa colher, e logo adicionou com uma lâmina, um pouco de cocaína na solução e, puxou no conta-gotas. Eu amarrei o cadarço do meu sapato no braço, enquanto Burroughs procurava nele uma veia. Não foi difícil! Quando senti o efeito da droga entrando em mim; avassalando meu corpo; chapações causadas, justamente por substâncias tão distintas! William resolveu fumar uma ponta de maconha, e eu, permaneci naquele sofá, divagando, um “puta que pariu”,noutro plano!
Helena, colocou um disco antigo do Led Zeppelin. Tomávamos vodka e conversávamos sobre o futuro da nossa banda. Mas aquela porra decenária me enjoava! Eu pedia, pedia e suplicava à minha namorada por algo mais atual. Então, parti a vitrola num chute. Terminamos à noite, tirando no violão The Smiths, Zero e Legião!
Parmênides, da Eléia, ficou sabendo de mim e me solicitou à conversar. Fui ter com o filósofo e discutimos Sobre a natureza; Xenófanes; a filosofia jônica; a grega – no geral - e ateniense. Mas antes falei com Heráclito, sabatinando "O ser e não-ser". Muito antes, fui agricultor; construtor de diques e barragens; escriba às margens do Tigre e Eufrates. “Entre-rios” eu coçava às orelhas e já mostrava meus dotes sacanas na antigüidade. Mais à frente – de Parmênides -, fui apaixonado por Maria Madalena, uma meretriz da Galiléia, pela qual, valeu-me um desejo insaciável e a produção sudorípara – em superescala –, à incansáveis punhetas. Um dia ela se ajoelhou diante do homem de Nazaré, o qual intitulavam-no o profético messias das sagradas escrituras judaicas. E a prostituta seguiu o peregrino com um status de ex,.. Perdoada, deixando-nos como uma multidão de incrédulos a sós. Soube de alguns que se mataram. Outros se deram aos nós!
No ano 1888, estive em Turim na Itália e resolvi visitar Nietzsche. Congratulei-o pelo Zaratustra, Pelo bem e pelo mal, dentre tantos tratados filosóficos, também resolvi agradecê-lo pelo curso de Filologia que ministrara em meus tempos de delírios universitários. Ao levantar o caso Wagner ao filósofo, ele me mandou tomar no cu.
Segunda guerra mundial!.. No continente europeu, iniciava-se uma revolução de dimensões psico-sociológicas na humanidade. Deve-se ressalvar: na Europa, propriamente, era o palco da peleja num caráter mais veemente. Tão logo, apolítico, ou talvez um anarco-comuna não-stalinista, eu me resguardava ao existencialismo, ainda como exercício intelectual alternativo, e comia uma menina. Claro, era virgem a tal guria! Naquele tempo, algumas garotas ainda resguardavam o hímen ao matrimônio; à redenção do casamento! Olhe que o velho mundo sempre foi mais avançado conceitualmente, generalizando, em relação às Américas. Tomemos como exemplo o caso da Holanda!...
Pois bem, um dia, a Alemanha invadiu Paris. Fui preso pelo exército nazista, mas nem liguei! Ela – a vadia -, já não me dava mais a bunda mesmo!.. Passei os dias naquela “Bastilha”, lendo na surdina sobre Rosa Luxemburgo; ouvi falar de um esquerdista chamado Luiz Carlos Prestes; mas comuna nunca fui não!.. E como diz o Chaves: -“Isso, isso, isso, isso”...
Onde andará a tal virgenzinha do rabinho doce e endiabrado? Se foda a História também, a Geopolítica do vigésimo século e os caralhos! Quem premiou os civis foi à descolonização afro-asiática; as bombas de Nagasaki e Hiroshima; a Guerra Fria...
Na Esparta, a urgência da guerra do Peloponeso, por volta de 381 a.c, talvez não me fizesse feliz. Como bom descendente de espartíatas, fiz valer minha cidadania: educava, ensinava e treinava os meninos que seriam um dia como eu, futuros guerreiros, defensores da austeridade cívica e militar estatal. Os quarenta e um anos da guerra (403 à 362a.c), representavam dias quentes, beligerantes, turbulentos. Todavia, trocávamos carícias – eu e os rapazes -, nalguns instantes.
Analistas prognosticavam os conflitos balcânicos, enquanto eu, seduzido, admirava o painel da guerra. Os rebeldes do UCK ( Exército de Libertação de Kosovo), lutavam contra à “varredura sérvia”. Meu pincel albanês, imaginava Milosevic – o Príncipe Negro -, planejando bombardeios sanguinários em telas, numa perspectiva étnica.
Porém, frustrou-se quando a OTAN interveio. Houve dissensão guerrilheira. Na virada secular à península se retraiu. Vejam: à Sérvia vendeu aos tribunais de Haia, Milosevic, seu ex-presidente. Prossegui pintando quadros contundentes. Ninguém está contente!
Em 1979, retornei do exílio político com a new-left na cabeça e um futuro nas mãos. Já tendo dançado na guerrilha urbana, posteriormente também entre os desbundados, e finalmente no Studio 54. Eis que trazia no currículo o terrorismo revolucionário – isso após ter me embriagado no 74 dos Cravos! Passeei pelo mundo a cavalo, e então, já me via preparado para o equilíbrio entre a abertura gradual e o socialismo democrático.
Ao pisar neste solo patriótico, fiz contato com o Glauber Rocha, almejando um novo trabalho. Eu estava “duraço”, e pintou um papel em seu mais novo projeto denominado: A idade da Terra.
Não era a primeira vez que eu trabalhava com o cineasta. Houve uma oportunidade por volta de 1966, noutra produção sua – Terra em transe -. Glauber na época salientou que me cairia bem o papel de Sylvia( personagem do filme). No entanto, ele encontrou uma atriz nata e mais bonita. Assim, acabei por encenar a negra bandeira da imaginária Eldorado, cuja utilizada em várias tomadas por D. Porfírio Diáz, interpretado magistralmente pelo célebre Paulo Autran. Fui parte da cena clássica, quando a referida personagem percorre num automóvel conversível com a cruz e comigo – a bandeira – na mão, após dar um golpe na metafórica república.
Desta vez, o diretor fora taxativo: eu encenaria o Crysto Militar, não!.. O Crysto Negro, não!.. O hippie, não!.. Rosa Madalena, não!.. Bramhs, não!.. O Capeta, não!.. Não, não, não, NÃO!..
RODRIGO PINTO
Enviado por RODRIGO PINTO em 25/10/2005
Reeditado em 21/01/2010
Código do texto: T63175

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (RODRIGO DE OLIVEIRA).
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
RODRIGO PINTO
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 98 anos
316 textos (19099 leituras)
2 e-livros (908 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 18:21)
RODRIGO PINTO