Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Amor quase infinito

Aquele seu grande arrependimento conseguia massacra-lo tanto!
Muito muito mais do que a vida miserável de viver enjaulado naquele terrível lugar. Pondo em prática aquela mensagem misteriosa, será que conseguirá mudar muitas histórias semelhantes? Ou somente abrandar sua alma tão atormentada
 
A vida aqui poderá tornar-se insuportável, dependendo do procedimento de cada um de vocês, o mundo lá fora os renega, odeia a todos vós, presidiários desta inexpugnável penitenciária. Estas palavras do diretor dirigida aos presos no pátio da sombria prisão, martelavam na mente de Jentorah, jovem detento, pouco mais de vinte e cinco anos, aproveitando o seu horário noturno, em volta, vários companheiros de cela, deitado com seu olhar fixo na bicama logo acima de sua cabeça.
Não tinha como escapar, nos seus pensamentos voltavam as desestimulantes palavras do inescrupuloso diretor daquele terrível  presídio:
--- A justiça brasileira é uma mãe para vocês, pois se alguns daqui tivessem cumprindo pena nos Estados Unidos, com certeza, estavam no corredor da morte, esperando o momento de entrarem no inferno, se é que ele existe!...
grande mãe! Concluía  Jentorah no seu monólogo silencioso, eu condenado a passar engaiolado por vinte anos, se sair antes serei certamente discriminado, só o mundo do crime me abriria as portas, esta minha vida está realmente predestinada a grandes fracassos, terríveis desilusões, mas analisando estes fatos, senti uma brisa suave que me inundou minha alma, a lembrança da minha mãe, ao mesmo tempo um remorso corroendo todo o meu ser.
O silêncio era total, os companheiros já estavam dormindo, permitindo que uma tela mostrasse na mente de Jentorah um resumo tumultuoso de seu passado.
- Ah! Minha mãe! Meu grande arrependimento de tê-la decepcionado, ela que sempre me incentivava a abominar qualquer ato de desonestidade, nunca prejudicar nenhum ser humano, nem mesmo qualquer ser vivo, porque tudo faz parte do nosso poderosíssimo e boníssimo Deus! dizia que a busca desenfreada e desonesta dos homens para adquirir fortuna só traz a infelicidade de milhões de pessoas, só o amor incondicional, nos aproxima de nosso Salvador.
E como ela me amava, dedicação total a todos que dependiam dos seus cuidados, me forçou até mesmo a estudar mais um pouco do que a média dos brasileiros, procurou incutir em mim a religiosidade quando eu estava totalmente sobre seu domínio.
Entretanto, eu me desviei para o mal, tentei quase de tudo, na ânsia de enriquecer e ter conforto para dar uma vida digna a ela, tentando conseguir isso tive de envolver com quase todo tipo de droga, assaltar, roubar, numa dessas façanhas tive que matar, para me defender de morte certa.
Numa de minhas tentativas de romper um cerco policial quase morri por causa da resistência à prisão, pelo massacre dos policiais, voltei com vida depois de vários dias hospitalizado mas direto para a prisão, o mundo desabou-se a meus pés, não por eu ser capturado, mas porque foi minha mãe que não agüentou o suplício, um infarte fulminante a silenciou para sempre!...
Jentorah permanecia impassívo nas suas divagações, parecia que a terra tinha dado sua última volta, como se uma força silenciosa quisesse que ele absorvesse mais este tipo de mensagem tão importante, seus pensamentos continuavam viajando no passado, nada mais seria importante, o anseio para a liberdade não estava mais nos seus planos para o futuro, porque o único amparo certo não poderia contar nunca mais  como seria possível continuar  a vida dali por diante? Reconhecer que usou de sua inteligência para trazer-lhe tanta desgraça, e como esquecer os singelos momentos na presença da mãe tão querida? Lembrança dos momentos de colo cheios de carinho, até nos momentos de punição era também ato de amor.
Ele naquela penumbra na cela não conseguia dormir, aquela análise clítica, o autocontrole sempre foi o seu forte, mas ele estava desabando, aquele moço sempre invejado pelos homens, muito cobiçado pelas mulheres, pela sua beleza e ser persuasivo, estava em farrapos, se tivesse um espelho ali, recusaria ver porque tinha a impressão que veria um monstro aterrador. O suor estava em todo o seu corpo, seu rosto estava em chama, entre prantos pergunta:
-- E agora, meu Deus! Não tem mais volta. Conseguiu chamar o Altíssimo, pois sua mãe sempre soube incutir-lhe a existência do Senhor de todas as coisas.
outra brisa tomou conta de seu ser, e logo uma mensagem vinha na sua mente: mas as mães ainda existem!...
--- Céus! Realmente elas ainda existem, como pude me esquecer? Uma delas é minha ex-esposa, nos poucos momentos dos nossos convívios, a relação tornou-se insustentável, a separação foi inevitável, também pudera eu não soube dar-lhe o devido valor que merecia como esposa, só resta torcer pra que ela seja uma boa mãe para o meu filho, nestes primeiros anos de sua infância necessita muito de seu amor, rogo-te, meu Deus, já que destes às mães, estas santas criaturas, o sentimento tão grande, o amor quase infinito!
Volto a pensar como seria benéfico para mim, para aqueles a quem prejudiquei, se tivesse feito tudo que minha inesquecível mãe procurou me incutir. Ah! Mas realmente o tempo não volta, Entretanto, tentarei remediar o mínimo possível, meu único recurso disponível, sempre fui bom nas redações ou crônicas nos tempos escolares, procurarei relatar tudo isso, esta pequena semente, talvez poderá alertar alguns corações de filhos que ignoram o valor inestimável daquela sua grande benfeitora e amenizar milhares de corações sofridos daquelas genitoras  que choram lágrimas de sangue! E por quê? Porque amam imensamente seus filhos!...
Talvez consiga com o meu amigo padre ou o amigo pastor, qualquer um deles que faça chegar na mídia este meu desabafo:
--- Oh  Mãe, desconhecida, lendo este meu  depoimento, não penses que o amor de minha mãe por mim, foi por água à baixo, nas correntezas da maldade, perdendo-se num mar de lama sem fim! Apesar de me estar imerso neste lamaçal, consigo reerguer  querendo imensamente ser bom, só de lembrar do grande amor recebido, se tivesse outra chance, jamais voltaria ao mundo do crime, no meu caso, sinto que o amor materno conseguiu vencer a maldade!
Então mães, não desanimes, não esfrie este sentimento tão forte, mesmo quando tudo parecer inútil se seus filhos começarem a entrar no lamaçal imundo, apesar de suas súplicas incessantes, o amor será a única arma disponível; lembres, a vós foi dado o amor quase infinito!
Não canses de amar, mesmo quando receberes as mais cruéis ofensas, do ser que saiu de seu ventre.
E para o filho que tiver oportunidade de ler estes meus relatos, pense bem:
-- Por acaso fostes e continuas sendo tão insensato aos apelos de sua mãe?
Apelos tão comoventes e você os tornam frustrantes, levando-a a chorar lágrimas de sangue?
Eu não tenho mais minha mãezinha, para pedir-lhe perdão de joelhos, mas você  se ainda tiver, lance fora seu orgulho, procure-a e enxugue suas lágrimas, tente mesmo se ela estiver em um asilo abandonada desmemoriada de tanto abandono familiar. Talvez este lampejo de seu amor filial, clareie sua mente e a faça ainda feliz!...
(Qualquer semelhança dos fatos é coincidência, mas infelizmente a história sempre repete)

                                                                               José Lourenço Florentino

                                               





José Lourenço Florentino
Enviado por José Lourenço Florentino em 03/09/2007
Código do texto: T637178
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Lourenço Florentino
São Lourenço - Minas Gerais - Brasil, 72 anos
356 textos (8190 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/08/17 03:58)
José Lourenço Florentino