Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Jesus tem poder para ressuscitar sonhos



“...Eu sou a ressurreição e a vida, quem crê em mim,
ainda que esteja morto, viverá.” (Jo 11:25).

  Entretanto, mesmo com esta declaração tão expressiva de uma determinação fatal, determinando o porquê dos mistérios da nossa vida cheia de abismos, labirintos, em que o homem entra e se entrelaça com sofrimentos terríveis, dezenas de milhões passaram, passam e vão continuar no calvário causticante de sua existência sem saberem porque e para que vivem, o homem por si só tem a natureza egoísta, no seu egocentrismo  natural procura só a sua felicidade, mesmo que para isso tenha de massacrar seu próximo ou mesmo uma nação inteira, a história nos mostra muitas destas tristes odisséias, em que aqueles de posse de poderes supremos ignoravam o dever de ajudar o semelhante. Nas entrelinhas das mentes esqueciam daquele que declarava: Eu sou a ressurreição e a vida!...
Por viver neste século, e de posse das informações existentes, acredito que o assassinato em massa tanto física como mental realizado no passado, se deu por pura ignorância coletiva, na modernidade o mais cômodo seria a convivência pacífica, pois as facilidades destes tempos facilita o meio em que vivemos, mas até que ponto? Penso também na segunda hipótese: quanto mais instruído, mais aprimorado na inteligência, faz o homem cada vez pesar em si mesmo? As dificuldades de outrora já não faz parte do nosso cotidiano, (em algumas regiões) o avanço tecnológico tornando os países mais ricos e poderosos intitulando quase deuses, apesar de serem minoria tornam-se senhores da vida e da morte de milhões de seres indefesos por não terem alcançado os avanços dos meios disponíveis existentes na natureza, tornando-os tão precários e sempre com aquela exclamação: porque vivemos! Porque sofremos por não usufruir tudo que existe de belo e bom no mundo?
Aí é que entra o trabalho dos missionários dispersos pelo mundo, divulgadores da palavra divina, tanto faz sua religião, apesar de acreditarem no Cristo vivo, têm suas divergências de idéias, mas o propósito é um só: propagar o evangelho, confortando os humildes, humilhados pelos poderosos causando-lhes infortúnios, proporcionando incontáveis desilusões deste mundo repleto de criaturas do mal.
O dever destes discípulos sempre foi relatar sua vinda a este mundo, serem categóricos na afirmação da sua missão, seu nascimento e ressurreição, sua mãe uma virgem, foi concebido sem ajuda de um pai biológico, impossível de acontecer para os não cristãos.  Duvidam também ser Jesus a salvação do mundo, alegam existir grande quantidade de seitas que não o tem como seu salvador, nem por isso estarão perdidos, porque só os cristãos terão a salvação? Receio comentar tais afirmações, só sei que há 2000 anos nós temos esta história evidente e a mais linda de todos os tempos e jamais terá outra igual, está narrada na Bíblia, o livro dos livros por mais que neguem critiquem.
O rei dos reis humildemente nasceu numa manjedoura, a profecia dos profetas se realizara, a partir dali nasce o cristianismo, começam com poucos pois ainda precisava cumprir a grande complexidade de opiniões, mesmo entre os grandes sacerdotes, o menino não poderia ser o messias, contrariava as leis do grande Deus de Abraão dos profetas, de todos os antepassados, a espera continuava da vinda do salvador.
        Ele com poder e glória crescia naquele emaranhado de opiniões, e os homens não acreditaram que ele era Deus, apesar de relatos muito poucos de sua  infância, está escrito, crescia também em estatura e sabedoria, na idade adulta, sempre declarava: “Eu sou a ressurreição e a vida, quem crê em mim ainda que esteja morto viverá” . E os homens ainda não acreditaram nele, jamais poderia ser o Deus supremo, seus prodígios eram inigualáveis, mas talvez poderia ser mágicos!...
O verbo de Deus que se fez carne, caminhava entre os homens, estes muitas vezes o escarnecia, sua aparência não oferecia condições para apreciá-lo, não podiam ver o seu interior mais intenso que o sol!
Pregou na sinagoga, mas não acreditaram nas suas palavras cheias de sabedoria,
--- Quem era aquele que tinha a audácia de explicar os mistérios inexplicáveis?
Curou os enfermos: cegos, mudos, cochos, num simples toque tornava os leprosos  tristes já desfigurados pelas suas feridas horripilantes de cheiro insuportável, em criaturas limpas alegres e cheias de vida, mesmo assim não era conhecido como o verdadeiro filho do Altíssimo.
Multiplicou pães, peixes para alimentar multidões de famintos que escutavam extasiados suas palavras, mesmo assim muitíssimos já saciados  ignoravam o verdadeiro milagre acontecido.
Transformou água em vinho para não deixar os anfitriões da festa envergonhados.
Ordenou a Lázaro que já estava morto para levantar e este levantou e viveu.
No sermão da montanha, converteu muitas almas com palavras proféticas que permanecem ainda hoje nos corações dos remidos, mas muitos o ignoravam e até maldiziam suas santas palavras.
Atraiu seus 12 seguidores, e o amaram muito, tinham plena confiança nos seus poderes, um dia reunidos num barco, Ele estava com eles, mas enquanto dormia, uma terrível tempestade fez o mar tão revolto, parecendo tudo perdido o barco  não agüentaria tal fúria, a terrível morte seria inevitável para todos, acordam o mestre e intercedem para o Salvador salvar suas vidas, Jesus ordena que a tempestade cesse para o mar se acalmar e de imediato a tempestade acaba e o mar fica em completa mansidão.
Dos seus discípulos um o traiu entregando-o para ser julgado e condenado de acordo com a profecia,  outro de acordo com suas palavras proféticas o traiu 3 vezes.
Pregava o amor a Deus sobre todas as coisas, e amar também ao próximo, dizia que este sentimento é a base de todos os mandamentos do Senhor de todas as coisas, praticando-o corretamente, todas as coisas se completam, a prova mais importante do amor ser verdadeiro, é quando se dá até mesmo a vida pelo semelhante, e demonstraria entregando sua vida com sofrimento atrozes, por amor a todas as pessoas.
Conclamava a todos para perdoar sem cessar, o julgamento pertence ao pai que está no Céu. A pecadora que seria morta apedrejada para deleite de seus algozes, obteve a complacência do messias, dizendo palavras profundas aos apedrejadores, ecoando até hoje em nossos ouvidos: ---  “Aquele que não tem pecado atire a primeira pedra”.
Mansamente, com verdadeira compreensão digno do Messias filho de Deus, diz:
--- “Mulher, ninguém te condenou? Nem eu te condeno, levantes e não te peques mais.”
... E o cordeiro de Deus estava para ser imolado, por ser Deus sabia o que estava à sua espera, toda fortaleza lhe era reservada, mas por ser homem o sofrimento lhe assolaria até o fim, estando à disposição do tempo, na última ceia pediu aos discípulos para repetir sempre a sua memória.
Seu corpo e seu sangue seria oferecido sempre que os homens repetisse essa ceia
Queria que as pessoas fizesse parte dele pois Ele é a verdadeira vida e só com Ele poderão ter a vida eterna....
Para isso os seus futuros seguidores na repetindo este ato, a união seria selada  de Deus e o homem!..
E eis que cumpre a profecia!... Preso, depois das terríveis torturas, corpo e alma em pedaços, antes de entregar seu espírito ao Pai, ainda praticou o que sempre pregava, pede ao Pai perdão para aqueles que o flagelam, ato de verdadeiro amor incondicional.
Os discípulos desnorteados, talvez comentassem: o que fazer? O messias morreu! Como pregar seus ensinamentos, dizer que a salvação é possível, teria o elo do messias com aqueles apóstolos rompido? Lembravam das palavras do mestre quando o acompanhavam, mas, e agora!...
As dúvidas fervilhavam nas mentes das outras pessoas que tinham conhecido Jesus:
--- talvez ele não fosse mesmo Deus! Apenas um ser extraordinário cheio de truques mágicos, ou um ser para normal, ou um extraterrestre, um deus inferior e superior apenas aos homens, porque a terrível morte conseguiu vencê-lo também!...
--- Esse Jesus, foi um sonhador e seus seguidores também!
--- Agora!... acordem e caiam na real!
No terceiro dia, que maravilha, acontece o inesperado para muitos, difícil de descrever na nossa mente humana cheia de fantasia e limitações por reconhecermos só a lógica, temos muita limitação no lado espiritual, impossível de definir, Cristo ressuscita!...
  A profecia tinha se realizado, Jesus Cristo, o Deus que se fez homem vive!
O anjo na portado sepulcro declara aqueles que o visitam porque vocês procuram aquele que esta vivo no meio dos mortos? Jesus ressuscitou!...Os apóstolos e aqueles mais próximos foram os primeiros a saber de tal prodígio.mesmo assim houve duvida aturdidos com a ausência do mestre,ainda não tinham a coragem e a avidez de pregar o que aprenderam,ainda não tinham condição de irem para todos os cantos da terra para pregar o evangelho,aqueles primeiros cristãos estavam sem aquela inspiração de quando estavam em companhia do mestre.Contudo com a noticia que começava a espalhar no meio,o anima começava a aumentar.
  Espera ai,será que é um sonho pensavam alguns,não cumpriu-se a promessa de Jesus,ele disse que no terceiro dia ressuscitaria rebatia outros apóstolos
E num determinado dia Jesus aparece no meio deles aquele mestre dos mestres estava ali pedindo para verem a realidade,tinha ressurgido dos mortos,não era um sonho, podia senti-lo e ate comia no meio deles,continuava a dizer alguns incrédulos,mas começava ali uma nova era, os apóstolos já inspirados pelo fogo abrasador do Espírito Santo,estavam preparados para espalhar o evangelho ao mundo começava ali uma vontade férrea de  praticar toda experiência missionária de viver e praticar o evangelho,o cristianismo começava a tomar forma,os seguidores de Jesus,precisava por em pratica tudo o que sabiam,a respeito da vinda do senhor,aqueles homens renovados pelo espírito de Deus,estavam de posse em todo o seus entendimento.
  A convivência entre eles era magnânima, baseada unicamente no amor, sentimento tão praticado pó eles, era preciso seguir à risca tudo o que o mestre ensinou,amavam-se tanto a ponto de esquecerem de si próprio,para pensar no bem estar de outros.estendendo este gesto não só nos companheiros de apostolado mas a todos a qualquer criatura,amigos ou ate mesmo aqueles que despregavam.
  Saíam de dois em dois para pregar o evangelho sem alimentos só com uma vestimenta,observava também fielmente o voto de pobreza,o pouco que possuíam repartir aos pobres,suas maiores riquezas era o legado dos ensinamentos do mestre.
  Felizes e tão entrosados nas pregações iam transbordando corações de alegria por causa dos ensinamentos de Jesus, atraindo multidões, curando enfermos e expulsando demônios,contentes porque praticavam tudo o que o mestre falou.
  Mas o poder do mal também tentava impedi-los,foram odiados, apedrejados, muito martirizados, permaneciam impassíveis no que acreditavam, recompensa maior não estava neste mundo, os inimigos do cristianismo tentavam dizimá-lo a qualquer custo, acreditavam que com a morte do seu fundador recebendo o castigo merecido, seus seguidores fraquejariam pensariam bem e abandonariam sua crença sem sentido, o amor tão falado dedicado aquele Deus, acabaria, o esquecimento desta dedicação total era fatal.
Com tudo isso para atrapalhar estes crentes, sucedeu completamente o contrário, o fascínio dos apóstolos penetrava fundo, às vezes até naqueles corações duros como a rocha. Os pregadores da palavra conquistavam muitíssimas almas para o Senhor, os convertidos se agrupavam e aceitavam fazer parte deste meio tão bom, a alegria era diferente, nunca sentiram e jamais suspeitavam  existir tamanha felicidade, de saber que embora a vida neste mundo seja ilusória e passageira, mas existia a outra e essa era eterna, duma alegria jamais sentida e imaginável por um ser humano.
Os inimigos dos cristãos se esbravejavam, loucos de ódio pelo aumento desses fanáticos, tentam eliminá-los.
Os apóstolos alguns são tremendamente martirizados, estes homens de Deus não se acovardaram, seus algozes ofereciam a liberdade em troca de apenas blasfemarem negando a fé em Jesus, sucedia o oposto, o santo que estava sofrendo terríveis maus tratos, morriam pedindo perdão para os infiéis, intercediam para nosso Senhor perdoar aqueles seus perseguidores, a complacência dos mártires aos seus carrascos, faziam estes convertessem também e tornassem autênticos cristãos, e morrer se fosse preciso em nome do profeta outrora muito odiado por eles.
O soldado Paulo na sua missão mundana tinha verdadeira aversão pelos cristãos, perseguia e prendia-os para tentar tirá-los dessa obsessão, não entendia que poderia haver tanto amor por aquilo que não existia; aquela multidão que se aglomerava para ouvir as histórias fantasiosas sobre um ser superior e que por sinal já estava morto.
Ao prendê-los não se revoltavam e tentavam dissuadi-lo de suas convicções, aqueles maltrapilhos a ensinar-lhe coisas banais? A revolta tomava conta de todo o seu ser, continuava naquela fúria insana; perseguia-os, para atirá-los às prisões; aquelas idéias esquisitas tinham que ser varridas da mente daqueles loucos. Ele, um centurião romano cheio de cultura, cumpria com o seu dever, não compreendia e nunca aceitaria tamanha credulidade daquela crença.
Mas na mente de Paulo já se iniciava uma confusão. Ele jamais tinha presenciado tamanho heroísmo daquelas pessoas, nem os piores lunáticos possuíam demasiada coragem de suportar quaisquer tipos de suplícios em prol de algo irreal. Conseguia com sua inteligência discernir muitas coisas, mas isto lhe fugia de sua lógica, de sua compreensão. Alguma coisa estava mexendo com aquela mente imperdemida, aquele Jesus que constantemente escutava da boca de seus perseguidos incomodavam-no a todo instante.
Intrépido na sua obrigação de caçada aos cristãos, parte para esta. Nem se quer imaginava que seria lançado por terra por uma força invisível e poderosíssima; ouve aquela voz cheia de majestade:
_ Por que me persegue?
O momento mágico do cristianismo acontece, naquele instante Jesus o conquista, incumbe em seu coração o dever de seguí-lo como os outros apóstolos fizeram; participar daquilo tão especial, salvar almas para ele e não matá-las. Aquele centurião que se considerava tão forte tão inteligente e orgulhoso de seus princípios começava a entender o quanto era frágil diante do poderoso Mestre Jesus, sim seu Mestre, pois dali por diante todos os seus conhecimentos transformaram-se no que ele considerava irreal, tinha um sentido todo especial para ele, as coisas prioritárias eram completamente irrelevantes; a riqueza transformou-se em pobreza, os bens materiais já não tinham a mesma importância, o amor que só tinha de si mesmo também foi afastado, amando a Cristo e aos irmãos, isto supria todo o seu ser.
Em épocas passadas não entendia porquê os cristãos não tinham pavor do sofrimento e da morte, a partir daquele momento ele próprio estava preparado para toda a sorte que lhe estava reservada em nome do seu Salvador.

... E triste dizer, o cristianismo sofreu contaminações, por tratar-se de relações humanas as controvérsias iam surgindo e os seguidores dos ensinamentos de Jesus começavam a se dividir, mesmo quando as perseguições tinham se abrandadas outros sérios problemas surgiram, alguns historiadores chegaram a afirmar que a igreja enfraquecia com o abrandamento das perseguições.
Foi achado um depoimento num dos séculos depois de Cristo:
--- “Tenho  o privilégio de pertencer ao meio cristão, não para vangloriar, porque a presunção não é aconselhada aqueles que amam a Deus e ao próximo, mas o cristianismo sofre sérias divisões, talvez tão piores do que as terríveis perseguições, em que meus irmãos pediam para serem queimados, esquartejados, estraçalhados pelas feras, para não deixarem de serem fiéis ao seu único Deus!...
Sonho que um dia Jesus Cristo venha resgatar e unir suas ovelhas”.
Muitos sonhadores também almejavam que os cristãos continuassem unidos dedicando e amando seus semelhantes, seria dar de si em prol de todos que precisassem de ajuda.
Houve um período áureo do cristianismo em que os santos cristãos conseguiam emocionar até mesmo os anjos dos céus.
Mas os tentáculos do maligno ramificava na legião dos eleitos de nosso Senhor Jesus Cristo.
Teologias contraditórias surgiam ameaçando,destruindo e até mesmo encolerizando mentes, acontecendo o inevitável, muitas divisões e muito pior, o dever de amar ao próximo acima de qualquer desentendimento, foi substituído pelo ódio, já não eram os pagãos que massacravam os cristãos para eles negarem o Cristo tão amado, mas sim cristãos com cristãos se guerreando por causa das diversidades de opiniões.
  Dezenas de séculos depois de Cristo ia passando, outras religiões reinavam aumentavam seguidores, comentários variados da grande decadência do cristianismo, os grandes prodígios do passado não passavam de lendas se fossem verdadeiro seus seguidores seriam unânimes, não se guerreariam entre si, pois seu mestre não ensinou amarem-se mutuamente?
Realmente as divisões aumentavam grandemente, os cristãos muitos deles denominavam-se donos da verdade, e quantos perdiam aquele fervor, desistiam dos ministérios.
Então renasce a esperança novamente, Jesus fala nas mentes de muitos gigantes da fé:
--- Eu sou a ressurreição e a vida, quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá”.
Ainda que os tentáculos malignos semeie discórdias incontáveis, os seguidores  de Cristo devem basear incontestavelmente no maior dos mandamentos:
“Amarás o teu Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”.
(mesmo que o próximo seguem religiões deferentes, ou pra muitos: outras denominações)




 
José Lourenço Florentino
Enviado por José Lourenço Florentino em 04/09/2007
Código do texto: T638713
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Lourenço Florentino
São Lourenço - Minas Gerais - Brasil, 72 anos
361 textos (8414 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 08:22)
José Lourenço Florentino