Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma Adoção Divina ( Conto Verdadeiro)

Vou contar um estorinha muito linda e verdadeira...
Era uma vez...

Estava eu preparando minha casa, para uma grande
festa.
Vou contar direitinho o que foi a festa.
Essa festa foi a seguinte: Uma amiga me ligou me
oferecendo uma massa de um bolo muito
especial, que se chamava o Bolo da Felicidade.
Esse bolo, meus amiguinhos, veio trazer muita alegria,
para todos nós neste dia.
Então ,eu disse pra ela: " Pode trazer sim, que vou prepará-lo
e vou convidar os amigos, para virem participar deste
extraordinário bolo".
Então ,quando foi no dia seguinte, lá estava eu preparando
a casa, para receber os meus amigos, para saborearem esse
famoso bolo.
Só que na hora da arrumação, eu liguei pelo interfone, para uma
amiga que morava no mesmo prédio, e que gostava muito de mim.
Aí, ela me disse que tinha um bebezinho muito lindinho e que estava procurando uma adoção para ele.
Então, saí correndo e fui até a casa dela. Lá estava aquele
bebezinho lindo...lindo...Parecia um indiozinho.
Moreninho, cabelinho preto lisinho, totalmente indefeso.
Olhei para aquele bebezinho, com tanto carinho e amor,
que me deu vontade de pegá-lo para criar. Mas não podia !
Eu trabalhava muito nesta época. Não dava.!
Fiquei olhando para aquela criança, quase que chorando.
Voltei para minha casa, com a cabeça cheia. E agora? O que posso fazer?
Neste meio tempo, foram chegando os meus amigos.
Havia lá  em casa duas amigas e  comentei com elas:
Então elas me disseram: " Vai lá pegar o bebê,para a gente ver.
Então, eu fui novamente pegar o bebezinho e trouxe para elas verem...
Elas ficaram pasmas... Vamos fazer uma coisa:
- Nós vamos adotá-lo! Nós quatro! Ele vai ter quatro mães!
Mas não podia... Eu disse pra elas :" Não pode!  Vocês já imaginaram,quando essa criança crescer, ele não vai entender
o porquê de tantas mães".
Aí, ficamos pensando que não dava, porque todas nós trabalhávamos muito.
Até a nossa empregada quis adotar o bebezinho, só que ela não podia,
Mas o bebezinho era muito lindinho. Passou a tarde todinha conosco,enquanto a minha amiga, tia dele, tinha ido fazer
alguma coisa na rua, e deixou ele comigo, e depois ela o pegaria de volta.
De repente, veio na minha cabeça! Liga pra sua cunhada, e convida-a para participar do bolo.
Liguei para minha cunhada, e a convidei.
Neste meio tempo, eu comentei com ela sobre a criança.
Aí, ela me disse:
- Maria, eu tenho uma pessoa amiga e conhecida, que quer muito adotar uma criança.
Era um casalzinho muito amigo dela, que não podia ter filhos.
Na mesma hora ela ligou para a mãe da moça e contou
toda a estória do bebê.
O casal, na mesma hora ,quis ir lá em casa, para conhecê-lo.
Tinham um quarto preparado há muito tempo, no caso de uma adoção!
Foi nesta hora  que fiquei muito feliz, em conseguir um lar para aquela criança,
porque esse casal tinha condições e muita de ficar com ele.
A casa estava cheia de amigos. Estava a maior festa!
Meus amiguinhos! Parecia que Deus estava ali dentro junto conosco,
porque Ele estava, Eu senti a presença da sua Luz.
Estava tudo muito lindo. Eu não sei explicar.
Conseguimos dar  bolo  para todos que ali estavam,
e ainda sobrou" Bolo da Felicidade"!,

Moral da estoria:
Esse bebezinho foi abençoado por Deus. E foi parar
nas mãos deste casal, que se apaixonou por ele.
Vocês sabem de uma coisa? Ele teve muita sorte!
Todo mundo queria adotá-lo.E depois de uns dias
eu vim saber que o casal tinha colocado o nome nele
de Francisco. Sabem por que? Nós já tínhamos colocado
o nome nele de Francisquinho e o bebezinho ficou feliz ,
para sempre nas mãos deste casal e eu muito feliz por ter
conseguido tudo isso.
Hoje, é um homem de bem.
Só o vimos por retrato!

Maria Anjinha, com Amor!
mar.araruama@uol.com.br
www.recanto dos sonhos.com

Maria Anjinha
Enviado por Maria Anjinha em 02/11/2005
Código do texto: T66396
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Anjinha
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
18 textos (3183 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 16:36)
Maria Anjinha