Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Intempestivo (A Saga.23..)


Constâncio chegou cedo fábrica, mas naquela 2ª feira, não conseguia prestar a atenção em nada direito. Aquele pesadelo de sábado o incomodava até agora.
E ainda por cima o desencontro de Fabiana no domingo.Sentia saudades dela, Sofria só de pensar em perde-la. Mas não ia perder coisa nenhuma. Aquela seria a sua mulher, mãe de seus filhos, tinha que ser assimO apito da fábrica soou anunciando a hora do almoço. Nessa hora geralmente ele ia de bicicleta até a pensão, almoçava e ainda dava tempo de se recostar na rede da varanda para “fazer o quilo”. Mas hoje não.Montou a “pantera negra” e saiu voando em direção á casa de Fabiana.
Cinco minutos se passaram e já estava tocando a campainha da bicicleta na porta. Antes de alguém atender, já encostou a  bicicleta no limpa-pés e foi entrando pela sala a dentro.”Dª Maria Fel.”... A sogra chegou enxugando as mãos... O que foi, meu filho? Eu vim do trabalho até aqui, pra pedir pra Senhora a sua filha Fabiana em casamento! Fabiana!...Vem aqui, minha filha! Falou a mãe, meio nervosa...Fabiana que estava passando roupa,surgiu na sala sem entender nada.” Voce tem que falar é pra ela, uai”...,disse Dª Maria
“O que foi Constâncio? Falou a moça ...
“Você aceita ser minha noiva e se casar comigo?”
“ Meu Deus é de verdade?” Disse Fabiana emocionada.”
“Verdade verdadeira.”..afirmou o moço tirando um embrulho minúsculo do bolso: Eu aceito sim, né mãe?
“É de minha vontade também, meu filho”... disse Dª Maria Fel pra Constãncio;
O rapaz desfez o pequeno embrulho e tirou de uma caixinha aveludada, um par de alianças de ouro e pediu á sogra que colocasse em seus dedos. “Então de hoje em diante estamos noivos e dentro de pouco tempo vou providenciar nosso casamento”.
DªMaria Felix depois de colocar uma aliança no dedo anular da filha, colocou a outra no dedo do Rapaz. Constâncio abraçou carinhosamente as duas, pediu licença, montou na bicicleta e pedalou rapidamente, para continuar seu trabalho na  fábrica..
“À noitinha eu volto aí... gritou já da rua. As duas, mãe e filha continuaram abraçadas, ainda atônitas com o inesperado acontecimento...Neste instante chegam pra almoçar, Fulo, Nazon e Olavo...”Vimos o Constâncio sair daqui em disparada, O que foi que aconteceu?”.A mãe, pegou a mão direita da filha e mostrou pros rapazes...”Ele veio pedir sua irmã em casamento.”falou a mãe;
“ Sentem pra almoçar que a gente conta,”... falou uma atordoada Fabiana...  E todos falavam e riam ao mesmo tempo felizes com o acontecimento!
Aecio Flávio
Enviado por Aecio Flávio em 01/10/2007
Reeditado em 06/10/2007
Código do texto: T676661
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aecio Flávio
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 76 anos
139 textos (21100 leituras)
117 áudios (22399 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 19:35)
Aecio Flávio