Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nosce te ipsum

Lady Catherine suicidou-se, situação inquestionável porque fora encontrada pendurada pelo pescoço, o corpo ainda quente. A bela dama deixara um bilhete enigmático, mistério para família e polícia. Os jornais exploraram o caso, especularam, armou-se um escândalo; o que ninguém soube, no entanto, é que no espelho de lady Catherine havia uma aranha.

Não nos caberá, aqui, questionar as falhas das leis naturais, as surpresas e o constrangimento que provocam tais leis quando falham. Um dia a moça olhou-se no espelho e avistou a aranha grudada nele, bem no lugar onde o aço refletia seu olho direito. Não era uma aranha grande, mas ocupava todo o espaço do olho direito de lady Catherine e lady Catherine não gostou de ver seu olho direito sendo ocupado por uma aranha que nem era tão grande assim.

Com uma folha de jornal enrolada, aproximou-se do espelho enquanto a aranha, apesar de imóvel, passeava sobre seu rosto refletido, dos olhos à boca, da boca ao queixo, do queixo à garganta. Trêmula, a aranha deslizava sem querer sobre o reflexo, e o reflexo estava agora encolerizado. Mas, em vez de bater o jornal na aranha, lady Catherine aproximou o rosto do espelho, ficando assim a uns quinze centímetros de distância do inseto que neste instante voltou a ocupar o olho direito de lady Catherine sem no entanto preenchê-lo completamente como antes, posicionando-se sobre a pupila.

Era possível enxergar o movimento das quelíceras. O corpinho rajado pulsava em silêncio, lady Catherine em silêncio sentiu pena da aranha e durante dois minutos nada aconteceu. Então, o olho direito de lady Catherine começou a mover-se pelo espelho, primeiro subindo, depois andando mais à direita, desenhando uma curva irregular para depois tornar a subir, sem pressa, é verdade, e até parando por alguns segundos antes de empreender algum movimento mais complexo.

Horrorizada, lady Catherine via com seu olho esquerdo o caminhar seco de seu olho direito, sem que pudesse tomar nenhuma providência a não ser matá-lo com o jornal que estava ainda em sua mão, matá-lo antes que fosse tarde, evitar a todo custo o desastre social e moral. Apavorou-se ainda mais quando viu seu olho quase abandonando a superfície do espelho para na certa alcançar a parede e depois o teto. Era necessário impedi-lo.

O bilhete final de lady Catherine era bastante mal escrito, posto que a dama havia cometido um assassinato e estava prestes a suicidar-se. Por tudo isso, é certo que não estivesse em condições de enxergar com clareza as linhas por onde corria a pena – lembrando que lhe restava apenas um olho, o esquerdo. Era como uma dança, as letras tremidas, irregulares, se acabando repentinamente, como se a pena houvesse escapado para fora da superfície branca, das linhas azuis. E se no bilhete lady Catherine falara em aranha, ninguém soube notá-lo, assim como ninguém pôde compreender por que razão havia escrito três vezes, em tão acanhado pedaço de papel, a palavra "fome".
Marpessa
Enviado por Marpessa em 29/10/2007
Código do texto: T715350

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marpessa
Santo André - São Paulo - Brasil
11 textos (383 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 01:07)
Marpessa