Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DO DIA QUE MORRI EM VIDA

                                    Acácio Salvador Véras e Silva Júnior*
   
            Dez anos, não sei se é o tempo certo, mas é o que me vem à cabeça, era o tempo que, segundo ouvia de todos, já durava sua luta. Tudo era silêncio naquela noite, o cotidiano que normalmente quebrava o marasmo, naquele momento parecia também calado.
A não ser pelo barulho baixo da televisão ligada... Tudo estava mudo.
Foi a primeira vez em muitos anos que pedi a meu pai, pra dormir no quarto dele. Ele me perguntava por que, e eu não sabia responder. Só argumentava dizendo que não custava nada, já que minha mãe tinha ido fazer companhia a minha avó no hospital.
Armei a rede, ao lado da cama onde meu pai lia o jornal e entreolhava a TV, mas sequer consigo lembrar o que passava. Fiquei lá quietinho! Como se tivesse medo que ele mudasse de idéia e me mandasse voltar para o meu quarto. E se fizesse não seria de todo errado, afinal eu não era mais nenhuma criança já tinha 16 anos.
Deitei naquela rede e um turbilhão de lembranças me veio à cabeça... 16 anos de boas lembranças – foi esse tempo que pude viver ao lado dela, na verdade tempo reduzido também pela distância dos locais onde eu minha família morávamos, quando meus pais davam continuidade a seus estudos. Restavam as férias. E que férias!... Vínhamos sempre, no meio e no fim do ano, pra casa da Vovó.
Lá era sempre divertido – rodeado de primos, a casa cheia - Vovó recebia muitas visitas! Sempre algum tio, irmão ou algum parente mais distante estavam por lá. Não consigo tirar da cabeça aquele tempo... Às vezes sinto o gosto do frango de domingo, do pão doce que ela sempre guardava pra mim... Consigo ouvir as reclamações do Vovô dizendo que a sopa estava salgada ou que estava sem sal... Ouvindo-a dizer que era hora de ir rezar o terço... Sentada ali naquele banco no jardim (jardim que ela tanto cuidava), terminava dizendo que já era hora de ir “pegar a novela”.
O tempo passou e eu cresci e nem tudo era mais como antes, por vezes coloquei a culpa na correria dos estudos, na falta de tempo para ir vê-la... Naqueles anos já via minha pobre avó como velha, conseguia compreender sua frágil saúde... Mas muito pouco fiz para ajudá-la... E até mesmo por vezes duvidei de suas queixas... Talvez, acreditando que, de queixa em queixa e de hospital em hospital, ela viveria anos.
Mas deitado ali, naquele momento, senti que podia estar enganado... Podia ser tarde.
Peguei um livro que havia levado pra despistar o pensamento e comecei realmente a lê-lo, lia por ler, mas não consegui me prender ao sentido. Naquela hora, a leitura não tinha cronologia, não tinha lógica... as letras se misturavam às minhas lembranças.
Apesar de ser ainda cedo, finalmente adormeci.
Despertei minutos depois, assustado com o barulho de um telefone, que meu pai, ainda acordado, prontamente atendeu. Olhei em direção aos dois: meu pai e o telefone, e sem dizer nada percebi que ali terminava a saga da teimosa e lutadora Maria Alzira.
Num gesto de conivência às lágrimas que já escorriam no meu rosto, meu pai fez sim com a cabeça. E ali foi o meu Adeus. A dor me sufocava e a certeza de que aquilo era a única coisa que não voltava atrás se fez naquele momento... pensei na minha mãe e no medo que eu tinha de ela não suportar...
Caí em mim, meio atônito, com a fala do meu pai: - troque de roupa e vamos lá!
Fui ao meu quarto, que tanto tentara evitar naquela noite, vesti minha roupa e fomos ao encontro do Adeus... Em alguns momentos não sabia quem tinha partido, se ela ou eu.
Hoje percebo que ela não foi sozinha, levou consigo minha família e aqueles momentos que agora não passam de lembranças...
Naquele 22 de março de 2001, vovó se foi em paz !

*Comunicólogo e Pós-graduado em Comunicação e Política
Acácio Véras jr
Enviado por Acácio Véras jr em 31/10/2007
Reeditado em 10/11/2007
Código do texto: T717064

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Acácio Véras Jr, www.acacioverasjr.multiply.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Acácio Véras jr
Teresina - Piauí - Brasil, 32 anos
56 textos (2270 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 16:39)
Acácio Véras jr