Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

 

 

 

Triste manhã

 

 

 

Amanhecia. O ar frio da manhã enregelava seu rosto e provocava aquela coriza irritante, trazendo-lhe lágrimas aos olhos. Ela se aproxima da casa e bate à porta. Espera. Bate outra vez e a porta, rangendo se abre como empurrada por mão invisível. Helena entra, desconfiada, olhando a cozinha em penumbra e descobre o corpo da velha senhora que jazia solitário e imóvel; se aproxima e olha dolorosamente aquele rosto querido e apaziguado, a cabeça apoiada à mesa que nenhuma alma caridosa pensou em amaciar.

Prática busca velas e apanha quatro delas, acendendo uma em cada canto da mesa. Encosta as cadeiras na parede lateral e desce os dois degraus que leva ao pequeno pátio onde encontra algumas florezinhas silvestres que ela arruma entre os dedos da velhinha. Abre a porta e a janela, para que o vento da manhã cinzenta possa entrar. Olha a sua volta. Tudo está em ordem, agora já pode chorar.

 

                                                                Célia Regina Marinangelo

 

                                                                                                                                                                       2/11/2007

 

célia regina marinangelo
Enviado por célia regina marinangelo em 04/11/2007
Código do texto: T722786

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
célia regina marinangelo
São Paulo - São Paulo - Brasil
32 textos (1414 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 06:32)