Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Os sapatos



          Foram os sapatos. Foi a primeira coisa que Denise viu, quando ele entrou. Uma cor indefinida. Bege? Café com leite? Leite queimado? Doce de leite, tal qual sua mãe fazia, no tacho de cobre comprado dos ciganos? Viu mesmo antes que ele dissesse: Olha que belezinha?Que conforto? Parado ali, na porta da cozinha, a espera de um aplauso que ele mesmo se concedeu, Joel ria com todos os dentes, batendo as mãos uma contra a outra, o anel de ouro e rubi faiscando. Só eu mesmo, só eu para fazer uma comprinha destas! Que conforto! Que belezinha! E que precinho! Foram os sapatos, pensou Denise, mais tarde, refletindo e ainda ouvindo o choc choc da colher batendo na tijela de louça, misturando-se com o som das exclamações no diminutivo.Fantástico é o show da vida, sem explicações. Como se justificar? Não tentou. Às vezes, ela mesma, quando pensava achava a situação ridícula. Um homem, Joel, seu marido, entra pela porta da cozinha como faz sempre que chega antes da noite. Ela, Denise, sua mulher, está ali também, como sempre, nesses últimos anos, preparando qualquercoisinha para o nosso jantarzinho.Ele fala. Ela escuta, será que escuta? Nem sabe realmente se foi isso mesmo que foi dito.Agita os braços. Penteia o cabelo com o pente de osso, sem se incomodar com onde será que vão cair os fios de seu cabelo mal lavado.Coça o ouvido com o mindinho, unha comprida, será que pra isso? Limpa, esfregando na lapela do terno berrante brilhante, o dedo sujo.Funga. Lambisca. Faz tudo o que sempre fez. Ele. Ela não. Fica calada. Absorta. Enquanto bate a omelete, se lembra. Os sonhos. O chá das cinco em um aconchegante cottage inglês. O jantar comemorativo, a luz de velas e regado a champanhe borbulhante em finas taças de cristal, em um restaurante francês. Os fins de tarde no remanso de uma fazenda quatrocentona. As férias na Riviera. As noites caribenhas...cha...cha...cha...As premiéres. Vestidos exclusivos. Jóias caras. Quadros. Livros. Finesse. As. Os. A O . Tantos lugares, situações. Se lembrou dos sonhos, acordando em um pesadelo. Foram os sapatos, ela não pára de repetir, enquanto pensa e lembra, relembra, Joelzinho, a boca aberta, o som estrangulado na garganta, olhos esbugalhados, espalhafatoso e estupefato, ridículo, a massa caindo, colherada após colherada, da tigela azul de louça, lambrecando-o todo, da cabeça aos pés, enquanto ela ria como uma louca. Foram os sapatos, ela pensa mais uma vez, enquanto vai para o trabalho,o seu primeiro emprego, dirigindo o primeiro carro comprado com o suor do seu corpo. Do pesadelo ao recomeço dos sonhos. Foram os sapatos. Cor de ovo. De omelete.
Maria Olimpia Alves de Melo
Enviado por Maria Olimpia Alves de Melo em 18/11/2007
Reeditado em 18/11/2007
Código do texto: T742456
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para http://marilim.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Olimpia Alves de Melo
Lavras - Minas Gerais - Brasil
1107 textos (323052 leituras)
1 e-livros (258 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 16:02)
Maria Olimpia Alves de Melo