Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AQUELE EU QUE EU NÃO CONHECIA

Sempre tive a convicção de que, se aqueles com quem convivo parassem para, com humildade e o coração aberto, ouvir o que eu e os outros pensávamos a seu respeito, em particular daquilo em que deveriam mudar, eles se tornariam pessoas muito melhores.

Quanto ao meu julgamento pessoal, confesso sempre ter sido mais complacente comigo mesmo. Não tenho um gênio descontrolado, apenas sou um pouco temperamental; Não sou muito teimoso, só um pouco insistente; não estou gordo, apenas um pouco acima do peso. Esses são meus defeitos – Ninguém é perfeito! Todos perdoáveis, possíveis de serem ignorados, afinal de contas tenho qualidades tão interessantes, como ser muito bom amigo, muito humilde, muito compreensivo, muito esforçado, muito trabalhador, muito verdadeiro e tenho os olhos muito bonitos, etc., etc., etc.

Até que um dia, não sei se em um sonho, um delírio, uma visão ou o que quer que tenha sido, ao dobrar de uma esquina, deparei-me com um sujeito muito parecido comigo. Não recordava de onde ou como, mas eu o conhecia muito bem, e ele também me conhecia. Aproximou-se de mim, sorrindo amigavelmente, e já foi indagando:
- Diga com sinceridade: o que pensa a meu respeito?

Olhei em seus olhos, refleti e retruquei:
- Você é uma ótima pessoa. Mas... precisa mudar algumas coisas, pois, do contrário, pode comprometer gravemente sua convivência com os outros, inclusive com quem te ama. Estou falando desse seu temperamento horrível. Tudo lhe irrita, faz perder as estribeiras. Leva a mal não, mas, às vezes, parece um cavalo dando coices! Sinceramente. Vê se se controla mais. Não pode ser assim... Isso é ridículo!

Já ia dando por encerrada minha prédica quando emendei:
- Ah! Aproveita e faz um regime pra diminuir essa pança! Tá gordo demais... Só isso...
O cara me sorriu novamente e, aqui, pareceu que o encanto se desfez. Achei-me diante do espelho. Isso mesmo. Aquele sujeito era eu.

É muito mais fácil ver e condenar as falhas alheias que as nossas, que sempre parecem menores e perdoáveis. Assim eu ajo, assim o outro age, assim agimos todos, juízes do mundo, advogados de nós mesmos. Quem dera julgássemos os outros com a mesma medida com que nos julgamos. Descobriríamos que eles não são tão maus quanto às vezes pintamos, e nos conheceríamos melhor, vendo que não somos tão bons quanto, pretensiosamente, acreditamos ser.
Nildo Ferreira
Enviado por Nildo Ferreira em 24/11/2005
Código do texto: T75714
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nildo Ferreira
Campina Grande - Paraíba - Brasil, 34 anos
1 textos (48 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 08:34)
Nildo Ferreira