Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

os dois filhos do rei

Existia um rei muito próspero há muito tempo em algum lugar da Ásia, que estando já muito velho e ciente que sua hora não tardava, chegando-se a seus dois filhos disse-lhes: meus queridos filhos, seu pai já esta velho e eu preciso saber qual de vocês dois subirá o trono após mim, eu lhes proponho o seguinte: vocês deverão trazer para mim dois presentes, dentro de um mês, o que trazer o presente que mais me agradar, esse terá o meu trono por herança.
No dia seguinte todos na cidade comentavam o assunto, o que o rei fizera a seus filhos era algo realmente diferente. No palácio os dois filhos faziam os preparativos para a viagem que fariam, sozinhos, em busca do melhor presente.
Cada um tomando do seu jumento partiram. Um, rumo ao ocidente, e outro para o oriente.
Passados alguns dias o filho que se dirigira para o ocidente caminhava para uma cidade, onde ele julgara conseguir alguma coisa diferente, e nunca visto em sua cidade, para servir de presente para o rei, e então o surpreender. O mancebo já muito exausto porque caminhara  por horas sem parar, debaixo do sol escaldante, resolveu então parar um pouco para descansar  e entrou ele numa gruta que havia à beira do caminho afim de fazer um lanche protegido da ação do sol.
O jovem nunca tinha estado naquele lugar antes, e não sabia  ele que  ali na gruta morava um ancião solitário, que raramente saia durante o dia, não demorou, o jovem ouviu conversas vindas do  fundo da gruta, e não resistindo a curiosidade, se atreveu a ir espiar o que seria, ou melhor, quem seria. Adentrando cada vez mais, aqueles sons iam ficando mais fortes, até que ele  se deparou com uma enorme sala, e ali assentado num banquinho estava um velhinho tagarelando com seu gato de estimação, o rapaz não pode acreditar no que estava vendo, porque quando ele reparou melhor, ele viu que o gato estava trajado com algo como uma fina roupa de mordomo e conforme o velhinho ditava as ordens, o gato o obedecia, ora trazia água no copo, varria o chão. O bicho fazia de tudo, e ainda, se mantinha praticamente o tempo todo de pé.
O príncipe enlouqueceu diante de tais cenas, e não restou duvidas de que aquele seria o presente perfeito. Um animal, aparentemente um simples animal, mais que diante  de qualquer ordem obedecia perfeitamente.
Batendo um sininho que havia na porta de entrada da “casa”, o ancião logo o veio atender. O rapaz sem muito papo foi direto ao assunto, queria a todo custo o bichano, e por ele pagaria o preço que o velho propusesse. A principio disse que o animal não estava à venda, mais de tanto insistir, o jovem acabou comprando o bicho por um saco de moedas de pratas.
Não restava duvidas que com aquele presente, o trono estaria em suas mãos. O príncipe retornou para sua cidade com dez dias de antecedência, aguardando apenas o fim do prazo proposto pelo pai.
Enquanto isso, o filho do rei que se dirigira para o oriente não  encontrara nada de tão interessante que pudesse causar tanta impressão ao rei. Restando poucos dias para o fim do prazo estipulado ele resolve retornar à cidade. Frustrado e sem esperança a única coisa que lhe resta é esperar. Chegando na cidade, passando por ruas movimentadas ele ouve o povo comentando sobre o presente que o outro príncipe obteve, e sobre toda a capacidade do gato inteligente. O príncipe então, muito astuto, encheu-se de esperança e caminhando e observando algumas lojas de sua cidade, achou o presente ideal. Só restando assim esperar o dia do julgamento.
O dia chegou, o pátio do palácio estava entupido de tanta gente, que  estavam ali para assistirem o julgamento.
Os dois príncipes, dirigindo-se para o centro do pátio, fizeram a amostra de seus presentes, um mostrou apenas uma pequena caixinha, o outro com muita elegância, apresentou-lhes o seu magnífico bichano trajado de mordomo. A platéia estava meio confusa, mas foi só até começar a apresentação do gato mordomo, e o povo começou a se entusiasmarem. Aquilo era maravilhoso. Quando a platéia começou a aplaudir, o outro príncipe abaixou a caixinha no chão e abriu-a, quando ele abriu, saiu de dentro dela um pequeno ratinho, e o fino gato deixando imediatamente sua pose, disparou atrás do rato, correndo de um lado para o outro, assumindo novamente a forma  de gato, e a platéia quase morria de tanto dar gargalhadas diante daquilo.
O rei achara muito bom o gato mordomo, mas ele achou muito mais inteligente e surpreendente o presente do filho que trouxera, um pequenino ratinho,  dando-o o seu trono, sabendo que esse era o filho apto a governar o povo, porque teve astúcia, fazendo de algo tão insignificante, “uma arma poderosa”.





andre m
Enviado por andre m em 24/12/2005
Código do texto: T90148
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
andre m
Ji-Paraná - Rondônia - Brasil, 28 anos
13 textos (6999 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 18:10)
andre m