Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A viúva


E era assim numa quase rotina de todos os dias, fizesse sol ou chovesse demais, ela vai à igreja. Mal passada ou mais que madura, caminha lentamente arrastando o pé esquerdo tremendo um pouco de câimbra. O caminho. O mesmo caminho de sempre. Debruça o nariz ao passar pela padaria para só sentir o cheiro dos pães recém saídos do forno lambendo a salivação ao pensar na manteiga derretendo as beiradas da casca moreninha. Casas, casas e mais casas iam desfilando suas fachadas encobrindo as vidas tão diferentes que ela tenta adivinhar. Com um pouco de pressa de mais, atravessa a rua não querendo se contagiar com a culpa do inferninho onde meninas, cheirando sabonete vagabundo, permanecem sentadas nos degraus a rir algum sarcasmo. Sua cabeça corre corpos e camas e ela benze o pecado de saber pensar tudo aquilo sem ter feito com o marido falecido mais do que as pernas alcançavam levantar. Ajoelha no confessionário de não ter pecados, a não ser em pensamento, pede perdão por quase tudo que vê de contrário aos bons costumes, e paga sempre a mesma penitência de se achar quase santa. Volta para casa num aliviar mais um dia na santa benevolência do criador, desatravessa a rua, um tanto à frente da luxúria das meninas crianças e se tranca em casa a lembrar o cheiro do pão e dorme sonhando com o falecido sentado numa cadeira qualquer do inferninho, rindo a boca sem dentes para ela, que dança só de calcinha no palco da vida.
Paula Cury
Enviado por Paula Cury em 05/01/2006
Código do texto: T94678

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Paula Cury
São Paulo - São Paulo - Brasil, 47 anos
114 textos (8472 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:14)
Paula Cury