Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto




À esquerda das horas:  o tempo
 
Belvedere Bruno
 
         Com passos rápidos, agitados, Marcos caminha pelo calçadão da praia de Icaraí. Todos os dias, às dez horas da manhã, embora o sol quente já incomode, Marcos anda no calçadão pelo menos até o  meio-dia. Não precisa de tanto exercício, mas faz quinze dias que cruzou ali com Luíza e quer encontrá-la novamente.
            Marcos caminha irritado, nervoso. A caminhada que antes fazia com prazer, é feita, agora, apenas pela ânsia de encontrar Luíza. E a consciência de que aquele tempo gasto no calçadão é apenas um pretexto, ainda o deixa mais irritado. Se fosse há duzentos anos, vá lá, não havia como, mas agora, porque é que não lhe tinha pedido o endereço ou número do celular? E o pior é que sabia quem ela era. Tinham sido colegas, colegas e namorados no colégio. Era um idiota. Um perfeito idiota. Tão idiota que... Tão idiota que até o grito do vendedor de mate o irrita.
            - Ó o mate geladinho! Moça bonita não paga, mas também não leva!
            Marcos pára e olha o vendedor, que sorri e olha para ele.
            - Vai mate, doutor?
            Marcos não responde. Se abrisse a boca, o palavrão seria escutadoaté no Rio, do outro lado da baía. O vendedor ri, ajeita a correia da caixa de isopor no ombro e continua o pregão.
            - Ó o mate geladinho! Moça bonita não paga, mas também não leva!
            Marcos fecha os olhos, respira fundo e aperta as mãos com força. Não. Vexame, não. Solta o ar devagar, pelo nariz e pela boca, e abre os olhos. Na sua frente, parada, sorrindo, está Luíza.
            - Oi.
            Marcos treme, a garganta apertada, doendo, e apenas consegue gaguejar.
            - Eu… Eu…
            Luíza ajeita a canga, colada no corpo molhado de suor.
            - Mas que coisa boa te encontrar. Pensei que tivesse sumido. Eu tenho vindo aqui…
            Marcos olha Luíza, espantado.
            - Tem vindo aqui? Mas quem tem vin…
            Luíza ri.
            - Aqui, como quem diz. Mais ali pelas Flechas. Todo dia dou lá a minha caminhada.
            Marcos pigarreia e esfrega as mãos na bermuda de jeans.
            - Mas foi aqui que a gente se…
            - Tem hora que eu venho até aqui, sim. Mas muito raro. Tô morando ali no Ingá e vou direto às Flechas.
            Faz uma pausa, ajeita outra vez a canga e olha Marcos.
            - Mas me diga. E você?
            - Eu?
            - Faz o quê?
            Marcos encolhe os ombros.
            - Vou levando.
            Luíza ri.
            - Só levando? Formou-se? Medicina?
            - Hum, hum.
            - Você sempre dizia que ia ser médico, lembra?
            Marcos olha-a, o coração descompassado.
            - Você lembra disso?
            Luíza acena com a cabeça.
            - Quem esquece os tempos do colégio? Os beijos, as paixões, as juras de amor eterno, as brigas? Você esqueceu? Eu não.
            Marcos olha Luíza durante alguns instantes e acena com a cabeça.
            - Também acho que seria um crime esquecer.
            A gargalhada de Luíza atropelou até as buzinas dos automóveis.
            - Não me diga que você…
            Marcos olha-a e abana a cabeça devagar.
            - O problema é que a gente nunca aprende.
            - Arrependido?
            - Quem não se arrepende?
            - Casou?
            - Não. E você?
            . – Estou divorciada.
            Calam-se durante algum tempo, Marcos olhando o rosto de Luíza e Luíza olhando os olhos de Marcos. O vendedor de mate passa por eles.
            - Ó o mate geladinho! Moça bonita não paga, mas também não leva!
            Marcos aponta-o.
            - Quer?
            - Você quer?
            - Quero, sim.
            Chama o vendedor.
            - Dois. Grandes. Bem gelados.
            Bebem devagar, calados. De repente, Luíza ri e olha Marcos.
            - Sabe o quê que eu tava lembrando agora?
            - Não.
            - Que você nunca foi às reuniões dos ex-alunos do Salesiano.
            - Realmente, eu…
            -Vai ter uma agora, na sexta.
            - Onde?
            - Lá no colégio.
            - Nessa eu vou.
            - Vai mesmo?
            - Combinado.
            - Não vai esquecer?
            - Mas de jeito maneira.
            - Olha que vou ficar esperando.
            - Posso passar na sua casa e…
            - Taí. Ótima idéia. Passa, sim, que vamos juntos.
            Luíza bebe o último gole do mate e olha Marcos.
            - Tem caneta? Então anota o endereço.
 
 
belvedere
Enviado por belvedere em 04/04/2006
Reeditado em 12/11/2009
Código do texto: T133677

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
belvedere
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
220 textos (73255 leituras)
5 e-livros (1070 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 21:35)
belvedere

Site do Escritor