Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fragmentos Urbanos - Irmãos MacPherson da Silva

FRAGMENTO 07 - IRMÃOS MACPHERSON DA SILVA


       Arnaldo MacPherson da Silva. Quem lê este nome pode imaginar que sua mãe é brasileira e se casou com um inglês da alta sociedade londrina e por influência do pai herdou empresas e riquezas. Só que não foi isso que ocorreu. Arnaldo “mecferso” , como é chamado pelos colegas de rua, é hoje um mendigo que vive nas ruas da cidade grande. O pai dele veio da Inglaterra e se casou com uma moça que deu a luz a dois filhos, Arnaldo e Brendon que voltou pra Inglaterra com o pai com o sobrenome da Silva, mas isso ocorreu muitos anos atrás e hoje Arnaldo está velho e ninguém acredita que seu pai é inglês e que o sobrenome é pura invenção dele. Toda vez que Arnaldo fica pedindo esmola, a polícia aparece e pergunta o nome dele:
_ Me chamo Arnaldo MacPherson da Silva.
_ “Meque” o quê? – os policiais nunca entende o que ele fala.
_ MacPherson. – corrige Arnaldo que mesmo com 60 anos consegue pronunciar corretamente o sobrenome.
Quando o senhor Richard MacPherson tornou-se o pai de Arnaldo e Brendon, ele os levou para conhecer Londres e disso Arnaldo nunca esquecerá. Ainda hoje se lembra do Big Ben, das estações de metrô, do ônibus de dois andares, as famosas ruas Picadilly, Soho e dos guardas reais ele também se lembra e quando conta isso aos outros mendigos todos caem na risada e sempre estranham o fato de ele não estar bêbado.
Arnaldo além de contar as suas estórias inglesas, ele gosta de observar as pessoas que passam pelas ruas e quando alguma passa perto dele acaba ouvindo a única frase em inglês que ele se lembra: Help me please! As pessoas que escutam acham estranho e acabam perguntando o que ele falou.
_ Não sabe inglês não? Eu disse: Ajuda-me, por favor. Como é que pode os habitantes dessa cidade saber menos inglês que um mendigo. – é o que diz Arnaldo sempre se gabando e nunca recebendo esmola alguma quando pede dessa forma.
Arnaldo acha estranho quando algumas pessoas apontam o telefone celular para outras pessoas, um dos seus colegas diz que o tal telefone tira foto.
_ Telefone que tira foto? Coisa mais maluca.
_ E tem uns que dá pra ouvir música. – diz outro colega.
_ Eu não sei o que Graham Bell diria se soubesse que sua invenção também tira foto. – diz Arnaldo que estudou em escola boa e aprendeu muito sobre os inventores.
_ “Grarram” o quê? – pergunta um mendigo que não entendeu nada.
_ Deixa pra lá, vocês nunca iam entender.
O motivo de Arnaldo ter parado nas ruas foi por causa do pai que teve que voltar pra Inglaterra à força e acabou levando o outro irmão e só não levou Arnaldo porque sua mãe não deixou e os dois ficaram sozinhos e sem um tostão qualquer. A mãe de Arnaldo foi parar na prostituição e morreu de overdose por cocaína quando Arnaldo tinha vinte e cinco anos. Sem eira nem beira Arnaldo foi procurar emprego e nunca conseguia, só uma vez ele conseguiu ser Office-boy da Câmara Inglesa de Comércio, mas não durou muito tempo por ser arrogante e presunçoso por causa do seu sobrenome.
Teve um dia que Arnaldo estava pedindo ajuda em inglês e um senhor passou e entendeu o que ele disse.
_ O senhor falar inglês então? – perguntou o homem num português arranhado e carregado.
_ Sim, meu pai é inglês e tenho um irmão que foi com ele pra Inglaterra, mas isso foi há muitos anos atrás.
_ Ohh que interessante, como você se chama?
_ Arnaldo MacPherson da Silva.
_ MacPherson, família importante de Londres.
_ Isso eu não sei, mas eu já conheci Londres quando pequeno.
_ Really? Quer dizer, sério? Desculpa, mas falar português é difícil.
_ Sim, bem que eu gostaria de voltar pra lá e quem sabe encontrar pelo menos meu irmão que é mais novo do que eu, talvez meu pai já esteja morto.
_ Ainda guarda seu passaporte?
_ Ah claro, guardo muito bem, aliás, está sempre comigo.
_ Ótimo! Então vamos até o consulado e trocar por outro novo e daí poderemos voltar pra Inglaterra.
_ Como é? O senhor vai me levar pra Inglaterra?
_ Yes.
Arnaldo não se conteve e abraçou o homem que ficou envergonhado, porém feliz de ajudar aquele homem de sangue nobre. O homem que se chama James Spalder só fez isso porque tem muito dinheiro e também um bom coração. Levou Arnaldo para seu hotel e lá lhe deu roupas limpas e novas. No dia seguinte foram trocar o passaporte de Arnaldo que tendo sobrenome inglês não teve problema algum para viajar.
Dias depois Arnaldo e James chegaram em Londres e foram a procura da família MacPherson, mas não encontraram muitas pessoas, apenas uns primos e sobrinhos do seu pai que não reconheceram e nem receberam Arnaldo que voltou triste para a casa de James, mas chegando lá pediu pra dar uma volta sozinho.
Caminhando pelas ruas Arnaldo também viu mendigos como ele e ao passar por um ele escutou: Help me please.
_ Sorry, não falo muito bem.
O mendigo que pediu ajuda fez uma cara de espanto.
_ Brazillian? – perguntou o mendigo.
_ Yes, mas meu pai é english. Father english, Macpherson da Silva. – disse Arnaldo tentando se comunicar.
_ MacPherson da Silva? – indagou o mendigo ficando vermelho.
_ Yes, sim.
_ Me too. – disse o mendigo apontando o dedo para si.
_ Você Brendon MacPherson da Silva?
_ Yes, I am. You Arnald?
_ Yes, Arnald.
Brendon se levantou e abraçou o irmão que não conseguiam se comunicar muito bem. Arnaldo levou Brendon até a casa de James e lá eles se falaram melhor, explicou que nunca conseguia um emprego bom por ter nascido em outro país, mesmo tendo o sobrenome inglês, e depois que o pai morreu ele ficou só e não teve ajuda dos parentes que nunca aceitaram o fato de Richard ter saído da Inglaterra. James que ficou comovido com a história dos irmãos resolveu ajuda-los e os colocou para trabalhar junto com ele e paralelo ao serviço os irmãos ajudavam os mendigos dando comida e atenção. E quando voltaram pro Brasil também fizeram isso, só que com o tempo inteiro livre e com dinheiro ganho no exterior.

FIM
Miguel Rodrigues
Enviado por Miguel Rodrigues em 11/04/2006
Código do texto: T137348
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Rodrigues
Barueri - São Paulo - Brasil, 33 anos
1432 textos (42637 leituras)
6 e-livros (1681 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:20)
Miguel Rodrigues