Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Celular.

- Chefe, compra um celular pra mim.
- Pra quê tu queres um celular, ô Zé?
- Ora chefe, pra o senhor falar comigo quando quiser.
- Zé, tu estás querendo me enrolar...
- Êpa, nem pense nisso. Eu jamais enganaria o senhor!
O Zé é um excelente funcionário. Não falta trabalho e está sempre disponível quando precisamos dele.
- Está bem! Você me convenceu. Amanhã comprarei um e lhe presenteio.
- Vai descontar do meu salário?
- Não, já falei que é um presente.
- Obrigado chefe. O senhor é um bom cara.
- Pára com isso Zé, senão eu desisto.
- Já me calei.

A noite, fui ao Shopping para comprar o telefone prometido. Na frente da loja de celulares tem uma cafeteria e, como amante do líquido negro, fui seduzido pelo seu cheiro.
- Hum, esse café está muito cheiroso. Moça, por favor, um café expresso.
Sentei-me em uma das mesas e comecei a saborear o meu cafezinho. Levantei os olhos e pus-me a observar.
As pessoas passam  e mal se olham nos olhos. As vitrines estão recheadas de " tentações". Tornam-se instrumentos hipnóticos. Por um momento, o desejo de ter sobrepõem-se a realidade do dia-a-dia. E o tempo não para. Já observaram uma libélula voando e parando a todo instante? Os shoppings deveriam ser chamados de "ninho de libélulas".
- Quanto custa este celular?
- São duzentos reais.
- Têm mp3, câmera fotográfica e outras coisas que nunca usaremos?
A vendedora deu um sorriso bondoso!
- Tem sim, senhor.
- Ok, vou levá-lo. Embalagem para presente, por favor.

No outro dia, o Zé me procurou logo cedo.
- E então chefe, comprou o meu celular?
- Comprei sim Zé. Tome aqui.
- Olha só! Obrigado chefe, é muito bonito. Huuum... Motorola, da melhor qualidade. Agora o senhor pode falar comigo quando quiser.
- Está certo Zé. Tudo bem. Vamos trabalhar que é melhor...

No dia seguinte o Zé não veio trabalhar.
Passou-se mais um dia e ele novamente não veio.
“O que será que aconteceu com ele? Não é de faltar trabalho. Se pelo menos eu tivesse como falar com ele. Como és esquecido homem! Tu não lhe deste um celular?"
- Está dando na Caixa postal! Vou tentar outra vez. Caixa postal novamente. Vou deixar um recado.
Não me conformei e liguei outras vezes durante o dia.
- Desisto. Amanhã ele aparece.

No outro dia, quando cheguei ao escritório, uma senhora me esperava.
- Bom dia senhora!
- Mais ou menos.
- A senhora é?
- Sou a Maria, mãe do Zé, seu funcionário.
- Está tudo bem com ele?
- Não meu filho. Ele foi assaltado há três dias e o bandido o matou quando reagiu. Tudo por causa de um maldito telefone celular. Foi o senhor quem deu a ele, não foi?
Fiquei pasmo! Não consegui responder. Fiquei olhando aquela pobre mulher se distanciando, indo embora.
- Maldito celular!
Lamentei muito a morte do Zé. Era uma boa pessoa.
EMERSON DANDA
Enviado por EMERSON DANDA em 06/05/2006
Reeditado em 17/04/2009
Código do texto: T151544
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
EMERSON DANDA
Toritama - Pernambuco - Brasil, 52 anos
97 textos (76622 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:32)
EMERSON DANDA