Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Jantar

- Você já pôs óleo e sal na água? – o rapaz tentava auxiliar em algo enquanto arrumava a mesa e cuidava dos preparativos para o jantar.
- Já sim, não se preocupa, eu já vou por a carne moída na panela – a garota, concentrada, refogava alho e cebola em uma panela média.
A cozinha, pequena e aconchegante, garantia a proximidade do casal que se esmerava na preparação de um jantar especial. Com cuidado, ela mexia vagarosamente na panela agora acrescida de carne, o silêncio temperando a comida de uma maneira toda especial...
- Eu vou por o macarrão na água então? Tudo bem?
- Tá. Eu vou por um pouco de pimenta do reino aqui, pode ser? – com um sorriso de canto de boca, a garota, que sabia da preferência dele por comidas não apimentadas, deu uns passos e pegou o vidro de pimenta – Nossa! Droga, eu preciso fazer uma ligação, esqueci, é aniversário de um amigo meu!
- Vai lá, não tem problema não, eu faço o molho pra você, pode deixar que eu tempero.
Não havia telefone na casa; com algumas palavras e uns passos apressados ela saiu porta afora, ligou o carro e partiu em busca de um telefone público.
A casa estava mais solitária do que nunca. Enquanto a carne moída na panela era temperada (com sal, pimenta e um tablete de tempero concentrado) o pensamento motor deste jantar pegou-o de assalto. Todo o deleite da convivência entre eles, dentro em pouco se alteraria muito... O cotidiano de almoços, jantares, sorrisos, conversas, prazeres, toques, sonos, sonhos e suspiros, deixaria de ser. O cotidiano - menos enfadonho ou mais atroz? - transformar-se-ia em saudade, porém com a esperança dos encontros; e com a beleza que a distância proporciona.
Há um ditado que diz que para se conhecer uma pessoa verdadeiramente tem-se que comer um saco de sal junto a ela, dia a dia, no tempero das comidas, nos molhos etc.
- Quanto sal será que já comemos juntos? -  imaginava ele. O suficiente pra me deixar sentindo um vazio, e para me deixar feliz, por saber que nossa força continua e que a distância nós vai servir de combustível, para ser cada vez mais, para viver cada vez mais, para amar cada vez mais!
Um motor de carro lá fora, e em seguida o barulho na porta acusou a chegada da garota. O molho já estava quase pronto, com todos os ingredientes pedidos, com a carne cozida e com o molho de tomate misturado a ela.
- Não o achei em casa... Mas tudo bem. E você conseguiu aí? -  ela entrava perguntando, enquanto deixava suas coisas em cima do sofá da sala.
- Acho que já está pronto, o molho ficou um pouco oleoso, mas... Não sei parece aguado...
- Ah! Que nada, parece muito bom, é só deixar mais um pouco no fogo. Eu nem vou provar porque sei que está delicioso, e, além disso, tem o efeito surpresa, Hahaha. Ah, você pode pegar o vinho, por favor?
Pra ela, a situação também não era fácil. Apesar da felicidade que sentia por voltar a morar na casa dos pais, mudar totalmente seu cotidiano e se distanciar de pessoas que tanto ama não seria fácil.
- Então é isso, está pronto, vou escorrer o macarrão.
Ele levou a panela até a pia e fez o anunciado, enquanto ele fazia os preparativos finais; ela cuidou para que o macarrão voltasse a ficar dentro da panela, dessa vez já pronto, sem água.
O vinho tinto fino suave foi pego, um “Miolo”. Sentaram-se à meia luz com os pratos já cheios da apetitosa macarronada e as taças cheias do bom vinho, companheiro de tantos momentos triste-alegres como aquele.
A mesa era estreita, os comensais postos um à cada ponta, separados por pouco mais que um metro de distância. Entre eles, pratos, taças e uma garrafa de vinho, nada mais, as defesas haviam ficado do lado de fora da casa.
O computador ligado garantia uma trilha sonora significativa para ambos. O que reinava, para surpresa (ou não), era um espírito de primeiro encontro, com direito a todas as sensações desses intrigantes momentos.
A comida tinha gosto de despedida e um evidente sabor de esperança.
Djalma Nery Neto
Enviado por Djalma Nery Neto em 08/05/2006
Reeditado em 23/06/2010
Código do texto: T152552

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Nery Neto
São Carlos - São Paulo - Brasil, 29 anos
3 textos (217 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:38)