Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto




- Vou te dar uma bengala no Dia das Mães.

- O quê? Não uso. Prefiro nem sair de casa.

O diálogo antecedia em dez dias o Dia das Mães .

- Com a bengala você não precisa sair se segurando nas pessoas, nem nas paredes. Bengala não é indignidade; é apoio, segurança.

- Não aceito, e chega!



- Olha só como você fica se apoiando nas cadeiras . Em pleno restaurante! Que vergonha! Se estivesse com uma bengala bonita, seria puro charme, mas fica com esse orgulho metido a besta...



- Cala essa boca, senão nem vou almoçar. Volto pra casa, faço um arroz e frito um ovo. Pára de me encher a paciência com esse troço de bengala!



E a bengala foi comprada lá no Shopping.



No Dia das Mães saindo para o almoço num restaurante:

- Que bem-estar a bengala me traz. Tô saindo tranqüila, sem medo nenhum. E só treinei dois dias!

- Eu não disse? Só continue tendo cuidado com os buracos das calçadas.



À tarde, se preparando para visitar uma amiga no mesmo edifício onde mora, pega a bengala e se encaminha para a porta.

- Pra que bengala?

- É mesmo. Nem vou sair, né?





Na sala de jantar, entre vasos de cristais, candelabros, cristaleiras antigas, ao lado de um grande vaso de flores, está ela, enfeitando o ambiente em suas horas vagas.


belvedere
Enviado por belvedere em 17/05/2006
Reeditado em 22/02/2007
Código do texto: T157913

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
belvedere
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
220 textos (73243 leituras)
5 e-livros (1070 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:36)
belvedere

Site do Escritor