Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fênix

            Chegou tarde naquela noite. Abriu a porta de seu apartamento abatida. Jogou as chaves sobre o móvel próximo, depositou a bolsa na cadeira e a blusa em outra poltrona. Ia se desfazendo dos penduricalhos até que chegasse ao sofá e se lançasse, como se ela própria fosse um berloque. Estava cansada. Mais do que isso.

            Virou o rosto à procura do controle remoto do aparelho de som que se encontrava no mesmo lugar aonde o deixara na noite anterior. Quem mais poderia ter mexido em suas coisas? Havia uma semana que morava sozinha. Esticou o braço até alcançá-lo e num movimento circular apontou o controle em direção ao aparelho. As luzes azuis, vermelhas e alaranjadas brotaram na penumbra de sua sala. Eram as únicas luzes além do facho que invadia a sala graças ao poste próximo as suas janelas. Mais alguns segundos e o ambiente foi inundado pela melodia que ouvia todas as noites desde que o mandara embora.  Amava Tchaikovsky e particularmente seu ‘Concerto para Violino em D maior Op. 35’. Emocionava-se sempre que o ouvia, mas agora essa composição parecia ser parte de seu corpo, extensão dela própria e de seus sentidos. Bela e melancólica.

            A suave melodia preencheu o ar pouco a pouco. Sentiu uma pontada de dor a cada nota que reverberava em seus ouvidos. Comparava essa música ao sorriso de alguém que perdera a sanidade. Um belo sorriso triste envolvido numa áurea de mistério. Ela mesma sequer sorria, mesmo o riso triste de um louco que não sabe porque sorri.

            O telefone tocou.

            Num sobressalto sentiu os músculos contraírem-se num espasmo de agonia. Esperou. Ao quinto toque a secretária eletrônica, que ainda registrava a voz dele em sua memória, atendeu a ligação. “No momento não estamos em casa. Deixe seu recado após o sinal”. Segundos se passaram até que a voz do outro lado, idêntica a gravada na máquina, mas com um tom ressentido, disse num só sopro: “Te amo”. Desligou.

            Ela respirou profundamente e um mal estar se sobrepôs ao susto da campainha. “Que fiz... Por que fiz isso?”. Era a dúvida que a deixava inquieta no momento, mas foi outra a dúvida que fez com que chegasse até este ponto. Lembrou-se dos últimos meses em que dividia sua vida com outra pessoa e como reagiu ao confrontar-se com um dilema. “Eu o amo?”. A resposta que obtivera era positiva, mas vazia. Amava-o e não duvidava disso, mas como o amava? O nó em sua garganta apertou-se. “Eu o amo, mas ele não me fez feliz. Não me faz feliz”. Ao fundo, o som de um violino solitário vagava entre as paredes. Sentia-se solitária e angustiada, como o som que parecia aprisionado em sua sala à procura de uma saída. Perdida em si mesma e vítima de suas decisões permitiu sua mente vaguear.

                        ...

            Lembrou da ligação de um antigo amor dias antes. Permanecia a amizade entre eles, posta à prova após um relacionamento intenso e breve, como é característico neste tipo de paixão que arrebata. Percebeu-se curiosa quanto a reencontrá-lo. Como se sentiria frente aquele homem hoje? A simples idéia de revê-lo fez com que o sangue voltasse a bombear cargas de adrenalina que percorriam seu corpo. Confrontar-se com o súbito desejo que surgira entre cinzas e quase esquecido – ou sufocado – pela cotidiana vida.

            Fosse por caráter ou medo, procurava evitar pensar num possível reencontro, mas quanto mais se tenta evitar um pensamento mais ele toma forma e finca raízes. “Não está certo pensar nisso agora. Isso foi há anos atrás. Por que me sinto tentada a ver uma sombra de meu passado? Fiz escolhas. Fiz ESCOLHAS”.

            Certo dia, durante um de seus combates morais, uma nova idéia deu outro rumo a estes pensamentos: “Fiz escolhas antes. O que me impede de tomar novas decisões? Sou eu incapaz de escolher novos caminhos? E por que não escolher mais de UM caminho? Porque me privar do desejo por um e me abster do Amor por outro?”. Assustou-se consigo mesma. Abrira a caixa de Pandora. Ao mesmo passo em que sentiu repulsa de si e julgou-se leviana, aliviou-se. Era penoso para ela admitir que recebeu a derradeira idéia com prazer. “Eu posso escolher este caminho. O que me impede?”. Ela sabia o que a impedia. Seu voto de dedicar-se a apenas um homem. “Na alegria e na tristeza”.

            Ele sempre fora pacato e paciente. Tinha certo brilhantismo a sua maneira, mas com o tempo os mesmos adjetivos que faziam dele a pessoa certa para se estar tornaram-no enfadonho e desinteressante. Sua serenidade agora tinha ares de resignação irritante e seu brilhantismo o tornara um tolo desatento ao mundo a sua volta e ela chegou à conclusão, irremediável neste ponto, de que fazia parte das marginais de sua vida, não mais que isso. Ela queria ser o centro. Essa condição ela exigia. Não poderia ser de outra forma.

            Pensava no homem que havia deixado para trás com menos cautela agora. Permitia-se ir um pouco além e num desses pensamentos quis ver-se perdida em seus braços. Sentia uma fagulha da mulher que havia sido e percebia novas possibilidades. Algo além e desconhecido, mas a cada vez que pensava nessa paixão sua libido era jogada aos ares numa explosão. Pensar ao longo do tempo parecia já não aplacar a sede que só aumentava, mas o medo nos preserva e controla. Sabia que seria injusta com o homem que elegera como seu companheiro e marido. Aquele que escolhera para deitar-se todas as noites até que o tempo cumprisse sua trajetória e findasse. “O que direi daqui a alguns anos? Que vida terei levado?”.

            O cerco que criara em torno de si apertava-se dia após dia. Como se quisesse respirar e não pudesse e, ainda assim, se conseguisse libertar-se dessa prisão imaginária, parecia que o inverso ocorreria. Todo o ar do mundo iria invadir-lhe num mesmo momento e ela explodiria em milhares de pedaços. Medo... De ir e de ficar.

            Depois de tantas fórmulas, conversas e possibilidades friamente estudadas – contando até um prazo para que tudo voltasse aos eixos, proposto por ele – sentia-se a cada dia mais infeliz por amá-lo e desejar outro. “Temos um prazo de validade para reaquecer o amor? De que vale isso se em nada mudamos um com o outro?”. Pensava com mágoa enquanto observava aquele homem que inspirava pena e desprezo ao mesmo tempo. Queria que ele causasse os mesmos sentimentos que o outro lhe causava, apesar da distância física e temporal.

            E foi no “Tempo” que ela prestou atenção.

            Passou a lembrar, não apenas do homem com quem dividiu uma paixão no passado, ainda que fugaz, intensa e inesquecível. Pensou como era o mundo a sua volta naquele tempo, quando o encontrou.

            Viu-se outra mulher. Cheia de energia e possibilidades. A carreira que dava início – e hoje já outra que sequer lhe servia de consolo – e os sonhos futuros que, deveriam ser agora, seu presente. Muito pouco se concretizou. Aquela de hoje era uma mulher com pequenas frustrações que, somadas, davam vulto a alguém que ela desconhecia. Essa constatação de sua dualidade a fez chorar muitas vezes depois. Pouco restou daquela que fora.

            Em meio aos prantos diários, disse ao homem com quem vivia que tudo estava terminado. Ele, pego de surpresa – pois tudo parecia normal pra ele até então, ainda que a visse sempre entristecida nos últimos meses – pensou por um segundo que pudesse ser uma brincadeira, mas ela não era dada a brincadeiras. Não mais. Ele lhe perguntou seguidas vezes o que havia feito de errado enquanto ela mantinha a postura e as feições de uma estátua. Impassível era a expressão de seu rosto, destruída sentia-se por dentro. “Eu me mato” disse ele sem pensar. Ela sentiu um aperto no peito e o olhou, profunda e demoradamente. “Não. Não se mata” disse, se surpreendendo com as próprias palavras como se não fosse ela a dizer, mas apenas a assistir o fim de algo que não pertencia a sua vida. Indiferente e distante a tudo. Espectadora de si mesma.

            O conduziu até a porta e, num momento depois, o chamou uma última vez, quando ele já estava no meio do corredor. “Saiba que... Amo você”. Fechou a porta e escorregou até o chão onde permaneceu por mais de três horas abraçada aos joelhos.

            Ainda tinha colada às suas retinas a imagem do rosto daquele homem com quem dividiu tanto e, sentia, recebera tão pouco. O colocou pra fora, não da casa, mas de sua vida. Naquela noite julgou-se vil e cruel, não pelo ato em si, mas por sentir-se simplesmente melhor. Era a culpa que surgia por entre as frestas da porta recém aberta de um novo mundo para ela. Um mundo que a assustava, mas que a havia perseguido. Uma porta que exigia ser aberta.

            Entendeu que se sentiria melhor se telefonasse ao outro homem. O de seu passado. Tinha algo a dizer a ele também.

            Depois de dois toques o homem, que serviu de estopim para uma reação em cadeia na vida daquela mulher, atendeu ao telefone e mostrou-se amável ao reconhecê-la. “Antes que fale qualquer coisa...” – começou ela dizendo hesitante – “...Quero pedir que não me telefone ou procure. Nunca mais”. Repousou o telefone na mesa e permaneceu com o olhar perdido. Sem pensar em nada mais naquele momento.

                        ...

            Como se houvesse despertado de um sono profundo, endireitou-se no sofá. Tudo parecia diferente agora.

            Após repassar mentalmente o que têm sido seus últimos dias e quais sentimentos haviam percorrido seu corpo, pôde ler as entrelinhas do caso proposto pelo destino. Já não pensava em um ou noutro homem. Não julgava mais nenhum deles ou a si mesma. Seguiu ouvindo o concerto, já no final de sua execução. A mesma música dizia outra coisa aos seus ouvidos. Já não era melancólica. Era um renascer e, assim como a melodia, ela era a mesma.  Nunca foi outra. Hoje era apenas resultado de suas escolhas e eram SUAS as escolhas. Pôde de fato decidir e talvez tenha cometido equívocos, mas estes erros não faziam dela alguém diferente.

            Sentia-se acalmar e o abismo em seu peito, o vazio em que vagava, não passava agora de uma sensação distante, como se jamais o tivesse sentido dentro de si. Como se houvesse sido um sonho.

            “Fiz minhas escolhas e não contemplei a felicidade plena, mas sei e sinto que a felicidade não é constante. Quero e preciso viver de outra maneira porque EU faço as escolhas. Escolhi sofrer... Não há culpados além do espelho”.

            O telefone voltou a tocar estridente.
            Ela se levantou, sem sobressaltos agora, e caminhou em direção ao telefone.

            O segundo toque reverberava.
            Ela inspirou profundamente.

            Terceiro toque e este lhe pareceu mais longo.
            Ela olhou para o telefone e ele soou pela quarta vez.

            Olhou agora para a porta a sua frente e sorriu.

            “Faço minhas escolhas...”.






Félix Calvino
Enviado por Félix Calvino em 27/05/2006
Reeditado em 17/07/2007
Código do texto: T163860

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (CALVINO, Felix. "Título do Texto". São Paulo. Disponível em http://www.recantodasletras.com.br/autores/felixcalvino.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Félix Calvino
São Paulo - São Paulo - Brasil, 40 anos
14 textos (2053 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 17:35)
Félix Calvino