Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma mulher, infinitas escolhas.

Belvedere Bruno

Zenaide, com oito meses, a barriga pesando, aguardava a presença de Carlinhos, para que ele, enfim, dissesse se registraria a criança.
Carlinhos era mulherengo. Acomodara-se a uma vida descompromissada. Aos 45 anos, ainda estava na casa da mãe, com a desculpa de cuidar dela. Pura questão de economia. O que Carlinhos queria era que sobrasse dinheiro para suas noitadas, que incluíam carteado, bebidas e mulheres.
No morro, a briga entre facções do tráfico se agravava a cada dia. Zenaide receava sentir as contrações do parto quando a luta tornasse os dias mais difíceis, com ordens vindas das chefias, muitas vezes impedindo o ir e vir dos moradores.
Eis que, numa tarde de domingo, hora de almoço, surgiu Carlinhos, com sua usual camisa estampada e bermudão de duas cores.Trazia duas latinhas de cerveja. Sentou-se numa cadeira da sala e ligou o rádio, no jogo de futebol para acompanhar a transmissão  . Era vascaíno doente, e seu time disputava final de um campeonato.
- E então, vai registrar ou não? - perguntou Zenaide.
- Olha aqui, Zenaide, nem sei se o filho é mesmo meu, pô! e num tô a fim de ouvir reclamação tua. Tu transou com outros antes!
Zenaide não resistiu à provocação e avançou contra ele.
- Filho da puta!
A gritaria chamou a atenção e chegou um grupo.
- Gente, caba cum isso. Cramulhão tá puto.
Carlinhos começou a dormir na casa de Zenaide em dias intercalados, pois não podia deixar a mãe sozinha. Dizia que era questão de compromisso.
Exatamente quinze dias depois, estavam juntos, quando Zenaide começou a sentir que a hora da criança nascer estava chegando. Já tivera três partos, sempre doando as crianças logo que nasciam.
No morro, o clima era de guerra. Cramulhão contra Sete Bocas. Os tiros se entrecruzavam nas subidas e descidas, entravam pelos botecos, pelas casas, e Zenaide a sentir as dores aumentando. Como sair do morro em meio àquele caos? Teve, então, uma idéia.
- Carlinhos, Dona Iracema, a mulher do Pastor é parteira. Já fez dois partos meus. Vai lá e chama ela.
- Sabia que sobrava pra mim... O tiro tá comendo geral. E se algum me pega? Você gosta é de se aproveitá de mim...
Fugindo dos tiros, ele trouxe Dona Iracema e o marido, o Pastor. Dona Iracema entrou no barraco e enquanto ela fazia o parto, do lado de fora do barraco Carlinhos ouvia o Pastor com suas rezas, para que tudo saísse bem. Em alguns minutos Zenaide deu à luz uma menina. O pastor depois a abençoou, impressionando Carlinhos.
Os dias passaram e Zenaide enfim, perguntou a Carlinhos:
- Vai registrar?
Ele começou a andar de um lado para outro. Olhou a menina. Sorriu.
- Acho que vô sim. Acho o olhinho dela igual o meu...

Cinco meses depois, o morro vivia tempos de relativa calma, agora sob a liderança de Cramulhão.
Zenaide, em novo barraco, assistia a uma novela. Das vielas, chegava a gritaria da garotada.
- Ei, cambada! vão gritar mais lá pra baixo. Tô vendo minha novela! - grita para as crianças, irritadíssima.
- Parece que vivo procurando sarna pra me coçar. Ainda bem que deixei a menina direto com Carlinhos. Aquela idéia dele de entrar pra igreja foi uma boa! Tá até querendo virar Pastor. Deixou de tomar cerveja, e nem liga mais pra futebol... pensou Zenaide, voltando à televisão. - Criança só serve pra atrapalhar a vida da gente. Pior que parece que tô novamente. Enjoando, muito sono e há três meses que não vem... – Nem sei o que Cramulhão vai dizer...
belvedere
Enviado por belvedere em 25/06/2006
Reeditado em 12/01/2007
Código do texto: T182069

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
belvedere
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
220 textos (73232 leituras)
5 e-livros (1070 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 18:45)
belvedere

Site do Escritor