Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nem tudo é o que queremos

A hora de levantar aproximava-se. Mais uma noite de tormento chegava ao fim e a sensação de medo já se estava a afastar. Sentia um enorme cansaço por todo o corpo e a cabeça ainda latejava de tanto sonho mal difundido, sentia ainda um latejo do lado esquerdo da cabeça que já se tornava hábito em mim todas as manhãs. Aos poucos o nevoeiro ia-se dissipando de mim e de todo o quarto. Perfazia hoje um mês desde que eu a Inês e o nosso filho Gui nos tínhamos mudado para esta casa em plena Baixa Pombalina, fazia hoje um mês relativo ao aumento que o meu patrão nos despachantes me tinha dado e o novo posto que ocupava na “Salgado e Filhos, SA – Despachantes Oficiais”. Hoje, apesar de mais uma noite mal passada, sentia-me angustiado com a minha vida, tem de existir mais alguma coisa, a vida não pode ser só trabalho e nenhum conhaque, não posso obrigar o meu corpo a ser sempre o mesmo. Todos os dias a mesma cara, a mesma barba, o mesmo cheiro e todas as refeições a horas. O único gostinho que ainda me resta é o meu charrinho todas as manhãs antes do pequeno-almoço o meu esconderijo preferido. A manhã de hoje ia ser diferente, o pequeno-almoço vai ficar em casa, vou sozinho para o trabalho. A Inês é que não ficou nada satisfeita com esta decisão, tinha acordado de propósito para fazer o meu ritual matinal. Nem perguntou porquê, voltou para a cama e enroscou-se no endredon mesmo ao lado do Gui. Encontrava-se pouco motivada desde que teve por obrigação vir para casa, por despedimento, estava a ser difícil encontrar novo emprego e alguém para ficar com o nosso filho dentro das condições que podíamos pagar.
Tentava a todo o custo ganhar à minha consciência e tentar não chegar mais uma vez atrasado ao trabalho. Tentava perceber porque é que algumas pessoas eram evasivas no que dizia respeito à morte e a todo o processo para se chegar lá, que cada vez haviam mais carros na cidade de Lisboa e as obras eram infinitas por toda ela. Mais uma vez o carro não pegou logo à primeira tive que o aquecer, vou começar a andar de transportes, é uma vergonha todos os dias de manhã estar quase meia-hora para conseguir arrancar e com os vizinhos na sua malícia a olhar para mim em vez de virem ajudar. Hoje foi mais um dia desses. Também pensava que só me restavam mais dois charros até logo à noite, bendito jantar de Natal com a malta amiga. O dia estava a custar a passar, tenho de fazer uma pausa para aliviar a cabeça de todos os despachos de queijo ainda fico sem memória. O jantar de logo não me saia da cabeça e o encontro com o Bruno para aliviar a tensão de toda esta vida, é sempre bom ter um amigo Dealer, alguém nos mantenha no subconsciente alguma esperança.
A pausa estava no fim mas também já não pensava em nada, tinha esvaziado a cabeça, bendito Bruno. Em cima da secretária já tinha mais uns despachos para efectuar e mais uma jornada no mundo dos queijos. Dei comigo ao telefone com uma colega da alfândega a falar de flores, que gostava de flores, de correr pelo campo. Ela gostava do cheiro da erva acabada de ser regada e de se deitar nela, de contemplar o céu azul e salpicá-lo de nuvens. Também gostava de sonhar com o doce sol a queimar a sua pele e imaginava-se embalada no aconchego de Deus. Não cheguei como aconteceu aquela conversa e quem é que estava mais pedrado naquela altura, enquanto ela falava uma lágrima escorreu pela minha face, como um cristal de profunda dor, pedi desculpa e desliguei o telefone. A hora da saída chegou em segundos sem que eu tivesse tempo de limpar da cara a lágrima caída ao acaso, fiquei imóvel por uns momentos não tinha percebido o que tinha acabado de acontecer. Senti uma profunda mágoa e as lágrimas não paravam de cair, escondia a cara com vergonha dos meus colegas. Sentia vergonha e saudades do momento que ainda não tinha acabado, sentia inveja de todos os meus colegas que me desejavam boa-noite e de saber que em casa tinham uma outra vida à espera deles, e eu. Apercebi-me que não era inveja mas sim medo de toda a solidão que me esperava em casa mesmo hoje ir estar rodeado de amigos, mas que amigos eram os meus que se alimentavam das minhas necessidades, mas que amigos tinha eu que se aproveitavam do meu desespero? Levantei-me, peguei no casaco e saí sem fechar a porta atrás de mim. Ao chegar ao carro deparei que tinha um pneu furado, o que faz não dar uma moedinha ao pintas, decidi ir a pé para casa e também não era assim tão longe e sempre podia reflectir na minha estranha e básica forma de viver.
Peguei no meu último charro e fui subindo a calçada sempre pensativo, estava a tornar-se um inferno e não fazia sentido todo este tormento hoje. Não fazia sentido este meu pensamento sobre a vida e morte ao mesmo tempo, sei que muitas pessoas passam por estas experiências todos os dias mas eu nunca tinha experimentado todo este luxo de emoções que nem sequer conseguia assimilar, não sei se por incapacidade se por desilusão, se por vontade de desistir. Estava do outro lado do passeio em frente ao prédio onde vivia e já ouvia o barulho que lá se passava. Naquele momento fiquei apático e não sabia se havia de atravessar para a outra margem se ficar naquela insatisfação, sentia um medo forte de morrer naquele momento, um medo de me ver morrer. Sentia-me um psicopata sem rumo e sem vontade de matar, sentia-me manipulado por cordéis que alguém os manobrava e não conseguia libertar-me deles. Apercebi-me que o mundo é feito de todas as nossas emoções de tudo o que lhe quisermos depositar, é feito de sonhos e de desilusões, a esperança não existe por nós mas por ser uma palavra do longo dicionário que é a vida. Com este pensamento atravessei a rua sem olhar, senti um puxão.
Dei comigo a flutuar, a sobrevoar o meu corpo a observar todos os meus amigos à volta da minha carne dos meus ossos, senti-me aliviado. Estava deslumbrado com o que sentia e via, sentia-me recompensado por tudo o que tinha sentido naquele dia por toda a minha vida de sacrifícios. De certa forma sentia um alívio por poder pensar que estava tudo bem. Naquele momento pensei no meu filho e na Inês, imaginei o futuro que lhes esperava, se iriam sofrer ou ser recompensados como eu. Lembrei-me das tardes que passávamos à beira mar, de como éramos felizes e como naqueles instantes o mundo nos parecia um enorme jardim. Algo invadia a minha alma, endireitei-me, sem medos preparei-me para enfrentar a minha nova vida.


Isabel Fontes
Enviado por Isabel Fontes em 19/08/2006
Código do texto: T220324

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Isabel Fontes
Portugal, 41 anos
417 textos (61603 leituras)
9 áudios (676 audições)
3 e-livros (266 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 14:57)
Isabel Fontes