Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lágrimas do Acaso

Lágrimas do Acaso

Meu nome é Jorge Arthur, sou da cidade do Rio de Janeiro e veio por meio desta para vos contar um relato do que aconteceu comigo e provar para vocês como a vida nada mais é do que uma caixinha de  surpresas...
Sou formado em medicina faz sete anos, sou médico cirurgião e atendo a todos os tipos de emergências, sejam elas de dia ou de noite. Em uma destas noites, estava em minha casa com minha esposa a descansar quando o telefone que se encontrava ao lado de minha cama, em uma mesinha de cabeceira cor bege veio a tocar.
Era do hospital, havia duas operações a serem feitas e havia apenas eu “disposto”, era proveniente de um assalto ocorrido em Copacabana onde o criminoso e o homem que havia sido do alvo do mesmo estavam gravemente feridos, o criminoso estava bem mais ferido e encontrava-se quase que em estado terminal, o outro homem estava ferido também, mas não tanto quanto o criminoso...
Quando escolhi ser médico, fiz um juramento sagrado, de que atenderia qualquer que fosse o paciente seja ele pessoa de bem ou não, e ainda neste quesito havia outro juramento, o de atender sempre o que mais precisasse. Que neste caso haveria de ser o bandido.
Lembro-me como se fosse ontem, eram aproximadamente 02h45min da manhã, chovia bastante e o frio era intenso, arrumei-me rapidamente e saí deixando um recado para minha esposa.
Meia hora depois eu chegava ao hospital e fui direto a sala de cirurgias, vestindo-me nos corredores com a roupa apropriada para operação pedi a Deus que me abençoasse e salvasse a vida deste homem por pior que ele fosse...
Após sete horas sai da sala e a operação foi um sucesso, mas havia ainda outra operação, o outro homem que estava ferido. Ainda nos corredores a diretora do hospital veio me informar que o outro homem não havia resistido e infelizmente faleceu.
A consciência me pesou um bocado nesta hora, pois salvei um bandido e deixei morrer um inocente, mal sabia eu que a minha consciência ainda iria pesar muito mais...
Pedi para ver o corpo, andei um pouco mais e fui até a sala onde ele se encontrava, entrei por uma porta branca, observei o quarto todo e o corpo já estava coberto e pronto para ser levado ao necrotério, foi quando senti uma mão me segurando era a diretora do hospital. Ela pediu para que eu não visse quem estava ali, pouco entendi. Ela me puxou para fora da sala, e me contou que aquela pessoa, ou melhor, aquele corpo, era o corpo de meu pai...
Igor Spala
Enviado por Igor Spala em 11/11/2006
Reeditado em 27/08/2008
Código do texto: T288544

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Igor Spala
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
8 textos (363 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 12:40)
Igor Spala