Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um dia para se lembrar

      A chuva caía forte, as ruas estavam vazias, o vento varria tudo o que estava no chão, junto com as águas que caíam do céu tempestuoso.
     Luísa caminhava em direção a lugar nenhum. As lágrimas se confundiam com a água que caia sobre seu rosto. Estava triste e sentia uma dor profunda, uma sensação de perda de rumo, de vazio, e isso a estava consumindo. Tudo o que pensava era como poderia continuar sua vida sem a presença de seu grande amor. As coisas aconteceram de uma forma tão rápida que não teve tempo de compreender. Parecia ontem, o primeiro dia em que viu Marcos a beira da praia. O dia estava tão lindo, parecia a cena de um filme. Os dois se entreolharam e tudo aconteceu. Foi amor a primeira vista. Ela era uma jovem garota. Tinha apenas 19 anos, era linda. Ele era um garoto de 20 anos, adorava ir caminhar na praia e observar o mar.
  Cada vez que se recordava dos momentos que vivenciaram juntos sentia uma dor na alma. Não poderia mais estar ao lado de quem amou verdadeiramente. Ele tinha duas paixões na vida: Luísa e o mar. Ela por sua vez, o amava incondicionalmente.
  Naquela noite, Marcos a pediria em casamento. Ela estava radiante. Passou o dia esperando por ele.
  Marcos preparara uma surpresa a ela. Voltou a ilha em que a levou na primeira vez que se entregaram um ao outro e conheceram a grandeza do amor. Queria lhe dar uma pérola de presente.
  Ao mergulhar no fundo do mar, Marcos bateu a cabeça em uma pedra,desmaiou no momento da batida e acabou se afogando.
  Quando Luísa foi procurar por ele na praia viu os pescadores resgatando o seu corpo.  Ela não acreditou.
  Correu em direção a ele, e o beijou aos prantos. Um pescador que havia conversado horas antes do ocorrido com ele, disse a Luísa que ele tinha ido a ilha buscar-lhe um presente.
 Desde aquele momento, ela caminhava pelas ruas. Não teve coragem de ir ao enterro. Queria que sua última imagem fosse a despedida ao por do sol.
 A chuva diminuíra. Luísa se dirigiu até a praia. Sabia que se estivesse ali se sentiria mais próxima de Marcos, apesar de que em seu íntimo, sabia que o mar o levara para sempre.
Priscila Canedo
Enviado por Priscila Canedo em 18/11/2006
Código do texto: T294820
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Priscila Canedo
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil, 32 anos
66 textos (2938 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 01:03)
Priscila Canedo