Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Pomba

Antes a preocupação era se teria pipoca o suficiente no chão. Aquelas palomitas vinham com o gosto de criança feliz e aquilo era o cotidiano da pomba. O ritmo das cabecinhas vazias bicando a parente remota, branquinha e salgadinha, fazia parte do parque. Um dia, a pomba se quedou manca, a coitada. Não se lembrava como tinha ficado daquele jeito e talvez isso a ajudava a não sentir rancor. Algumas pessoas desconfiavam do porquê da pomba estar agachada. Alguns paravam, outros a assustavam e ela manteve a dignidade dos que sabem que vão morrer. Olhava para o sol, para seus semelhantes, e com isso o tempo passou. A noite foi caindo e a pomba quis dar seu último esforço. Se levantou, deu dois passos e se agachou novamente. Foi nesse compasso que alcançou uma marca de dez metros. Durante sua tragetória até o calvário, uma pomba sã abriu uma das asas e acolheu a enferma. Ainda assim a pomba continuou a dar seus passos, mas estava mais feliz. Afinal, não morreria no chão, sozinha. De dia, a gari varreu aquele corpo rígido e que já não olhava para mais nada.
D Ana
Enviado por D Ana em 02/12/2006
Reeditado em 18/06/2013
Código do texto: T307333
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
D Ana
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil, 30 anos
32 textos (2719 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 08:01)
D Ana