Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RESGATE

Trabalhara até tarde da noite. Estava cansada. Sai da fábrica e vai para casa. Sabe que lá encontrará seu repouso.

Moça pobre vinda do interior do sertão, batalhara muito para conquistar aquele emprego na fábrica, libertando-se da sua triste condição de empregada doméstica sem remuneração, tendo como paga apenas moradia e comida. E ela sabia o quanto era importante melhorar de vida.

Ao deitar-se em sua cama pensa em como era sua vida quando ainda morava no agreste.

Se vê com roupas puídas, pés descalços, mãos lanhadas, rosto sujo.

Lembra de quando era pequena e que a lida na roça era obrigatória a todas as crianças.

Lembra que sempre tinha como companhia Agenor, seu primo mais novo. Menino de tudo, ainda nem sabia falar direito. Órfão de pai e mãe. Fora acolhido por seus pais.

A noite sempre brincavam juntos e isolados das demais crianças. A brincadeira era sempre a mesma; ela era a mãe e ele o filho que sempre se aconchegava em seu colo pedindo-lhe mamar. Cresceram naquela incestuosa brincadeira de mãe, primo, filho, prima, ama de leite, filho, mãe, prima. Amantes... sem saber o serem.

Rudeza grande o agreste, e ela rememora o dia em que foi obrigada a expulsar-se dali para uma vida mais digna.
Lembra-se do dia da partida. Partida no coração. Partida na alma. Deixando Agenor para trás.
Sofrera muito até chegar aonde está hoje.
Seus pensamentos então se voltam para a realidade presente. Conquistara sua dignidade econômica.
Aos poucos o sono a domina. Dorme feliz por ter conseguido conquistar sua casa, seus móveis, seus pertences e Agenor, que depois da morte de seus pais veio morar com ela. Retribuía toda as noites o acalanto que recebera quando pequeno. Embalando-a em seu colo. Sorvendo. Alimentando. Sendo alimentado.
Amantes do agreste urbano.
Cida Martini
Enviado por Cida Martini em 14/08/2005
Reeditado em 16/02/2008
Código do texto: T42571

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cida Martini - www.acordandocomasletras.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cida Martini
São Bernardo do Campo - São Paulo - Brasil, 51 anos
19 textos (1432 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 02:16)
Cida Martini