Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Atraso no Vôo 447

    Eles já estavam um pouco atrasados quando saíram de casa, mas mesmo assim conseguiram chegar a tempo no aeroporto. Era numa sexta-feira de manhã, lá pelas sete e meia. A família Oliveira estava para conhecer esse meio de transporte que eles só viam do chão. O vôo deles era o 447, eles iriam visitar um tio que mora em Buenos Aires. Ricardo, que era o pai, foi fazer o check-in para despachar as bagagens no avião, enquanto isso Lívia, a mãe, estava com Laura, sua filha, vendo as lojas do aeroporto. André estava com a Ângela, a tia, numa livraria comprando umas revistas para ler durante a viagem. André que tinha doze anos procurava pelos gibis e Ângela olhava as revistas que mostrava as ultimas tendências da moda. Depois de ter despachado as bagagens, Ricardo foi procurar pelo resto da família, ele olha para os lados e vê sua esposa e sua filha numa relojoaria que parecia ser bem cara. Laura insistia por um relógio que ela achou o mais lindo que ela já viu, sua mãe estava quase comprando, mas Ricardo interviu perguntando o preço ao vendedor:
_ Quanto custa esse relógio que minha filha está olhando?
_ Ele custa cento e cinqüenta reais.
_ Nem pensar Laurinha, vamos embora.
_ A pai, por favor, compra!
_ Está maluca menina? Eu não sou louco de gastar cento e cinqüenta num relógio, ainda mais numa loja de aeroporto. Vai, vamos embora que o nosso vôo vai sair.
Ricardo puxa Laura pelo braço e sai a procura de André e Ângela que ainda estão na livraria. Ricardo vê André de relance numa livraria e resolve entrar, quando vê André que está comprando seis gibis, Ricardo pergunta:
_ Para quem são esses gibis?
_ Para eu ler na viagem.
_ Você não vai conseguir ler nem dois, imagine seis, pode devolver e pegar só três.
_ Não vale pai, porque só ele pode comprar e eu não? – pergunta Laura quase aos choros.
_ A diferença é que isso são gibis que devem custar dois reais cada um e você quer um relógio que custa mais de cem. Entendeu a diferença?
_ Entendi, mas esses gibis não custam dois reais cada um e sim seis reais.
_ O quê?
_ Basta olhar pro monitor da vendedora que já passou os seis.
_ André, eu te disse pra pegar apenas três!
_ A pai, essa é a coleção completa do meu super-herói, não tem em nenhum outro lugar. E tem um desconto aqui, em vez de ser quarenta e dois reais, será quarenta.
_ Nossa que desconto enorme.
A mulher do caixa já não agüentava mais ver aquela cena do pai brigando com os dois filhos e perguntou se ele iria levar as revistas, quando chega Ângela com duas revistas, que ainda pediu para que Ricardo pagasse e ela o pagaria depois.
_ Eu não acredito nessas coisas.
Ricardo pagou tudo e foi embora bravo. Agora todos já estão juntos e irão olhar que hora sairá o vôo, quando vêem que o vôo está para sair em meia-hora eles começam a correr, quando André faz a seguinte pergunta para o pai já estressado.
_ Pai, posso ir ao banheiro?
_ Vai logo, o que está esperando?
_ É que eu vou fazer outra coisa mais demorada.
_ Por que você não fez em casa?
_ Porque eu não estava com vontade.
_ O que você comeu?
_ Pão com ovo mexido que a mãe fez.
_ E Lívia, onde já se viu dar ovo para um menino que tem o intestino frouxo, não segura nada a barriga desse menino.
Ricardo foi junto com André ao banheiro para que depois ele não saia e se perca, enquanto as outras iriam a direção ao embarque. André demorou uns quinze minutos e Ricardo estava do lado de fora olhando as pessoas passarem, mas quando passou uma mulher muito bonita ele não tirou os olhos e ela percebeu que ela estava sendo olhada e resolveu conversar um pouco com ele.
_ O senhor sabe onde eu devo despachar as bagagens?
_ A senhora deve seguir direto nesse saguão, e depois a senhora verá as companhias.
_ Eu não conheço muito bem aqui, será que o senhor pode me acompanhar?
_ Claro que sim. A senhora está indo para onde?
_ Para Cancun e você?
_ Vou para Buenos Aires. Alguém está te esperando lá?
_ Não. Eu vou sozinha e vou ficar sozinha. Não é triste isso?
_ Muito.
     Enquanto Ricardo conversava com a bonitona, o seu filho André tinha saído do banheiro e quando não viu o seu pai lhe esperando, começou a andar sem rumo pelo aeroporto. Lívia, Laura e Ângela foram chamadas para ficarem na fila do embarque e elas estranharam que eles ainda não chegavam, já tinha dado quinze minutos que eles saíram e faltava dez para o embarque. Porém Ricardo tinha esquecido completamente da sua família e só se lembrou quando ela perguntou.
_ O senhor tem família ou está sozinho que nem eu?
_ Acabei de me lembrar que eu tenho uma família e que eu tenho que buscar meu filho que está no banheiro e espero que ele esteja lá mesmo.
  _ Dá próxima vez esteja sozinho, assim poderemos viajar só nós dois.
  _ Quem sabe, mas eu vou embora. Qual o seu nome?
  _ Toma aqui meu cartão.
Ricardo pegou o cartão e saiu correndo em direção a fila do embarque, ele vê a mulher e a filha, mas não vê o filho, dá meia volta e sai pra procurar o filho que nessa hora deve estar bem perdido. Anda para todos os lados, de repente ele o acha, mas a cunhada acha primeiro e o leva pela mão de volta para a fila. Agora Ricardo está em maus lençóis, perdeu o filho, falou com quem não devia e ainda por cima perde o filho para a cunhada. Ricardo olha para a tabela de vôos e para sua sorte o seu vôo atrasou dez minutos e agora ele poderá voltar para a fila com uma boa desculpa para contar.
Ele chega na fila e vê que Lívia não está na fila e pergunta a Laura onde sua mãe está. Laura aponta com o dedo e aponta para a sua mãe conversando com a mesma mulher com quem Ricardo acabou de falar. Ricardo pergunta quem a mulher com quem a mamãe está conversando e ninguém responde, ele então resolve ler o cartão que recebeu, nele estava escrito: “Patrícia Carvalho” e o nome do escritório de consultoria que por coincidência é o mesmo que sua mulher trabalha. Agora sim, ele estava em maus lençóis. Logo Lívia voltou e perguntou por Ricardo andava e ele dizia que tinha ido tomar um café e quando voltou André já tinha saído, Lívia nem questionou e eles continuaram na fila e na fila ao lado estava Patrícia que lhe deu uma piscada. Ele ficou todo feliz, até pensou que aquela piscada significava que ela não tinha contado nada sobre o homem com quem ela falou. O vôo finalmente foi chamado e eles entraram no avião.
A viagem estava muito tranqüila, as crianças estavam dormindo, a Ângela lendo as revistas e Ricardo estava apenas de olhos fechados e respirando tranqüilo, pois tudo tinha saído bem, contou uma mentirinha e Lívia acreditou, ele até estranhou que ela tinha acreditado. Lívia lia também uma revista que Ângela tinha comprado quando começou a comentar sobre a mulher com quem ela conversava antes dele chegar, isso quer dizer que elas poderiam ter falado sobre o homem com quem Patrícia conversou. Lívia disse que aquela era a chefe dela e elas eram muito amigas, Lívia queria mostrar o cartão novo que Patrícia tinha feito, só que tinha acabado. Lívia disse também que ela tinha dado a um homem que ela conheceu e ele estava sozinho, Ricardo ouvia aquilo certo de que ela já sabia o que tinha ocorrido, mas Lívia continuou e disse que ela tinha conhecido o cara no café e Lívia ainda perguntou.
_ Onde foi mesmo que você tinha ido enquanto André estava no banheiro?
_ Eu já te disse, eu estava perto do banheiro quando um senhor me perguntou onde era o embarque de tal companhia e era a mesma que a nossa, então eu o acompanhei, o senhor era de idade e parecia estar perdido, foi ai que eu desencontrei com o André.
_ Pensei que tinha ouvido que você estava no café, mas já que você esta dizendo que foi levar a mulher, quer dizer o homem.
_ Eu levei o homem e depois parei pra tomar um café.
_ Ah entendi. Mas espera porque eu acabei de me lembrar, a Patrícia não encontrou o homem no café e sim na porta do banheiro, você me disse do café e acabei me confundindo. Mas deixa pra lá, você falou com um homem que tem um cartão parecido com a da minha chefa. Esse homem então estava disfarçado de mulher então, porque onde já se viu um homem com nome de Patrícia. Ricardo foi jogado contra a parede e disse que tinha achado isso no chão e achou bonito o cartão, mas ele perguntou:
_ Como você tem esse cartão, se esse era o ultimo?
_ É que alguém que anda com a cara para o chão, deixou cair e como ele é bonito também resolvi pegar.
Depois daquilo, eles pararam um pouco de conversar e Ricardo percebendo que ela estava virada para outro lado, resolveu procurar no seu bolso o cartão e ainda por cima o acha, nesse instante Lívia virou e pegou com o cartão na mão e exclamou.
_ Nossa você também tem o cartão! Que legal! Agora me tira uma duvida a Patrícia estava indo para Cancun ou para o Caribe? È porque eu estou pensando em ir com ela, já que você não quis ir, eu quero. Seja onde for, estou precisando de umas férias decentes com a minha amiga, fiquei sabendo que lá tem muito homem bonito.
Ricardo virou a cara para o lado e não falou mais nada depois daquilo.

14/10/2002
Miguel Rodrigues
Enviado por Miguel Rodrigues em 31/08/2005
Código do texto: T46552
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Rodrigues
Barueri - São Paulo - Brasil, 33 anos
1434 textos (42683 leituras)
6 e-livros (1681 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 07:01)
Miguel Rodrigues