Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Alguém viu corujinhos lindos?



A Coruja Madalena voava pesadamente, a custo.
Mas tinha tanta fome, que não podia descuidar-se; ratinhos, besouros e outros, não escapavam ao seu olhar aguçado e em menos de um segundo já escorregavam para o papo.
Achara um tronco oco e nele compusera o quarto: raminhos pequenos, folhas e um tapete fofinho com as penas arrancadas do próprio peito.
Uma noite recolheu-se e os bichos pequenos do bosque respiraram de alívio:
- Viram a coruja Madalena?
Ninguém a vira… portanto viva, que deve estar morta!
Talvez a tivesse comido a Lina raposa!
Mas Lina andava triste e lazarenta, de focinho baixo, deitando a eito o dente a tudo quanto lhe iludisse a fome e lhe permitisse cobrir o esqueleto, que aparecia por baixo do pelo ruivo, outrora tão lustroso.

Os tempos eram de crise: o fogo devorara tudo e as ilhas ralas onde os sobreviventes se aglomeravam eram secas, tristes e amarelas.
Nem as silveiras deram amoras. Os casais de pássaros encolhiam as tristes asas e nem se deram ao trabalho de fazer ninhos.

Mas a coruja Madalena, era muito sábia… e agiu como sempre fizera porque “não há mal que sempre dure”

Meia adormecida, febril e sonolenta, chocava com desvelos os três ovos, que ia voltando.

Era longa a espera e maior a ânsia. Já escutava o pio-pio que soava lá dentro e lhe fazia dilatar de amor o coração.
Por fim, um a um foram rompendo a casca do ovo, ela delicadamente ajudando, embevecida perante os três filhotes nus, desajeitados, com grandes manchas escuras de cada lado da cabeça, aonde os olhos imensos esperavam ver a luz a seu tempo.
A cabeça enorme e desajeitada encimava um longo e magro pescoço.
O bico enorme e amarelo quase nunca se fechava, era um poço de reclamações.
E a Coruja Madalena, ia e vinha, agora leve porque magrinha, em busca de ratos e insectos, com os holofotes amarelos varando a noite e o dia, que descanso não tinha.
Para os bichos pequenos, desvendara-se o mistério e voltara o pesadelo.
A raposa Lina, que passava o tempo enroscada, agarrada à barriga dorida e vazia, via passar a coruja e cogitava… muito quieta, segui-lhe os voos… onde teria escondido os filhotes, aquela sortuda coruja, que ostentava prosperidade no meio de tanta desgraça?!

Passinho a passinho, foi-se aproximando… passinho a passinho, orelhas arrebitadas e nariz pontiagudo ao alto, foi-se abeirando do toco; no toco viu o buraco.
Enroscou-se de tocaia.
A coruja Madalena, mal saía, logo entrava: eram as presas pequenas e mirradas, num instante as abichavam as crias, já grandinhas, envoltas em pluminhas brancas, como babygrows de algodão.
Ah, que lindos os meus filhos – pensava Madalena!
E a raposa babava, imaginando a iguaria… quantos corujos haveria? Até sonhava com o instante de lhes enfiar o dente na carne tenra…
Saiu à caça mais uma vez a coruja Madalena e a raposa Lina, trepou pelo tronco acima, meteu o focinho no buraco e de uma só vez – traz!
Desceu correndo, que o bico de alicate da coruja era tremendo!

Madalena chega, com uma lagartixa ainda a debater-se, imaginando a alegria com que seria recebida.
Mas… tudo em silencio, tudo escuro… nada dos bicos abertos ao cimo dos pescoços depenados dos filhotes de babygrows brancos!
Uma dor imensa quase a ia matado!
Abriu o bico de espanto e a lagartixa correu …pernas para que vos quero?!

Chorando alto na noite de mau agouro, a coruja Madalena, gritava no ramo:
- Alguém viu por aí três corujinhos, muito lindos?
A lua tapou a face com uma nuvem e sorriu à socapa.
As estrelas piscaram os olhos.
Os bichos pequenos, por esta altura dormiam a sono solto, tranquilos.
A raposa Lina rebolava-se na poeira, consolada pela primeira vez desde há muito tempo de miséria.



2/10/2005




Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 02/10/2005
Código do texto: T55751
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Maria Petronilho
Almada - Setúbal - Portugal, 64 anos
1238 textos (130533 leituras)
60 áudios (14347 audições)
9 e-livros (5156 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 02:24)
Maria Petronilho

Site do Escritor