Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Relógio

Menina pobre, moradora em Irajá, suburbio do Rio de Janeiro, frequentava  a Escola Pública do bairro, era estudiosa e  tinha muitas amigas,  entre elas, uma em  especial : chamava-se Sônia. Filha de família de classe média mas  que  também frequentava a escola do bairrro -  porque naquela época, idos de 1960,  a escola particular era apenas para repententes, expulsos da escola pública e etc. – A menina dedicava um carinho especial a Sõnia, estavam sempre juntas, faziam as tarefas de casa geralmente na casa dela, pois sendo pobre não tinha como receber sua amiga em casa e além do mais,  na casa de Sõnia sempre tinha um lanchinho especial à tarde e podiam assistir TV  após a execução das tarefas.
A mãe de Sónia sabia da condição de  vida inferior e  difícil que a menina levava mas não fazia ressalvas àquela amizade, por isso,  quase todos os dias a menina passava as tardes brincando com Sônia.
Um belo dia, a menina estava em casa com sua mãe e seus irmãos quando o pai de Sõnia chega e chama por ela. Quando ela aparece na porta  ele pergunta:

- Onde está o relógio de pulso? –

A menina assustada e sem entender nada, diz:

- Que relógio? Não sei do que o Senhor está falando!  –

Sem nenhum respeito pela mãe da menina ele  pega a criança  pelo braço e diz:

- Você tem um dia  para pensar no que  fez e devolver o relógio e  após esse prazo vou denunciar à policia. –

Dizendo isso foi embora deixando a menina chorando e sem entender nada.

Todos ficaram assustados e a encostaram  na parede para que ela confessasse que tinha pego o relógio, tamanha era a certeza do pai de Sõnia que tinha sido ela. A pobre  só fazia chorar e repetir que não tinha visto e nem pego relógio nenhum.

Passaram-se alguns dias sem que o pai de Sônia retornasse, todos ficaram sem entender o motivo daquele  silêncio. Sônia, por sua vez, seguindo orientações de seus Pais, tinha deixado de falar com a amiga. Sua professôra percebendo que as duas não estavam mais se falando resolveu perguntar o que tinha ocorrido. Então, a menina contou tudo para a  Professôra que  após ouvir o relato resolveu intervir. Foi até a casa de Sônia conversar com seus Pais e para sua surpresa foi informada que o relógio tinha sido encontrado após uma faxina na sala, o mesmo havia caído atrás de um móvel. Indignada com a falta de sensibilidade da família que após encontrar o relógio não  voltou  à casa da menina para se desculpar, a Professora vai com a menina até a sua casa  e conta o ocorrido.
Moral da história:

“ A pobreza não é digna de consideração e é a primeira a ser culpada em quaquer situação ilícita.”



 


Audinayde Rios
Enviado por Audinayde Rios em 13/10/2005
Código do texto: T59337
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Audinayde Rios
Recife - Pernambuco - Brasil
4 textos (817 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 20:14)