Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Selvagem urbano

Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos...

...O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.
O bicho, meu Deus, era um homem.
Manuel Bandeira
___________________________________

Eram seis horas da manhã quando ele chegou no aterro. Movia-se em passos lentos e descompassados que com dificuldade levava um corpo franzino e maltratado pela desnutrição e violência sofridas nas ruas. Em seu semblante observava-se facilmente a dor e o sofrimento acumulados pelos dias, meses e anos solitários vividos no submundo das ruas. Sempre fora solitário. Não se lembra direito quando deixara o leito familiar – caso o tenha tido – ou o nome daqueles que o abandonaram. Apenas carregava em sua memória as imagens de agressão e violência que sofrera tantas vezes em épocas pretéritas. Apenas a lembrança de uma mulher correndo pelos montes do aterro deixando-o para trás sozinho e desamparado.
Desde este dia já esquecido no tempo, aquela criatura tem o mesmo destino: O Aterro Municipal. Onde se mistura aos demais rejeitos da Sociedade. Tornara uma única massa junto a entulhos, lixo orgânico, poluição e segredos escondidos em sacos lacrados.
E ali vasculhou o monte jogado por um caminhão como um soldado perdido na guerra vasculha o mato pela sobrevivência. Rasgou sacos com papel higiênico e absorventes, cortou-se em cacos de vidro, encontrou cascas de frutas em putrefação e o mal cheiro nem o incomodava. Até que encontrou um pão bolorento e molhado de chorume. O banquete estava armado. Sem observar as condições daquilo, devorou sua refeição derradeira como os bandidos do corredor da morte. Num único movimento ingeriu tudo quase sem mastigar – com os parcos dentes que lhe restaram – engoliu o pão bolorento com um triunfo de gozo noturno. Enfim, adormeceu e foi percebido pela nossa sociedade.
Vai para o jornal ser manchete num pequeno texto ao fundo das denúncias de corrupção: “Homem é encontrado morto em aterro”.
Paulo Marques
Enviado por Paulo Marques em 24/08/2007
Código do texto: T622447
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Marques
Goiânia - Goiás - Brasil, 35 anos
50 textos (19812 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 05:47)
Paulo Marques