Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A vingança

O dia amanheceu sereno, nuvens mescladas de rosa se sucediam num céu de azul claro. Pelas ruas antigas Bertha caminha em direção ao trabalho. Todos os dias a rotina é a mesma, descer do ônibus correndo, atravessar a praça, repleta de mendigos sem tempo de olhar, os rostos anônimos, como o dela e que como ela, caminham sem nada ver, perderam os sonhos... com eles a capacidade de se emocionar, de desejar um mundo melhor . Os jornais exibem folhas sangrentas de tragédia e desamor, e as pessoas se acotovelam para ler os crimes que são contados em letras enormes e fotos escabrosas...
No bar um garçom sonolento atende os fregueses de má vontade, pede um café pingado e um pão com manteiga, que mastiga por pura rotina, joga o dinheiro sobre o balcão encardido e sai apressadamente para não bater o ponto atrasada. A gerente já está tentando abrir a porta da loja, nem lhe deseja um bom dia e olha pra ela, com o desprezo que fita todos os subalternos, Bertha não se altera, já se acostumou a ver aquela velhota magra, parecendo mais uma tábua de passar, humilhando as pessoas, tentando descontar nos mais simples suas frustrações... Como deve ser triste se olhar no espelho e só visualizar ressentimento e amargura, pensa, e só consegue ter pena, acha que dona Mafalda, maltrata todo mundo, porque nunca deve ter sido amada... Sem uma palavra Bertha ajuda a levantar a porta enquanto o rapaz que faz entregas vai tirando as coisas do caminho para que possam entrar na loja as escuras, ali parece que sempre é noite... Aos pouco vão arrumando as caixas colocando nas bancas de ofertas roupas sem atrativos, saldão, como falam na gíria. Dona Mafalda começa a conferir o caixa do dia anterior... Daqui a pouco vai chamá-la, para que faça os cálculos mais difíceis, pois sempre se atrapalha e fica achando que alguém a roubou, não confia em ninguém... - Berthaaa, venha aqui. Ela grita. – Já estou indo, - responde ao mesmo tempo em que pensa, ela jamais agradece ou pede, por favor. Aproxima-se e sente-se enjoada com cheiro de cigarro que exala daquela pele seca, parecendo um pergaminho. Até o perfume se torna desagradável ao contato com o odor provocado pela nicotina... Refaz as contas e mostra para chefe que o caixa está certo. Aliviada a megera se prepara para infernizar a moça da limpeza, passa os dedos nos balcões e diz que estão imundos que deve ter meses que não são limpos; paciente, Dasdores, limpa tudo com álcool. Antes de terminar a velhota já está berrando do banheiro – Isto aqui parece privada pública, ninguém agüenta, anda logo, vem limpar este vaso. A moça pega um balde e um pano e vai ao encontro da gerente que por sua vez já  está no terceiro cigarro. Logo esquece da limpeza como uma criança mimada que tem muitos brinquedos e por isso logo se cansa. Olha o relógio e pergunta - onde está Francesca?- Bertha responde: - ainda não chegou o trânsito hoje não está muito bom. – Você já esta desculpando aquela sonsa, ela deve ter ficado na farra até tarde, depois vem com a desculpa esfarrapada que o trânsito está difícil. Mentira ela não gosta é de trabalhar... – Dona Mafalda ela mora longe e ainda tem de deixar a filha na creche. – Pois acorde mais cedo, não tenho culpa se ela não pensou antes de se encher de filhos. E é capaz de arranjar mais, você duvida? – Bertha finge que não está ouvindo. Sabe que no fundo a gerente inveja a loura alta e esguia que não faria feio numa passarela. Cinco minutos depois Francesca entra, pedindo desculpas pelo atraso. A gerente começa a esbravejar como se a moça tivesse se atrasado, por horas. - Dona Mafalda eu parei pra tomar um café no bar, pois não deu tempo de fazê-lo em casa. – Claro fica dormindo até tarde, parece até que é a patroa.  – Francesca vai em direção ao quartinho para trocar de roupa e ainda ouve os impropérios da gerente...
Minutos depois volta, dir-se-ia ser outra pessoa... Os longos cabelos presos, sem pintura e um jaleco que deixaria sem curvas qualquer mulher. È assim que tem de trabalhar, ordens da gerente... Francesca só agüenta porque tem que sustentar a filha e como ganha por comissão consegue ter um salário melhor, que o salário mínimo, que a maioria das lojas lhe pagaria. Desanimada vai para frente da loja e fica esperando os clientes.
Bertha disfarça e se aproxima da amiga. – Francis, toma cuidado, qualquer dia a maluca coloca você na rua. Você não sabe que ela gosta que os funcionários cheguem quinze minutos antes? – Eu sei Bertha, mas, teve um acidente feio na Avenida Brasil não tive como chegar antes. – Bertha já estava se afastando da amiga quando ouviu o grito da velha – Berthaaaaaaaaa deixou o caixa sozinho, ta querendo ser roubada. – Já estou indo dona Mafalda, vim pegar a correspondência... A moça pega as cartas que estão no escaninho e vai levar no pequeno escritório onde a fera fica fingindo que trabalha... o cheiro de cigarro junto com o odor do incenso lhe embrulha o estomago, ela entrega a correspondência e já vai saindo mas a gerente manda que ela volte. Bertha suspira buscando um pouco de paciência, não gosta de ficar ali. O escritório da megera é cheio de objetos esotéricos, são pedras, bruxos, gnomos, coisas para dar sorte, Bertha respeita muito estas coisas, mas sabe que ali não existe conhecimento e sim superstição. – a senhora quer mais alguma coisa? – Quero saber quando chegou essa carta? – Bertha olha o envelope com as cores dos Estados Unidos que a Dona Mafalda quase esfrega em seu rosto... – Eu acho que deve ter sido no sábado, pois entrego a correspondência a senhora todos os dias. – O correio então atrasou? Perguntou a velha, e continuou o interrogatório... Porque esta carta deveria ter sido entregue na sexta-feira, falou controlando a irritação, e eu não recebi, posso saber por quê? Bertha ficou sem saber o que responder. Dona Mafalda começou a gritar - Seu Moisés chegou no sábado e pode vir aqui a qualquer momento e eu não vou ter tempo de mandar vocês fazerem uma faxina caprichada. Anda, chama os outros temos de dar um jeito antes que os patrões cheguem por aqui. – Bertha saiu às pressas e foi chamar os outros funcionários enquanto a gerente andava e vociferava como uma fera enjaulada. Dava pena ver os funcionários todos nervosos diante do acontecido. Como um general numa batalha a velha dava ordens enquanto fumava um cigarro atrás do outro... Estoques saiam dos armários, balcões eram arrastados, o sabão formava bolas coloridas pelo chão. No meio de toda esta confusão surge um rapaz e fica olhando as vitrines... Francesca talvez pelo hábito de vender larga a vassoura e vai atender o possível freguês... Dona Mafalda tem uma crise... - Já está fugindo do trabalho, sua preguiçosa, não serve pra nada mesmo, numa hora dessas em vez de ajudar você larga tudo e nos deixa sozinhos com tudo o que temos para fazer... Francis fica vermelha de vergonha, pega a vassoura e volta esfregar o chão. A velha se dirige ao rapaz. – O senhor não viu que a porta está meio arriada, se o senhor não sabe isto significa que ainda não estamos atendendo. – O rapaz fica sem jeito e pede desculpas. Dona Mafalda repara melhor e observa na camisa de seda e nos sapatos de couro italiano, e sorri mostrando uns dentes amarelados pela nicotina.  Não precisa se desculpar é que esta vendedora não é mole, chega atrasada e sempre arranja uma desculpa para não pegar no pesado. O rapaz sorri sem jeito, no entanto não deixa de olhar a bela mulher que advinha está escondida naquelas roupas ridículas, que lava o chão sem levantar os olhos... – Não se preocupe eu vou dar uma volta enquanto a loja não abre. – No geral abrimos mais cedo é que hoje o patrão deve vir por aqui, pois voltou dos Estados Unidos no sábado e ninguém me avisou, acho até que de propósito, falou alto para que Bertha ouvisse, são todos uns incompetentes se eu fosse a dona mandava todos embora, onde já se viu esconder da gerente uma coisa tão importante. Sabe o que é confiam na bondade, ou melhor, na falta de pulso do patrão que pouco está ligando para isso aqui. Fica viajando, conhecendo o mundo e deixa tudo nas minhas costas. É, mas como é o dono não posso fazer nada...  - E acendeu um cigarro. O rapaz se afastou, mas antes deu uma olhada para Francis... E ainda pode ouvir a velha aterrorizando os outros funcionários.
Já passava das onze horas quando o rapaz voltou desta vez acompanhado, de outro mais velho, mas igualmente elegante. Francis sorriu perguntando se podia ajudá-los e Bertha que estava voltando do Banco, reconheceu de imediato o Seu Moisés. Correu para avisar a dona Mafalda que saiu às pressas ao encontro do patrão e quase caiu ao tropeçar  num cesto de ofertas.O rapaz disfarçou o riso e fingiu olhar as vitrines..
Dona Mafalda seguiu o seu Moisés até o escritório, enquanto o rapaz conversava com Francis. O caixa ficava logo abaixo do pequeno escritório e Bertha não pode deixar de ouvir Seu Moisés reclamando do estado da loja - . As vitrines estão horríveis e dentro da loja não existe iluminação. O  que está acontecendo que em apenas um ano a loja ficou com aspecto de quitanda. -  Perguntou pelo antigo vitrinista, rapaz cheio de idéias que deixava a loja com ares jovem e ousado. Dona Mafalda respondu que estava muito dispendioso e por isso o dispensara. – Seu Moisés perdeu o controle. Quem é a senhora para dispensar meus funcionários? Matheus era um excelente vitrinista e filho de um grande amigo a senhora não tinha este direito. E por que minhas vendedoras estão vestidas como solteironas do século passado? A senhora não sabe que a graça das moças é essencial num ambiente de vendas. Não reconheci nem mesmo a Bertha sempre tão elegante agora metida num jaleco horroroso. Aqui não é um convento de freiras, esbravejou. - Bertha ouvia tudo e no fundo estava gostando de ouvir dona Mafalda provando do mesmo veneno que dava aos outros... Sorrindo Francis nem se dava conta do que estava ocorrendo só tinha olhos para o rapaz educado que lhe fazia elogios... Acostumada a ouvir galanteios vulgares estava encantada com os modos do cliente. Só se assustou quando Bertha se aproximou pedindo licença e falando que o Sr. Moisés o chamava ao escritório... E só então descobriu que Luciano era o filho do Seu Moisés que vivia com a mãe nos Estados Unidos... Quando dona Mafalda viu o rapaz entrar quase desmaiou lembrando das coisas que falara pela manhã... Luciano sorriu vendo o espanto da gerente, mas procurou acalmá-la dando a entender que nada falara ao pai sobre o encontro da manhã... Logo depois saíram e seu Moisés falou que faria algumas alterações no quadro de funcionários... Luciano ao se despedir de Francis notou que a moça tinha perdido a espontaneidade. – Voltaremos a nos ver pode ter certeza, ele falou.
No outro dia Francis recebeu flores do campo, no cartão a assinatura de Luciano.
Bertha era única que sabia do assédio do rapaz. Francis tinha medo de perder o emprego. Dois dias depois mais flores, agora com o convite para um almoço. Que ela recusou. Na sexta feira ele apareceu com o pai e a moça ficou sem graça quando ele ao invés de acompanhá-lo ficou no balcão puxando assunto com ela. Ele voltou a convidá-la para almoçarem juntos mas ela deu uma desculpa. O rapaz pareceu desapontado.
Depois da visita do Seu Moisés, Dona Mafalda controlou um pouco o gênio ruim talvez por medo de ser descoberta... E Francis não sem uma pontinha de dor não recebeu mais flores ou convites... Parecia que tudo voltava ao normal. Quinze dias depois ele voltou com o mesmo sorriso sedutor e Francis não pode deixar de pensar que seria bom se ele não fosse rico assim ela poderia dar uma oportunidade a si mesma de ser feliz. – Francis agora você não terá como recusar você vai almoçar comigo amanhã durante o expediente, mas não se preocupe que a Bertha e meu pai também irão. Sem desculpas desta vez... A moça não soube o que responder até porque o Seu Moisés entrara e foram os dois para o escritório falar com Dona Mafalda.
Ao irem embora Luciano voltou a falar no almoço, Francis já falamos com Dona Mafalda para ela dispensar você e Bertha para almoçarem conosco amanhã.
 No dia seguinte as duas saíram mais cedo para o almoço e dona Mafalda teve que ficar no caixa, estava roxa de inveja... Até o último momento ficou recomendando que elas evitassem falar nos problemas da loja com o patrão. Na verdade estava morrendo de medo do patrão descobrir o tratamento que dava aos funcionários...
O almoço foi tranqüilo apesar dos olhares insistentes que Luciano lançava a Francis. Seu Moisés fez perguntas objetivas e descobriu que colocar dona Mafalda na gerência foi um erro, mesmo sem Bertha abrir o bico... Luciano fez Francis prometer que sairia com ele na tarde do próximo sábado. Saíram e ela descobriu que ele era muito simples que perdera a mãe há um ano atrás, fora por isso que seu Moisés viajara, queria ficar junto do filho... afinal eles sempre se deram bem e o filho só morara com a mãe porque na época acharam melhor para sua educação. Ela também contou que tinha uma filha e que por isso parara a faculdade mas assim que a menina estivesse maiorzinha ela voltaria a estudar. O rapaz falara que a admirava e que de certa forma ela parecia ser uma mulher forte como fora sua mãe. Não demorou para que entendessem que estavam se apaixonando. Outros encontros se deram e Luciano resolveu falar com o pai sobre o que estava se passando. Ultimamente seu Moisés andava cheio de planos sobre a loja e um deles era colocar a Bertha na gerência e transferir dona Mafalda para loja de Madureira. Seu Moisés ficou feliz com a escolha do filho, preferia uma moça simples a alguma patricinha... Meses depois numa pequena loja em Madureira o carteiro entregou um convite para dona Mafalda.

Moisés de Castro e Angelina Dias,
Convidam para o casamento de seus filhos
Luciano e Francesca

A megera quase enfartou de raiva pensando que perdera a gerêrencia, para aquela falsa, da Bertha e agora aquela loura odiosa seria sua patroa.


jacydenatal
25/08/2007
 
jacydenatal
Enviado por jacydenatal em 26/08/2007
Reeditado em 15/09/2009
Código do texto: T625292

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
jacydenatal
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 10 anos
96 textos (4884 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 15:20)
jacydenatal