Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Parábola salvadora

               

Os homens tornaram-se mais sábios, obtiveram grandes avanços na resolução da imensidão dos problemas, mas as verdadeiras respostas e as importantes soluções, estão ali naquele livro sagrado!...

Padre Elias e Pastor Renaut, sentados no banco da praça, conversavam, os dois homens, conforme opiniões de muitos, não tinham nada em comum, apesar de serem cristãos, as duas religiões muito se divergem. Mas contrariando alguns e agradando a outros, eles eram amigos, esqueciam as divergências e praticavam o que realmente deveria ser entre os homens, a amizade fraterna, o amor pedido por nosso Senhor Jesus Cristo.
A conversa se estendia interminável entre os dois religiosos, preocupados com a vida, principalmente dos seres humanos e também de todo sistema regente no universo. Preocupados com a pobreza alarmante tanto a monetária, como também a moral que parece cair vertiginosamente, esses agravantes ocasionando grandes desequilíbrios em toda camada social em todo nosso globo terrestre.
Os dois reconheciam, que a ciência avançou muito de algumas décadas até aqui, possibilitando um avanço esplendoroso na tecnologia e uma grande mexida em tudo, como na área da genética, contribuindo para curar várias doenças que outrora seria impossível, mas essa mexida também pode ocasionar uma desestruturação desenfreada na formação dos seres. As grandes preocupações do momento com os problemas acumulados da vida moderna,ainda poderia procurar refúgio no livro sagrado, a Bíblia, servindo até como cartilha do modo de viver, apesar de existir as sofisticadas e mirabolantes técnicas da ciência moderna... comentavam também, como poderia haver uma convivência harmoniosa entre a ciência e a religião. Quando se falou em religião, os dois tiveram os mesmos pensamentos, no mesmo instante: a harmonia era difícil existir na diversidade de religiões, até mesmo dentro de cada igreja.
Então Pastor Renaut diz:
--- Padre Elias, é melhor nós interrompermos este assunto porque nossa mente poderá se fundir, gostaria de dialogar sobre vária coisas, por exemplo: quais os caminhos da Igreja Católica na direção do novo Papa, Bento XVI, particularmente tenho admiração por ele, pela firme determinação de ser contra vários avanços modernos que muitos acham importante implantar na Igreja, mas tenho medo de seu radicalismo, pela sua afirmação, de que tirando a religião católica, todas as outras são deficientes. Pode ser uma ducha de água fria nos avanços das conversações para uniões de muitas pessoas, que tanto eu e você almejamos. Mas, deixa para lá, queria saber como vai sua paróquia, tua convivência com seu rebanho, sei que és um grande consolador de almas, elas te procuram, algumas até mesmo em grande desespero, fico feliz pelo seu grande zelo apostólico, me diz um pouco de sua vida.
--- Comentando o seu ponto de vista, Pastor Renaut, eu afirmo também preocupar com algumas mudanças na minha igreja, porque se não houver entendimento entre aqueles que se denominam cristãos, o quê seria da união com os outros? Mas, tenho muita confiança neste novo Papa, porque pelo menos para os católicos, os que o elegeram, tiveram a inspiração do Espírito Santo. Quanto àquela sua afirmação das deficiências das outras religiões, foi antes dele ser nomeado. Como Pontífice declarou: para fazer a vontade do Senhor, iria até contra alguns dos seus pontos de vista. Ele possui uma bondade imensa, muita inteligência e grande capacidade de discernimento, e respondendo sobre a minha vida, digo, que apesar de meus paroquianos não serem muitos, porque a cidade é pequena, mas se eu for começar a contar esta minha missão, pode levar horas, dias porque como comentávamos, a diversidade de opiniões são muitas e por causa do livre arbítrio as opiniões sempre se esbarram entre si.
--- Mas e você, Pastor Renaut, sei que também leva muito a sério seu apostolado, amando o nosso verdadeiro mestre, não ficas sempre num mesmo lugar, sempre faz uma palestra aqui, outra ali, me diz também de sua vida!
--- É, Padre, realmente não paro muito, meu jeito é assim mesmo, a rotatividade, servimos o Senhor melhor com o nosso jeito de ser, vou te contar um dos problemas que está me preocupando: tenho de fazer uma palestra daqui a 7 dias, na Igreja de um pastor amigo e já tenho tudo preparado para fazer um comentário sobre a imoralidade, corrupção, e tudo que se relaciona com a malandragem humana, deixarei bem claro a necessidade do crente procurar a santidade, afastar cada vez mais dos pecadores, terem orgulho de congregarem com os irmãos que procuram amar e seguir Jesus Cristo, sendo que sua justiça será implacável com todos aqueles amantes do pecado.
--- Então tudo dará certo não há motivo para preocupações, porque suas palavras serão muito abençoadas pelo nosso Deus!...
--- Mas acontece, meu irmão, sinto que o Senhor mudou totalmente estes meus planos, diz o Pastor Renaut.
--- Mas como! Por quê?
            --- Tentarei fazer uma breve explicação, continua o Pastor: nesta mesma igreja que devo falar, congregava um casal que foi até muito respeitado pelos irmãos evangélicos, mas por ironia do destino, aliás digo, ironia da vida, o único filho, já moço e era freqüentador convicto daquela igreja, enveredou-se pelo caminho do mau e bota mau nisso, pois tornou-se um traficante de drogas das pesadas, suas companhias antes eram dos compenetrados e puros membros daquela denominação, passou a ser de pessoas tão impuras, que manchava tudo em volta. A vida desse moço transformou-se, tornou-se fácil viver dali para frente, a fortuna foi dando salto, pelas incessantes malandragens. O casal até tentou impedir o filho de seguir este caminho sombrio, mas foi incrível, eles embarcaram na mesma onda, fizeram vista grossa, aquela vida majestosa os amparava tanto,  fazendo-os  esquecer os valores cristãos. O óbvio aconteceu: afastaram-se da igreja.
Um dia o castelo daquela família começou a desmoronar, o filho é preso, a justiça dos homens começava a caçada inexorável, a riqueza conseguida indevidamente, acabou-se. O pior pesadelo para o casal, foi quando recebem a notícia de que seu filho detento estava semi-morto no hospital penitenciário, segundo notícia, por motivo inexplicável.
Os pais transpassados de dor assistem a vida de seu filho já em coma se esvair-se completamente!
Em casa, agora residência humilde e alugada, o casal estava completamente pobre, sem nada! Mas então lembram-se de que ainda lhes resta Deus! Ajoelhados, choram, pedem perdão, permanecem algum tempo naquela posição, com os joelhos doloridos, queriam de algum modo, nem que fosse uma pequena penitência.
Já um pouco aliviados, porque sentem-se leves, livres do grande fardo de culpa que carregavam até aquele instante.
Entretanto, restava ainda alguma providência a ser tomada, a volta para a igreja, voltar a conviver com os irmãos em Cristo. Procuram o pastor e falam da firme resolução. O líder religioso diz:
--- realmente acredito no sincero arrependimento de vocês, algumas vezes, fui obrigado a pedir para algumas pessoas a não freqüentarem mais os cultos, por não viverem condignamente. A meu ver vocês merecem voltar ao nosso meio, mas, se voltarem serão repudiados pelos irmãos, eles preferem que sejam expulsos pela indignidade cometida e não sentirem suas presenças no templo do Senhor!...
Pastor Renaut, faz uma pausa e depois fala:
--- Então, Padre Elias, este casal, vai justamente no culto domingo, no dia de minha palestra, se eu falar o que pretendia, esses irmãos arrependidos, serão tão maltratados moralmente e poderiam sentir pior do que aqueles cristãos martirizados nas arenas estraçalhados pelos leões.
Portanto, vou em frente confiante que meu mestre me encaminhará.
Então disse o solidário Padre:
--- Acredito que ele lhe mostrará o caminho, meu amigo, pretendo ir nesse culto, é lógico não por curiosidade, mas sim torcer, até mesmo rezar, para tudo correr magnificamente bem. Até lá!...
Enfim o dia chegou, domingo ensolarado, era uma bonita manhã de primavera, pelo aspecto da igreja evangélica, poderia supor haver uma congregação de membros considerável.
Poucos minutos antes das 9h. Hora de começar, o local já estava lotado, Padre Elias estava num dos últimos bancos, no seu olhar de experiente observador conseguia ver cada detalhe, sentiu um grande clima espiritual, as músicas tocadas e cantadas pelos jovens, acompanhada por muitos presentes eram maravilhosas, tinha a impressão de que não se cansaria  de ouvir aquele louvor, viu seu amigo o Pastor Renaut sentado bem na frente na parte central do templo, estava de frente com os vários assistentes, ao seu lado o Pastor daquela igreja, apresentou-o aos ouvintes, eles estavam ansiosos para ouvir as inspiradas palavras. Começou dizendo:
--- Irmãos, na qualidade de humilde servo de nosso Deus, falarei algumas palavras, referindo ao grandioso amor do nosso Pai Celestial por nós, mais do que nunca devemos amá-lo acima de tudo, também amar nosso próximo e todo o ser humano, este amor tem de ser incondicional. Desejo  pedir-lhes para ter muita compreensão. Muito se tem comentado do casal que por vários anos louvaram o Senhor com vocês neste local, afastaram daqui por motivo já bem conhecido, arrependeram e querem voltar, neste momento aqui estão em real estado de arrependimento.
Mas neste instante, o Pastor foi interrompido pelo grande murmúrio ali dentro, demonstrava-se uma insatisfação geral.o ambiente tão aconchegante e contemplativo, tornara-se sinistro e tumultuado, realmente notava-se um verdadeiro sentimento de rancor e incompreensão com aquelas duas criaturas. Padre Elias, atento observou um homem e uma mulher no último banco, não tinham aparência de velhos, muito tristes, demonstrando grandes sinais de apreensão, pois talvez não tinham esperança do reconhecimento dos amigos, irmãos de outrora. Concluiu  que só poderia ser eles. (um dia soube que foram aconselhados a ficarem bem atrás naquele dia)
Pastor Renaut estando ainda com a palavra pede silêncio e fala:
--- meus irmãos peço àqueles que não aceitam o retorno deles a este recinto levantem as mãos. Foi aquele silêncio por uns segundos, mas logo só se via, mãos sendo levantadas, estava decidido, o rompimento era desejo quase geral.
--- Então, meus ouvintes, vocês que não concordam, consideram-se justos, eu peço humildemente, abram a bíblia em Lc. 18:9-14 e vejam o que Nosso Senhor Jesus Cristo fala para vocês:
“Propôs também esta parábola a alguns que confiavam em si mesmos, por se considerarem justos, e desprezavam os outros:
Dois homens subiram ao templo com o propósito de orar: um, fariseu, e o outro, publicano.
O fariseu posto em pé, orava de si para si mesmo, desta forma: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adultérios, nem ainda como este publicano;
Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho.
O publicano, estando em pé, longe, não ousava nem ainda levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: ó Deus, sê propício a mim, pecador!
Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque todo o que se exalta será humilhado; mas o que se humilha será exaltado”.
Pastor Renaut, visilvemente emocionado ao terminar esta leitura fala:
--- Ouviste o que foi dito nesta parábola: o que exalta será humilhado, mas o que se humilha será exaltado. Pedirei novamente para levantarem as mãos, aqueles que concordam com o retorno dos irmãos convertidos. Conforme o resultado, nada mais resta continuar eu continuar aqui.
Novamente houve o silêncio, e não houve mão sequer levantada.
Padre Elias, sai mansamente da igreja, sem esperar terminar, mas com a nítida certeza: aquela parábola foi salvadora, no seu caderno, anotava:
            --- Agradeço-lhe, meu Senhor, pelas suas sábias e santas palavras, que nos ajuda hoje e também até os fins dos tempos. E que os homens possam absorver do teu livro sagrado, mensagens do verdadeiro amor, o sentimento tão importante do teu ensinamento!...
(História é fictícia, mas fatos semelhantes sempre acontece nesta vida cheia de controvérsias)

José Lourenço Florentino
Enviado por José Lourenço Florentino em 07/10/2007
Código do texto: T684747
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Lourenço Florentino
São Lourenço - Minas Gerais - Brasil, 72 anos
355 textos (8173 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 07:32)
José Lourenço Florentino